Porto Velho (RO) sábado, 11 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Política

Governo esconde os verdadeiros riscos das Usinas do Madeira, denunciam os movimentos


Movimentos sociais integrantes da Via Campesina no Brasil e Bolívia, representantes de movimentos camponeses e mineiros do Peru, comunidades ribeirinhas e camponesas ameaçadas pelo projeto do Complexo do Madeira e redes e organizações convidadas como a Rede Brasil, Arirambas e CEAS(Peru) estiveram reunidos nos últimos dias 05 e 06 de março na cidade de Porto Velho. A reunião, que teve caráter organizativo, deu continuidade ao encontro ocorrido nos dias 02 e 03 de fevereiro em Cobija (Bolívia) que lançou o "movimento social da Bacia do Madeira". O objetivo do encontro foi traçar estratégias comuns de resistência à construção de um complexo de usinas hidrelétricas no rio Madeira com a definição de uma agenda de atividades de formação e de mobilização.

O pronunciamento final do encontro acusa o Governo Federal de rebaixar as exigências sócio-ambientais relativas ao Projeto do Madeira com a finalidade de padronizar o processo de licenciamento segundo as expectativas dos grandes investidores privados. " É o risco de vida da população do Madeira pagando o risco dos investidores do Projeto do Madeira", diz o documento. Na opinião dos movimentos, os estudos apresentados por Furnas/Odebrecht procuraram mascarar os inevitáveis danos e conseqüências para a população e o meio ambiente, e por isso sequer deveriam ter sido aceitos pelo IBAMA para apreciação. Por isso o encontro exigiu a anulação do processo de licenciamento das Usinas do Madeira.

No relato das representações bolivianas destacou-se a mobilização das comunidades camponesas dos departamentos de Beni e Pando, com apoio do FOBOMADE(Foro Boliviano de Medio Ambiente e Desarrollo) para que o Governo Evo Morales continue recusando qualquer acordo com o Governo brasileiro que comprometa a soberania do país e a segurança da população boliviana. As organizações bolivianas se comprometeram a acompanhar as atividades do Grupo de Trabalho binacional criado para avaliar os impactos transfronteiriços do Projeto, para cobrar transparência, rigor das análises, e participação das comunidades ameaçadas no processo.

No caso de Rondônia, houve indicação para se intensificar o processo de auto-organização das comunidades ribeirinhas, com apoio do MAB, para se contrapor à cooptação de associações e lideranças comunitárias por Furnas e por projetos paralelos do Governo Federal. Segundo representantes das comunidades ribeirinhas presentes, as Associações que se vinculam a Furnas estão recebendo benefícios diferenciados.

Por fim, os movimentos e as comunidades ribeirinhas exigem respeito ao princípio da autodeterminação das populações tradicionais, consagrado na convenção 169 da OIT e no decreto 6.040/2007. Um território que define a identidade de populações e comunidades não pode ser redesenhado sem o consentimento e participação destas.

Essa conjunção de movimentos ao longo do Madeira pretende se firmar especialmente na área transfronteiriça e para tanto prepara um grande encontro em maio em Guayará Merin (Bolívia), ao lado de Guajará-mirim (Brasil).

Fonte: Daniela Lima

Mais Sobre Política

Leonel Bertolin afirma que só o investimento no campo pode salvar economia da cidade

Leonel Bertolin afirma que só o investimento no campo pode salvar economia da cidade

“A pandemia veio provar que, se a produção rural parar, para tudo”, afirmou o coordenador do plano de governo do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB

Governador Marcos Rocha assume compromisso com propostas apresentadas pelo deputado Cirone Deiró

Governador Marcos Rocha assume compromisso com propostas apresentadas pelo deputado Cirone Deiró

Na última sexta-feira (03), o deputado Cirone Deiró se reuniu por vídeo conferência com o governador Marcos Rocha. Na pauta, a adoção de medidas excep

Após intervenção de Cristiane Lopes, moradores do Cidade de Todos IX retornam para os apartamentos

Após intervenção de Cristiane Lopes, moradores do Cidade de Todos IX retornam para os apartamentos

Os moradores do Bloco B do Residencial Cidade de Todos IX finalmente puderam retornar para os seus apartamentos após vários meses pagando aluguel ou m