Porto Velho (RO) quinta-feira, 17 de janeiro de 2019
×
Gente de Opinião

Política

ORIENTAÇÕES PRÁTICAS – ELEIÇÕES 2006


1. A igreja não indica candidatos e partidos. Devemos  promover grupos de "Fé e Política", ou outra forma de organização que nos ajude a assumir um papel ativo na conscientização e formação política;

2. Nossa igreja deve conscientizar cidadãos e cidadãs da sua responsabilidade de votar bem, tendo presente que seu voto tem valor, escolhendo com cuidado os candidatos a serem votados nos diversos níveis;

3. Podemos promover debates e reflexões sobre programas e candidatos, a fim de propiciar uma melhor avaliação dos mesmos; organizar também seminários e encontros para aprofundamento de temas sócio-políticos mais específicos da região, aglutinando com eficácia um número maior de pessoas; deve-se excluir reuniões partidárias em ambientes da Igreja;

4. É necessário estimular para que a escolha do candidato se faça a partir do seu programa, do seu respeito ao pluralismo cultural e religioso, do seu comportamento ético e de suas qualidades, tais quais, a honestidade, competência, liderança, transparência, vontade de servir ao bem comum, comprovada pela atuação anterior, do seu compromisso com a justiça e com a causa dos marginalizados;

5. Devemos apoiar os Comitês contra a corrupção eleitoral e para a aplicação da Lei nº 9.840, que proíbe a compra de votos e o uso da maquina administrativa; Esta lei é uma grande ajuda para sairmos do tradicional círculo vicioso da corrupção. Os Comitês locais devem estimular as comunidades a trabalhar de forma organizada e sempre avaliada. As 388 cassações (no Executivo e no Legislativo) já realizadas, a partir da Lei da moralidade eleitoral, mostram sua eficiência. Entrar em contato com a Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese, para maiores informações.

6. Precisamos incentivar de modo especial a participação das mulheres na política e contribuir para que elas preencham o número de vagas que lhes são reservadas por lei;

7. Devemos valorizar os candidatos católicos eleitos, acompanhandos-os no exercício de seu mandato e procurando que eles se preocupem com o meio ambiente (desmatamento, uso da água, agronegócio, etc..) e com as populações tradicionais (ribeirinhos, agricultores familiares com produção diversificada, povos indígenas, quilombolas, etc..).

8. Exercer a vigilância com relação aos partidos que continuam indicando como seus candidatos pessoas comprovadamente inescrupulosas. Os eleitores devem ser orientados a não apoiar tais candidatos, e até recusar qualquer candidato de um partido que acoberte tais pessoas;

9. Atenção ao candidato: busca o poder em vista do bem comum ou por interesses particulares? Qual era a situação econômica de tal parlamentar antes de ser eleito e como está agora? Muitos prometem favores em troca de votos; abrem "Fundações de saúde" só para o tempo que precede as eleições. Votar em tais candidatos é tornar-se escravo deles.

10. A corrupção política existe porque é alimentada pela impunidade. Reflita sobre o caso de Rondônia, onde 23 dos 24 deputados estaduais foram acusados de desvio do dinheiro público: eles mesmos se julgaram, se absolveram e, para nossa humilhação, muitos deles estão se candidatando para mais uma eleição!

11. Recomenda-se  cuidado quanto aos partidos que incluem em suas listas líderes católicos, com a única função de somar votos para a sigla. Candidatos que se aproximam das lideranças de forma oportunista em função do ano eleitoral devem ser evitados. Os votos dados a tais candidatos contribuem para a eleição de políticos nem sempre merecedores de apoio.

12. Evite-se qualquer tipo de indicação de candidatos na Igreja: nas reuniões ou encontros, nas dependências das comunidades eclesiais com cartazes e/ou faixas, nas festas das comunidades. A comunidade eclesial não deve se transformar em plataforma política. Deve ainda evitar toda e qualquer ajuda que seja oferecida para fins eleitorais;

13. Lideranças que estejam diariamente comprometidas com candidatos  deverão se afastar do seu ministério no período pré-eleitoral, para não comprometer a sua missão na Igreja.

 

 

Mais Sobre Política

Rondônia: Cursos da Escola do Legislativo reiniciam em fevereiro

Rondônia: Cursos da Escola do Legislativo reiniciam em fevereiro

Escola está de mudança para a nova sede, mais ampla e funcional que a atualA Escola do Legislativo deve iniciar o ano letivo na segunda quinzena de

QUANDO AS MULHERES ERAM OBEDIENTES

QUANDO AS MULHERES ERAM OBEDIENTES

No meio de tudo isto, verifico que a injustiça, geralmente, caminha à frente da justiça.

Rondônia continua em destaque no CFA

Rondônia continua em destaque no CFA

Rondônia continua fortalecido no âmbito da administração em Brasília. Mesmo com a mudança na presidência, o Estado continua representado na estrutur

Governo de Rondônia divulga calendário com feriados e ponto facultativo de 2019; Confira as datas em que não haverá expediente

Governo de Rondônia divulga calendário com feriados e ponto facultativo de 2019; Confira as datas em que não haverá expediente

O governador Coronel Marcos Rocha, por meio do decreto nº 23.522 de 14 de  janeiro de 2019, estabelece o calendário de datas em que não haverá expedie