Porto Velho (RO) quarta-feira, 27 de maio de 2020
×
Gente de Opinião

Política

OAB sugere, TJ acata e Assembléia aprova regulamentação do recesso forense


O recesso forense no âmbito da Justiça de Rondônia será no período de 20
de dezembro a 06 de janeiro. O assunto foi regulamentado através de projeto
de Lei aprovado essa semana pela Assembléia Legislativa por 17 votos a um.
 O projeto de Lei aprovado é de iniciativa do Tribunal de Justiça, que acatou
sugestão da Seccional Rondônia da Ordem dos Advogados do Brasil, que vinha
manifestando sua preocupação com eventuais prejuízos aos jurisdicionado com
a ausência de regulamentação do recesso forense.

Ciosa de sua responsabilidade para a administração da Justiça, a OAB encaminhou
ao Tribunal de Justiça em agosto desse ano propondo a regulamentação do atendimento
da Justiça no final do ano. O TJ acatou a sugestão da OAB e encaminhou projeto
de Lei à Assembléia Legislativa para deliberação dos deputados.

O presidente da OAB Rondônia, Orestes Muniz, já havia tratado do assunto
com a presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça,
ministra Ellen Gracie, por ocasião de sua visita à seccional, em junho deste
ano. Para a OAB, a ausência de regulamentação do recesso forense, deixado
em aberto pela resolução do CNJ que reduziu o período de férias dos magistrados,
poderia prejudicar a população.

Para o advogado, acentua o presidente da OAB, a vantagem da regulamentação
traz a possibilidade de melhor se programar para as confraternizações de
final de ano, um momento em que toda a família se reúne, sem risco de comprometer
os prazos. Visto por esse anglo, a definição do funcionamento da Justiça
no final do ano, é bom para o advogado e é bom para o jurisdicionado, observa
Orestes Muniz.

Em visita ao Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no dia
10 de outubro, a ministra Ellen Gracie afirmou que a eliminação das férias
forenses não beneficiou os advogados e nem a celeridade judicial, explicando
que o fim do recesso permitiu que os magistrados se ausentassem durante o
decorrer do ano o que afeta a tramitação dos processos nos tribunais de Justiça
considerando que as câmaras e turmas ficaram desfalcadas para realizar julgamentos.

No âmbito federal, a Justiça Federal e Trabalhista já possui o seu recesso
também fixado por lei entre os dias 20 de dezembro e 06 de janeiro fato que
contribui para a necessidade de se compatibilizar em Rondônia o funcionamento
da Justiça Estadual com a Justiça Federal e do Trabalho.

Durante o período do recesso proposto, levando em consideração o caráter
ininterrupto da atividade jurisdicional, o projeto prevê nesse caso o atendimento
através do sistema de plantões judiciários regulamentado por ato do próprio
Tribunal de Justiça, garantindo atenção aos casos de urgência, novos ou em
curso.

Fonte:  OAB-RO

 

Mais Sobre Política

Deputado Dr. Neidson pede mais apoio para o setor de saúde do município de Guajará-Mirim

Deputado Dr. Neidson pede mais apoio para o setor de saúde do município de Guajará-Mirim

O deputado Dr. Neidson (PMN), na sessão ordinária desta terça-feira (26), disse que Governo do Estado assumiu a saúde em Guajará-mirim, mas a situ

Deputado Anderson Pereira apresenta projeto para acrescentar tempo de aposentadoria dos servidores da saúde e segurança pública

Deputado Anderson Pereira apresenta projeto para acrescentar tempo de aposentadoria dos servidores da saúde e segurança pública

Devido ao momento caótico que o mundo enfrenta, principalmente servidores das áreas de saúde e segurança pública, ligados diretamente no combate e

Câmara aprova auxílio financeiro para instituições que cuidam de idosos

Câmara aprova auxílio financeiro para instituições que cuidam de idosos

A Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 1888/2020 que obriga a União a auxiliar financeiramente Instituições de Longa Permanência de Ido

Deputados da CCJR são contra perdão de dívida da Energisa, mas adiam decisão por 60 dias

Deputados da CCJR são contra perdão de dívida da Energisa, mas adiam decisão por 60 dias

Apesar de todos os deputados da Comissão de Constituição e Justiça e de Redação (CCJR) da Assembleia Legislativa de Rondônia se manifestarem contr