Porto Velho (RO) quinta-feira, 16 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

Política

Menos de 50 novos nomes no Congresso


Agência O GloboBRASÍLIA - O Congresso que assume um novo mandato a partir de fevereiro derruba uma esperança do brasileiro: a da renovação. Os "novos" parlamentares não são tão novos assim, e verdadeiros estreantes não chegam a 50. As conclusões fazem parte de um estudo produzido pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) a partir das biografias e experiências políticas dos 513 deputados e 27 senadores eleitos em outubro.O levantamento do Diap demonstrou que, dos 243 "novos" deputados, 200 já exerceram algum mandato ou cargo público em alguma das três esferas de governo - federal, estadual ou municipal.Amapá e Distrito Federal propiciaram, percentualmente, a maior troca de cadeiras. Cada um tem direito a oito representantes e apenas dois no Amapá e dois no DF foram reeleitos. Goiás, ao contrário, manteve a maior parte dos deputados. Das 17 vagas, 14 continuaram com os mesmos titulares e três (17,65%) são novatos.O estudo do Diap traçou também o perfil sócio-econômico do grupo que assume. Estatisticamente, o novo Congresso será de elite. Em termos de escolaridade, a futura Câmara não deve nada aos parlamentos de países mais desenvolvidos: 413 dos 513 deputados declararam que têm curso superior (80,5%), e outros 37 (7,2%) têm formação superior incompleta, chegando perto dos 90% do total.A maior parte dos deputados é de profissionais liberais. São 265, entre eles 87 advogados, 54 médicos, 47 engenheiros, 20 economistas e 15 administradores. A segunda maior representação será dos empresários (120). Os assalariados serão representados por 88 deputados, enquanto trabalhadores rurais e operários somam 19.Para o coordenador-geral do estudo do Diap, o cientista político Antônio Augusto de Queiroz, o governo pode enfrentar dificuldades caso queira implementar reformas mais sociais. - O novo conjunto de parlamentares é mais liberal do ponto de vista econômico e mais conservador do ponto de vista social. Se o governo quiser implementar um discurso mais à esquerda, poderá ter dificuldades.Ganharam espaço as bancadas ruralista e empresarial. Perderam as dos sindicalistas e evangélicos. Os ruralistas, uma das categorias mais eficientes do Congresso, perderam em quantidade: caíram de 111 para 104 parlamentares.A bancada feminina no Congresso cresceu em relação a 2002. Foram eleitas 46 deputadas, por 20 estados e por 13 partidos, representando 8,97% das cadeiras da Câmara.No Senado, embora 20 dos 27 senadores que assumirão sejam considerados novos, todos têm experiência política anterior, inclusive de presidente da República, como o Fernando Collor (PRTB). Há pelo menos cinco ex-governadores, além de ex-deputados estaduais e federais e prefeitos.

Mais Sobre Política

Seminário vai discutir implantação do Patronato Penitenciário em Porto Velho

Seminário vai discutir implantação do Patronato Penitenciário em Porto Velho

O Ministério Público do Estado de Rondônia, por meio do Centro de Apoio Operacional de Políticas Penitenciárias e Execução Penal (CAOP-PPEP), realiza

Prefeitura de Porto Velho acata notificação conjunta MPC/MP/MPF/MPT e suspende contratação de OSS

Prefeitura de Porto Velho acata notificação conjunta MPC/MP/MPF/MPT e suspende contratação de OSS

Após notificação recomendatória expedida pelo Ministério Público de Contas de Rondônia (MPC-RO), de modo conjunto com o Ministério Público Estadual (M

Daniel Pereira e Lindomar Garçon vão à Presidência do Banco do Brasil para evitar quebradeira do estado

Daniel Pereira e Lindomar Garçon vão à Presidência do Banco do Brasil para evitar quebradeira do estado

O Coordenador da bancada federal, deputado Lindomar Garçon (PRB-RO), intermediou ontem a tarde em Brasília, um encontro entre o Diretor de Governo do