Porto Velho (RO) quinta-feira, 19 de maio de 2022
×
Gente de Opinião

Política

Maurão requer voto de louvor à Judite Holder


O deputado Maurão de Carvalho (PP) apresentou na Assembleia Legislativa requerimento de voto de louvor a Irmã Judite Holder, pela  passagem dos seus 100 anos de idade com efetiva contribuição ao município de Porto Velho e a todo o Estado de Rondônia.

Maurão de Carvalho disse que a irmã Judite Holder, membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Porto Velho, ainda  lê a Bíblia sem óculos e caminha a pé pela cidade de Porto Velho para visitar  parentes e antigos conhecidos. “Com 100 anos bem vividos, a ex-servente que se tornou diretora escolar é um exemplo vivo de pioneira da  época em que funcionava a lendária Estrada de Ferro Madeira Mamoré”, destacou.

Filha única de Sidney e Beatriz Holder, Judite veio da Ilha de Barbados, desembarcando em Belém (PA). No município de Porto velho morou em localidades por onde passavam os trilhos, de Jaci-Paraná até Abunã.

O parlamentar citou também algumas das  características da Irmã Judite Holder que conversa pouco, mas sua fala e seu semblante revelam uma pessoa que lutou a vida toda e hoje contempla as transformações da cidade. “Foi acometida pela malária nos tempos infortúnios da floresta inóspita. Os operários construtores da ferrovia, incluindo seus pais, naquela época trabalhavam de sol a sol enfrentando doenças como a malária, beribéri, hepatite e impaludismo. Ainda menina viu aportarem aqui o navio “Madeira Mamoré” e a chata “Cuiabá”, à lenha. As pessoas corriam para o barranco do rio, que era uma Sensação.”

Irmã Judite Holder morou num dos bairros mais tradicionais de Porto Velho, o Bairro do Triângulo. Em 1969 perdeu seu marido Perci, que morreu aos 56 anos.

Lúcida, apesar da idade avançada, sempre menciona os nomes dos quatros filhos: o pastor Joel da Assembleia de Deus, a médica Dayse, o escriturário Wilson, que está em São Paulo e Gertrudes, professora aposentada. Tem sete netos.

Para essa personagem porto-velhense e de Rondônia a localidade de Santo Antônio do Rio Madeira “tem que ser relíquia”, o que na linhagem dos administradores do patrimônio histórico e cultura do país significa ser tombada. “Assisti o último  apito do trem em 10 de julho de 1972; ele veio de Guajará Mirim e quando parou na estação deixou muita gente com lágrimas nos olhos”, recorda a pioneira Judite Holder.

Sobre a vida escolar iniciada em 1946, quando auxiliou a professora Lígia Veiga na Escola Barão de Solimões. Ali permaneceu oito anos, mas o seu maior tempo foi na Escola Samaritana, para a qual se dedicou durante dez anos. “Fui diretora no Carmela Dutra, na Escola Duque de Caxias e no Castelo Branco”, ela conta, tendo se aposentando em 1977.

Fonte: Liliane Oliveira

Mais Sobre Política

Lideranças do cooperativismo lançam pré-candidatura de Salatiel Rodrigues a deputado federal

Lideranças do cooperativismo lançam pré-candidatura de Salatiel Rodrigues a deputado federal

Durante a Assembleia Geral Ordinária da OCB (AGO) que aconteceu no último dia 29, em Porto Velho, lideranças do cooperativismo do estado lançaram a

Vereador Fogaça indica compra de cinco ambulâncias para distritos de Porto Velho

Vereador Fogaça indica compra de cinco ambulâncias para distritos de Porto Velho

O vereador Everaldo Fogaça (Podemos) disse nesta terça-feira 17.05 que indicou à Prefeitura a compra de cinco ambulâncias para atendimento aos distrit

Saiba quais foram os projetos aprovados pela Assembleia Legislativa nas sessões de terça-feira

Saiba quais foram os projetos aprovados pela Assembleia Legislativa nas sessões de terça-feira

A Assembleia Legislativa de Rondônia aprovou uma proposta de emenda à Constituição, um Projeto de Lei Complementar e cinco Projetos de Lei Ordinária

Presidente Alex Redano recebe projeto que trata da recomposição salarial dos servidores do TJ

Presidente Alex Redano recebe projeto que trata da recomposição salarial dos servidores do TJ

O presidente da Assembleia Legislativa, Alex Redano (Republicanos), se reuniu na tarde desta terça-feira (17) com o juiz Rinaldo Forti, secretário g