Porto Velho (RO) sábado, 13 de agosto de 2022
×
Gente de Opinião

Política

IBAMA: Licença para usinas no Rio Madeira sairá neste mês


Lana Cristina
Agência Brasil

Brasília - A licença ambiental para as usinas de Santo Antônio e Jirau, no Rio Madeira, deve sair ainda este mês, segundo informou o diretor de Licenciamento Ambiental do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama), Luiz Felippe Kunz Junior.

Ele destacou que as questões mais importantes do processo de licenciamento dizem respeito à biodiversidade, pelo impacto que causará à migração de peixes ou à vida dos rios que recebem água do Madeira, como é o caso do Amazonas, e ao meio ambiente como um todo.

O Madeira, segundo Kunz Junior, é o terceiro rio no mundo com maior carga de sedimentos e isso é um fator importante. Quando se diminui a velocidade da água, há maior deposição desses sedimentos no fundo. "Essa é uma das questões que estamos avaliando porque interfere, tanto na vida útil da barragem quanto nas questões ambientais".

Desde 2001, as usinas de Santo Antônio e Jirau estão programadas pelo governo. O projeto tem sido tratado como prioridade no plano de expansão energética pelo Governo Federal, tanto que as hidrelétricas fazem parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Juntas, Santo Antônio e Jirau terão cerca de 6,5 mil megawatts de potência, a metade da capacidade de Itaipu. A energia será suficiente para abastecer oito vezes mais o que consome Brasília em horário de pico.
 
Secretário lembra que aproveitamento energético do Madeira discutido desde os anos 90

O secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Nelson Hubner, lembrou que se fala em aproveitamento energético do Rio Madeira desde a década de 90 e o governo Lula assumiu essa possibilidade desde o início.

"Fazemos sempre o planejamento e o acompanhamento do mercado. Em cima disso, temos que fazer a previsão da necessidade de energia", disse Hubner. Segundo ele, as usinas de Santo Antonio e Jirau, no Rio Madeira, não vão atender só a região, já que hoje o sistema adotado é chamado nacional interligado.

"A gente não consegue colocar uma usina onde precisa de mais energia. No Brasil, temos essa malha de transmissão que interliga o centro de consumo com as usinas nos locais que elas estão", explicou.

O projeto do Complexo Rio Madeira prevê a construção de quatro hidrelétricas: Santo Antonio e Jirau, no estado de Rondônia, a primeira a cinco quilômetros da capital Porto Velho e a segunda próxima à Ponta do Abunã, na divisa com o Acre; além de uma usina binacional e outra no território boliviano.

Hubner disse que o consórcio Furnas/Odebrecht já fez o inventário, uma espécie de levantamento sobre a região, no lado boliviano do Madeira. "Ainda vamos discutir essa questão com o governo boliviano. Eles têm interesse e o Brasil também. Tem muito caminho para andar, esses estudos levam ainda cinco anos para andar".

Fonte: Lana Cristina
Repórter da Agência Brasil

Mais Sobre Política

Presidente da Assembleia rejeita pedido da defesa e quer decisão judicial que manda cassar Geraldo da Rondônia acatada

Presidente da Assembleia rejeita pedido da defesa e quer decisão judicial que manda cassar Geraldo da Rondônia acatada

O presidente da Assembleia Legislativa, Alex Redano (Republicanos), disse que rejeitou pedido da defesa do deputado Geraldo da Rondônia, para susp

Escola do Legislativo abre cursos do segundo semestre

Escola do Legislativo abre cursos do segundo semestre

Após um breve período sem aulas, a Escola do Legislativo (EL), que pertence à Assembleia Legislativa (Ale), retomou suas atividades, oferecendo curs

Deputado Mauro Nazif pede a criação da Polícia Judicial no TJ/RO

Deputado Mauro Nazif pede a criação da Polícia Judicial no TJ/RO

O Deputado Federal, Dr. Mauro Nazif, participou ontem (02/08), da "Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público", na Câmara dos Deputados em

Nota Pública de Confiança no  Sistema Eleitoral Brasileiro

Nota Pública de Confiança no Sistema Eleitoral Brasileiro

Os infra signatários, Professoras e Professores que atuam no Departamento Acadêmico de Ciências Jurídicas da Universidade Federal de Rondônia, Campu