Porto Velho (RO) domingo, 22 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política

Jesualdo quer convocar indústria de cimento


 
O deputado estadual reeleito Jesualdo Pires (PSB) protocolou requerimento solicitando informações do Governo do Estado quanto à concessão de incentivos fiscais à Indústria de cimentos Votoratim Rondônia e formalizou ainda pedido de esclarecimentos por parte da Indústria que está sendo acusada pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil – Sinduscon-RO de não cumprir acordos de fornecimento do produto para as empresas de construção Civil no Estado. A Votorantim estaria priorizando as obras da construção das hidrelétricas do rio Madeira e, com isso, desguarnecendo o mercado e inviabilizando inúmeras obras em Rondônia. Outra situação reclamada pelo setor é quanto ao preço do cimento produzido no Estado. Mesmo gozando de isenção fiscal oferecida pelo Governo, o produto seria uma dos mais caros do País.

Conforme Jesualdo, a instalação da fábrica da Votorantim em Rondônia era para ser uma solução e acabou tornando-se um grave problema para o setor.

O deputado ressaltou que além dos documentos encaminhados ao Poder Executivo Estadual e para a diretoria da Votorantim, também está mobilizando os demais deputados com a intenção de convocar a diretoria para prestar esclarecimento na Assembléia Legislativa e, caso, ficar evidenciado a prática comercial abusiva e contrária aos objetivos propostos pela lei de concessão de Isenção Fiscal, será pedido o cancelamento imediato do incentivo e a abertura de uma CPI para investigar a atuação da empresa no mercado rondoniense.

“O preço do cimento praticado por essa empresa aqui é bem superior ao que ela própria pratica em Cuiabá, onde também tem fábrica. Não se justifica essa prática e, por isso, vamos mobilizar os demais deputados para averiguar esta situação e se for necessário iremos pedir o cancelamento dos incentivos, pois, neste caso a indústria não estaria atendendo os objetivos propostos inicialmente”.

Jesualdo Pires informou que empresas do setor têm questionado também as propriedades de fabricação e composição do cimento produzido em Porto Velho, onde a qualidade seria mais baixa do que a produzida em outros Estados. “O cimento daqui estaria sendo produzido em CP IV, que é para consumo das Usinas do Madeira, quando deveria estar sendo produzido em CP II específico para obras de construção civil.
“Por conta disso, as empresas instaladas em Porto Velho e em outras cidades estão comprando cimento em Brasília e o mesmo chega aqui mais barato do que o fabricado aqui e com mais qualidade, mesmo com a distância de 2.600 quilômetros. E mais: o cimento Nassau que é produzido no Amazonas é vendido em Rondônia pelo mesmo preço do fabricado aqui. Há indícios fortes de que algo errado está acontecendo”, concluiu.

Fonte: Ascom

 

Mais Sobre Política

Presidente Laerte Gomes anuncia R$ 800 mil para construção de UBS durante visita ao frigorífico Rio Beef

Presidente Laerte Gomes anuncia R$ 800 mil para construção de UBS durante visita ao frigorífico Rio Beef

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Laerte Gomes (PSDB), visitou na manhã desta sexta-feira as instalações do frigorífico Rio Beef e an

Vereadora Cristiane Lopes cobra solução para os problemas do Transporte Coletivo

Vereadora Cristiane Lopes cobra solução para os problemas do Transporte Coletivo

Desde o início do seu mandato, a vereadora Cristiane Lopes (PP) tem cobrado uma solução definitiva para os problemas do Transporte Coletivo da Cap

Presidente Laerte Gomes e governador Marcos Rocha visitam obras do Anel Viário de Ji-Paraná

Presidente Laerte Gomes e governador Marcos Rocha visitam obras do Anel Viário de Ji-Paraná

O presidente da Assembleia Legislativa, Laerte Gomes (PSDB) e o governador Marcos Rocha (PSL) visitaram nesta quarta-feira (18) o canteiro de obras

Deputado Cirone Deiró disse que abertura de CPI para fiscalizar Energisa responde clamor da sociedade

Deputado Cirone Deiró disse que abertura de CPI para fiscalizar Energisa responde clamor da sociedade

“A Energisa submeteu os rondonienses a uma crise energética sem precedentes. Os prejuízos estão sendo contabilizados em todos os segmentos da econom