Porto Velho (RO) sexta-feira, 22 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Política

Organizações da sociedade civil conseguem suspender audiências públicas das hidrelétricas do Madeira


Nesta segunda- feira, dia 06/11, a Campanha Viva o Rio Madeira Vivo, o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), o Fórum de Debates sobre Energia de Rondônia (Foren), a Comissão Pastoral da Terra (CPT), o Conselho Indigenista Missionário (Cimi) e a Rede Brasil sobre Instituições Financeiras Multilaterais entre outros, solicitou ao Ministério Público Federal que impetrasse na Justiça uma ação de adiamento das audiências.

O Procurador da República em Rondônia, Heitor Alves Soares suspendeu as Audiências Públicas das Hidrelétricas do rio Madeira, que aconteceria entre os dias 08, 09,10 e11 de novembro. Movimentos sociais e organizações da sociedade civil conseguiram provar a parcialidade, insuficiência, unilateralidade e inacessibilidade dos Estudo e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA) e de seus estudos complementares. Representantes de organizações da sociedade civil disseram que existem muitas lacunas nos estudos paralelos da EIA-RIMA apresentando vários problemas. Ressaltaram também que existem falhas em aspectos formais com relação a convocação e documentos não acessíveis e incompletos para a realização das audiências. Segundo eles, o IBAMA não cumpriu com o determinado na Resolução do Conama e na Instrução Normativa. No decorrer do prazo para solicitação de audiências, antes mesmo de se completar os 45 dias. A determinação é que não se convoquem novas audiências antes que os problemas suscitados sejam sanados.

Para fortalecer as mobilizações contra a construção da hidrelétrica no rio Madeira, as populações ribeirinhas, tanto rural quanto urbana, realizarão um Festival de arte e cultura que tem como objetivo mostrar os danos irreparáveis à cultura e à economia regional que podem advir com a construção da usina hidrelétricas no rio Madeira. O evento acontece no dia 11 de novembro de 2006, em Porto Velho (Rondônia), das 08h às 24h, na Praça da Estrada de Ferro Madeira Mamoré.

O Festival tem como principal finalidade mostrar a produção econômica e cultural da população ribeirinha. Expor visões e usos do rio Madeira ameaçado em seu equilíbrio devido a "modernização" desregrada da Amazônia Ocidental, processo este que tem agora como carro-chefe, o Complexo hidroviário e hidrelétrico do Madeira. A "modernização" acelerada que acompanhará os megaprojetos na região, pode impor a deterioração irreversível das tradições culturais locais. Daí a importância de um processo continuado de valorização da cultura e do modo de vida ribeirinhos, da auto-estima dessa cultura cabocla e singular.

Mais Sobre Política

UHE Jirau doa ônibus para colégio tiradentes de Jaci-Paraná

UHE Jirau doa ônibus para colégio tiradentes de Jaci-Paraná

Veículo será utilizado no transporte de alunos do Colégio para o Centro de Ciência e Tecnologia em Nova Mutum Paraná

ALE discute volta de vigilantes nas escolas de Rondônia

ALE discute volta de vigilantes nas escolas de Rondônia

Desde 2013 a segurança dos colégios é feita por monitoramento eletrônico

Servidores da ALE beneficiados com reajuste salarial

Servidores da ALE beneficiados com reajuste salarial

Mesa Diretora aprova projetos que beneficiarão servidores efetivos da ALE

TJRO adquire solução integrada com produtos Google

O Tribunal de Justiça de Rondônia aderiu à Ata de Registro do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região, para aquisição de solução integrada de colab