Porto Velho (RO) domingo, 20 de janeiro de 2019
×
Gente de Opinião

Política

Menos de 50 novos nomes no Congresso


Agência O GloboBRASÍLIA - O Congresso que assume um novo mandato a partir de fevereiro derruba uma esperança do brasileiro: a da renovação. Os "novos" parlamentares não são tão novos assim, e verdadeiros estreantes não chegam a 50. As conclusões fazem parte de um estudo produzido pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) a partir das biografias e experiências políticas dos 513 deputados e 27 senadores eleitos em outubro.O levantamento do Diap demonstrou que, dos 243 "novos" deputados, 200 já exerceram algum mandato ou cargo público em alguma das três esferas de governo - federal, estadual ou municipal.Amapá e Distrito Federal propiciaram, percentualmente, a maior troca de cadeiras. Cada um tem direito a oito representantes e apenas dois no Amapá e dois no DF foram reeleitos. Goiás, ao contrário, manteve a maior parte dos deputados. Das 17 vagas, 14 continuaram com os mesmos titulares e três (17,65%) são novatos.O estudo do Diap traçou também o perfil sócio-econômico do grupo que assume. Estatisticamente, o novo Congresso será de elite. Em termos de escolaridade, a futura Câmara não deve nada aos parlamentos de países mais desenvolvidos: 413 dos 513 deputados declararam que têm curso superior (80,5%), e outros 37 (7,2%) têm formação superior incompleta, chegando perto dos 90% do total.A maior parte dos deputados é de profissionais liberais. São 265, entre eles 87 advogados, 54 médicos, 47 engenheiros, 20 economistas e 15 administradores. A segunda maior representação será dos empresários (120). Os assalariados serão representados por 88 deputados, enquanto trabalhadores rurais e operários somam 19.Para o coordenador-geral do estudo do Diap, o cientista político Antônio Augusto de Queiroz, o governo pode enfrentar dificuldades caso queira implementar reformas mais sociais. - O novo conjunto de parlamentares é mais liberal do ponto de vista econômico e mais conservador do ponto de vista social. Se o governo quiser implementar um discurso mais à esquerda, poderá ter dificuldades.Ganharam espaço as bancadas ruralista e empresarial. Perderam as dos sindicalistas e evangélicos. Os ruralistas, uma das categorias mais eficientes do Congresso, perderam em quantidade: caíram de 111 para 104 parlamentares.A bancada feminina no Congresso cresceu em relação a 2002. Foram eleitas 46 deputadas, por 20 estados e por 13 partidos, representando 8,97% das cadeiras da Câmara.No Senado, embora 20 dos 27 senadores que assumirão sejam considerados novos, todos têm experiência política anterior, inclusive de presidente da República, como o Fernando Collor (PRTB). Há pelo menos cinco ex-governadores, além de ex-deputados estaduais e federais e prefeitos.

Mais Sobre Política

ASSEMBLEIA PODE PAVIMENTAR CAMINHO DE MARCOS ROGÉRIO AO GOVERNO EM 2022

ASSEMBLEIA PODE PAVIMENTAR CAMINHO DE MARCOS ROGÉRIO AO GOVERNO EM 2022

Pode começar já na eleição da mesa diretora da Assembleia a caminhada eleitoral do senador eleito Marcos Rogério ao governo do estado, na sucessão de

Rondônia: Deputado eleito percorrerá mais de 370 quilômetros de bicicleta para participar de sua posse

Rondônia: Deputado eleito percorrerá mais de 370 quilômetros de bicicleta para participar de sua posse

Disposto a promover projeto de interesse coletivo, deputado eleito Jhony Paixão lança desafio pessoal    O deputado estadual eleito Jhony Paixão (PR

Rondônia: Cursos da Escola do Legislativo reiniciam em fevereiro

Rondônia: Cursos da Escola do Legislativo reiniciam em fevereiro

Escola está de mudança para a nova sede, mais ampla e funcional que a atualA Escola do Legislativo deve iniciar o ano letivo na segunda quinzena de

QUANDO AS MULHERES ERAM OBEDIENTES

QUANDO AS MULHERES ERAM OBEDIENTES

No meio de tudo isto, verifico que a injustiça, geralmente, caminha à frente da justiça.