Porto Velho (RO) domingo, 20 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política

Marcos Rogério trabalha por universidade na região Amazônica

Universidade deve ser instalada no município de Ji-Paraná


Marcos Rogério trabalha por universidade na região Amazônica - Gente de Opinião

Apesar de reconhecer a Amazônia como maior bacia hidrográfica do planeta, com importantes reservas minerais e a maior biodiversidade mundial, o senador Marcos Rogério (DEM-RO) lamentou em Plenário, nesta segunda-feira (23), que a região ainda não se destaque como prioridade de um Plano Nacional de Desenvolvimento.

 

Segundo apontou o parlamentar, as pesquisas na região ainda são ínfimas; a região carece de investimentos e planejamento estratégico para a promoção do desenvolvimento local, faltam universidades e centros de pesquisas especializados.

 

“A única oportunidade em que a Amazônia é lembrada é quando a mídia nacional e internacional destaca os índices de desmatamento. Ou seja, nessas ocasiões, a Amazônia ocupa espaço e a preocupação da sociedade.  Contudo, não há o mesmo interesse para debater a importância da educação, da ciência e tecnologia nos estados da Amazônia. Reconhecer a importância estratégica da região para o país é tão óbvia quanto a necessidade de um planejamento que fomente e incentive a educação, a ciência e a tecnologia”, ressaltou.

 

Segundo o parlamentar, as estruturas de ensino e pesquisa são insuficientes e as existentes não possuem condições de ofertarem aos jovens a mesma qualidade de educação superior ofertadas em outras regiões do país. “Como consequência, há uma baixa condição local de internalização dos processos produtivos e de inovação, pois os investimentos estão desconectados e distantes das pessoas”, disse.

 

Como forma de reverter esse quadro, o senador propôs ao governo federal a criação da Universidade Federal Rural da Amazônia Ocidental. Na última quinta-feira (19/09), o parlamentar se reuniu com o ministro da Educação, Abraham Weintraub, em busca de apoio para a implementação do projeto.

 

“É fundamental que os governos estaduais, com o apoio do governo federal, intensifiquem os investimentos em pesquisa, ciência e tecnologia para o desenvolvimento sustentável dos estados da região amazônica. Confio que essa Universidade irá proporcionar o incentivo adequado para fomentar a educação e ciência e tecnologia com um olhar dedicado à Amazônia e permitindo que a pesquisa seja feita efetivamente por quem mora na região amazônica”, salientou.

 

Segundo a proposta apresentada por Marcos Rogério, a universidade deve ser instalada em Ji-Paraná, Rondônia. O ministro da Educação Abraham Weintraub acolheu a ideia apresentada pelo parlamentar e informou dará encaminhamento ao envio de uma proposta legislativa.

Mais Sobre Política

Ministério Público realiza reunião sobre os bairros Conceição e Flamboyant após intervenção de Cristiane Lopes

Ministério Público realiza reunião sobre os bairros Conceição e Flamboyant após intervenção de Cristiane Lopes

Após a vereadora Cristiane Lopes (PP) ir até o Ministério Público Estadual (MP/RO), para relatar os problemas das obras de pavimentação dos bairros Fl

Mariana Carvalho apresenta declaração sobre cobertura universal de saúde em assembleia da União Interparlamentar

Mariana Carvalho apresenta declaração sobre cobertura universal de saúde em assembleia da União Interparlamentar

Mais de 1700 parlamentares e parceiros da ONU e da sociedade civil de todo o mundo estão reunidos em Belgrado, na Sérvia, onde acontece a 141ª Assembl

Erro na tabela de vencimentos dos professores volta a ser discutido na Comissão de Educação

Erro na tabela de vencimentos dos professores volta a ser discutido na Comissão de Educação

A Comissão de Educação e Cultura (CEC), da Assembleia Legislativa, se reuniu na manhã desta quarta-feira (16), para deliberar projetos e voltou a di

Liderança na produção do cacau depende da vontade política, aponta debate

Liderança na produção do cacau depende da vontade política, aponta debate

A volta do protagonismo brasileiro na produção de cacau depende de mais investimentos em pesquisa e de ações como o fortalecimento da Comissão Executi