Porto Velho (RO) sábado, 19 de janeiro de 2019
×
Gente de Opinião

Política

IBAMA: Licença para usinas no Rio Madeira sairá neste mês


Lana Cristina
Agência Brasil

Brasília - A licença ambiental para as usinas de Santo Antônio e Jirau, no Rio Madeira, deve sair ainda este mês, segundo informou o diretor de Licenciamento Ambiental do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama), Luiz Felippe Kunz Junior.

Ele destacou que as questões mais importantes do processo de licenciamento dizem respeito à biodiversidade, pelo impacto que causará à migração de peixes ou à vida dos rios que recebem água do Madeira, como é o caso do Amazonas, e ao meio ambiente como um todo.

O Madeira, segundo Kunz Junior, é o terceiro rio no mundo com maior carga de sedimentos e isso é um fator importante. Quando se diminui a velocidade da água, há maior deposição desses sedimentos no fundo. "Essa é uma das questões que estamos avaliando porque interfere, tanto na vida útil da barragem quanto nas questões ambientais".

Desde 2001, as usinas de Santo Antônio e Jirau estão programadas pelo governo. O projeto tem sido tratado como prioridade no plano de expansão energética pelo Governo Federal, tanto que as hidrelétricas fazem parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Juntas, Santo Antônio e Jirau terão cerca de 6,5 mil megawatts de potência, a metade da capacidade de Itaipu. A energia será suficiente para abastecer oito vezes mais o que consome Brasília em horário de pico.
 
Secretário lembra que aproveitamento energético do Madeira discutido desde os anos 90

O secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Nelson Hubner, lembrou que se fala em aproveitamento energético do Rio Madeira desde a década de 90 e o governo Lula assumiu essa possibilidade desde o início.

"Fazemos sempre o planejamento e o acompanhamento do mercado. Em cima disso, temos que fazer a previsão da necessidade de energia", disse Hubner. Segundo ele, as usinas de Santo Antonio e Jirau, no Rio Madeira, não vão atender só a região, já que hoje o sistema adotado é chamado nacional interligado.

"A gente não consegue colocar uma usina onde precisa de mais energia. No Brasil, temos essa malha de transmissão que interliga o centro de consumo com as usinas nos locais que elas estão", explicou.

O projeto do Complexo Rio Madeira prevê a construção de quatro hidrelétricas: Santo Antonio e Jirau, no estado de Rondônia, a primeira a cinco quilômetros da capital Porto Velho e a segunda próxima à Ponta do Abunã, na divisa com o Acre; além de uma usina binacional e outra no território boliviano.

Hubner disse que o consórcio Furnas/Odebrecht já fez o inventário, uma espécie de levantamento sobre a região, no lado boliviano do Madeira. "Ainda vamos discutir essa questão com o governo boliviano. Eles têm interesse e o Brasil também. Tem muito caminho para andar, esses estudos levam ainda cinco anos para andar".

Fonte: Lana Cristina
Repórter da Agência Brasil

Mais Sobre Política

Rondônia: Deputado eleito percorrerá mais de 370 quilômetros de bicicleta para participar de sua posse

Rondônia: Deputado eleito percorrerá mais de 370 quilômetros de bicicleta para participar de sua posse

Disposto a promover projeto de interesse coletivo, deputado eleito Jhony Paixão lança desafio pessoal    O deputado estadual eleito Jhony Paixão (PR

Rondônia: Cursos da Escola do Legislativo reiniciam em fevereiro

Rondônia: Cursos da Escola do Legislativo reiniciam em fevereiro

Escola está de mudança para a nova sede, mais ampla e funcional que a atualA Escola do Legislativo deve iniciar o ano letivo na segunda quinzena de

QUANDO AS MULHERES ERAM OBEDIENTES

QUANDO AS MULHERES ERAM OBEDIENTES

No meio de tudo isto, verifico que a injustiça, geralmente, caminha à frente da justiça.

Rondônia continua em destaque no CFA

Rondônia continua em destaque no CFA

Rondônia continua fortalecido no âmbito da administração em Brasília. Mesmo com a mudança na presidência, o Estado continua representado na estrutur