Porto Velho (RO) segunda-feira, 20 de setembro de 2021
×
Gente de Opinião

Política

Moreira Mendes: Falta de investimentos do governo federal favorece a violência


A falta de investimentos e de ações do governo federal nos estados é a maior causa do aumento progressivo dos índices de violência no interior do Brasil, afirmou o deputado Moreira Mendes (PPS-RO) no Plenário da Câmara nesta segunda-feira (5). Segundo ele, o problema é grave, e não se resolve só com o aumento de efetivos ou melhoria qualitativa das polícias. "O problema é social. O problema é de educação - no seu mais amplo sentido, e é de desemprego também", disse.

A interiorização da violência foi apontada em recente estudo da Organização de Estados Ibero-Americanos para a Educação, Ciência e Cultura (OEI). A pesquisa revela que, entre as dez cidades mais violentas do Brasil, seis ficam na região Centro-Oeste, sendo campeã a cidade de Colniza, no Mato Grosso, com uma média de 165,3 homicídios por 100 mil habitantes, contra uma média nacional de apenas 27,2. Rondônia aparece entre os três estados brasileiros com maior número de municípios violentos, ao lado de Pernambuco e Rio de Janeiro.

Moreira Mendes destacou que, embora não disponha de grandes recursos, o Governo do Estado de Rondônia vem fazendo a sua parte no combate à violência, investindo no aumento do efetivo das polícias Civil e Militar e reestruturando, integrando e modernizando todo o sistema de segurança pública. O resultado é uma redução nos índices de violência, tanto na capital quanto no interior. "Em 2001, Porto Velho era a segunda capital em número de crimes violentos no País. Em 2006, esse índice foi reduzido em 49,1%. Nenhuma outra Capital brasileira conseguiu tal desempenho", comemora o deputado.

Negligência

Já o governo federal, diz Moreira Mendes, tem negligenciado as suas obrigações com o crescimento do País e, por conseqüência, com a educação e a segurança pública, especialmente em Rondônia. "O gasoduto Urucu-Porto Velho até hoje não saiu do papel e a questão fundiária é tratada com descaso, pois, enquanto o governo investe a fundo perdido na reforma agrária na Bolívia – um dos maiores produtores de cocaína do mundo - deixa de atender as necessidades mínimas do agricultor rondoniense", criticou. Ainda segundo ele, em 2006, o governo federal investiu em Rondônia menos de 15% do que investiu em estados vizinhos como Acre, Amazonas, Roraima e Amapá. "Só posso concluir que o governo federal ou é omisso por incompetência ao gerenciar os recursos da União, ou é omisso por desconhecimento e desinteresse da realidade do nosso estado. Esse governo continua patinando, sofrendo de uma miopia grave, que o impede de ver que, se há ladrões roubando e violentando nossas casas e nossas famílias, é porque não há governo, o que há são apenas pessoas travestidas de autoridades defendendo interesses mesquinhos, em detrimento dos reais interesses do povo", concluiu.

Fonte: Rodrigo Erse

Mais Sobre Política

Everaldo Fogaça ressalta trabalho da Prefeitura durante inauguração de nova unidade de saúde municipal

Everaldo Fogaça ressalta trabalho da Prefeitura durante inauguração de nova unidade de saúde municipal

O vereador Everaldo Fogaça (Republicanos) prestigiou nesta sexta-feira 17.09 a solenidade de entrega da unidade de saúde Ernandes Índio, localizado no

Jair Montes apresenta projeto que pretende incentivar a contratação de menor aprendiz na administração pública

Jair Montes apresenta projeto que pretende incentivar a contratação de menor aprendiz na administração pública

A indicação do deputado Estadual Jair Montes (Avante) ao Governador Marcos Rocha, é para que o mesmo adote a iniciativa de Projeto de Lei, instituin

Presidente Alex Redano discute modelo de faculdade estadual com deputados do Tocantins

Presidente Alex Redano discute modelo de faculdade estadual com deputados do Tocantins

Com a finalidade de trocar informações e experiências de gestão bem sucedidas, o presidente da Assembleia Legislativa, Alex Redano (Republicanos), s

Deputado Léo Moraes repudia quarentena para determinadas categorias

Deputado Léo Moraes repudia quarentena para determinadas categorias

A exigência de quarentena de quatro anos para algumas categorias profissionais concorrerem às eleições, medida aprovada pelo Plenário da Câmara dos