Porto Velho (RO) segunda-feira, 21 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política

O Estado não sabe o que fazer no Urso Branco


   

A verdade que emerge das próprias declarações do governador Ivo Cassol, e dos boletins expedidos pelo Departamento de Comunicação do Governo de Rondônia é uma só: o Estado não sabe o que fazer no Urso Branco, presídio que abriga presos provisórios e condenados, no epicentro de uma possível intervenção federal por causa da violação do artigo 34, inciso VII, da Constituição Federal. É o princípio da dignidade humana, matéria que o chefe do executivo não demonstra apreço.

O governador sai de encontro com o ministro da Justiça, Tarso Genro, ocorrido ontem (22), e, para variar, tenta driblar o tempo e colocar a platéia desinformada a seu favor, dizendo na imprensa que a penúria no Urso Branco é igual a de todos os presídios, e que o governo federal precisa mandar dinheiro.

Antes o problema fosse falta de dinheiro. Mas não é. E o Urso Branco é igual às demais penitenciárias no item superlotação e desigual ao triplo nas condições abjetas a que são amontoados presos em celas com insalubridade acima de 40%, sem água em  terra de 40 graus, e elevado número de mortes ocorridas. É preciso relembrar os últimos lances desse enredo de incúria patrocinada pelo executivo, que soma quase oito anos, para sustentar a tese de que não se sabe o que fazer no Urso Branco. Vejamos:

1) No dia 13 de outubro, representantes do Conselho Nacional de Justiça, a pedido do presidente do STF, chegam a Rondônia, com a tarefa de colher subsídios para embasar a justiça em relação ao pedido de intervenção federal feito pelo procurador-geral Antonio de Souza no dia 7;

2) Conforme registra a imprensa de Porto Velho, Erivaldo Santos e Manoel Castilho, do CNJ, reuniram-se com as autoridades do Estado. Contrárias em sua maioria à intervenção, decidiram que um termo de compromissos seria assinado pelo governador para adotar providências emergenciais no Urso Branco;

3) No mesmo dia 13, registra-se que o governo vai cumprir as medidas, e hoje, passados 10 dias da reunião em que se reprisa os mesmos problemas há quase uma década, a população de Porto Velho ainda não sabe quais são elas;

4) No dia 16, pelo release do Decom, sabe-se apenas que o estado vai decretar estado de emergência para evitar uma intervenção federal e constituir uma força-tarefa para "resolver a questão prisional na capital"; e

5) No dia 22, o governador pede SOS ao governo federal e sai do encontro com Tarso Genro dizendo aleivosias, como a de que a União não faz investimentos nos presídios de Rondônia.

É ou não um roteiro que dá bem a idéia de que o Estado não sabe o que fazer no Urso Branco? E isso depois de diversas medidas serem definidas por comissão constituída a partir das denùncias feitas à Organização dos Estados Americanos, OEA, para mudar o quadro de indignidade humana ? Para restabelecer a verdade, embaçada pela pirotecnia midiática, como a ida da presidente do TJ e do governador ao presídio, não se conhece outra casa prisional que tenha merecido, por parte da Corte Interamericana de Direitos Humanos da OEA, sucessivas reprimendas ao Estado brasileiro.

Em maio deste ano, a Corte emitiu a sexta resolução condenatória – a primeira foi em 2002 -, agravada pela constatação, mais recente, da prática sistemática de tortura no Urso Branco, o que    foi confirmado pela CPI do Sistema Carcerário este ano e  documentado no pedido de intervenção federal feito pelo procurador da República.

Vamos aos recursos. O repórter Guilherme Balza, do Uol, tem acompanhado os últimos acontecimentos envolvendo o Urso Branco. Em matéria publicada no dia 17, o juiz Sérgio William, da Vara de Execuções Penais de Rondônia, rebate o porta-voz de Cassol, que, aliás, tripudiou sobre o relatório da Justiça Global e Comissão Justiça e Paz sobre violação de direitos humanos naquela unidade. Diz o juiz: "Rondônia recebeu um montante alto de recursos do Funpen".

O Departamento Penitenciário Nacional, Depen, confirma: mais de R$ 30 milhões para melhoria e ampliação do sistema penitenciário, até 2007. Nesse bolo, um convênio para recuperação e ampliação do Urso Branco resultou na liberação de 1 milhão e 312 mil reais, em 2004, e outros 5 milhões e 735 mil reais foram para a outra casa de detenção em Porto Velho.

Está no Portal Transparência, está no Siaf. O que não é transparente, definitivamente, é acobertar fragilidades na condução de setor explosivo e precário como o sistema penitenciário, em que inclusive a vida dos agentes penitenciários e policiais é submetida a riscos diariamente, atirando contra todos, desrespeitando instituições e decisões de pessoas que as representam, movendo-se no terreno do vale tudo.  

Fonte: Blog da Fátima

Mais Sobre Política

Ministério Público realiza reunião sobre os bairros Conceição e Flamboyant após intervenção de Cristiane Lopes

Ministério Público realiza reunião sobre os bairros Conceição e Flamboyant após intervenção de Cristiane Lopes

Após a vereadora Cristiane Lopes (PP) ir até o Ministério Público Estadual (MP/RO), para relatar os problemas das obras de pavimentação dos bairros Fl

Mariana Carvalho apresenta declaração sobre cobertura universal de saúde em assembleia da União Interparlamentar

Mariana Carvalho apresenta declaração sobre cobertura universal de saúde em assembleia da União Interparlamentar

Mais de 1700 parlamentares e parceiros da ONU e da sociedade civil de todo o mundo estão reunidos em Belgrado, na Sérvia, onde acontece a 141ª Assembl

Erro na tabela de vencimentos dos professores volta a ser discutido na Comissão de Educação

Erro na tabela de vencimentos dos professores volta a ser discutido na Comissão de Educação

A Comissão de Educação e Cultura (CEC), da Assembleia Legislativa, se reuniu na manhã desta quarta-feira (16), para deliberar projetos e voltou a di

Liderança na produção do cacau depende da vontade política, aponta debate

Liderança na produção do cacau depende da vontade política, aponta debate

A volta do protagonismo brasileiro na produção de cacau depende de mais investimentos em pesquisa e de ações como o fortalecimento da Comissão Executi