Porto Velho (RO) sábado, 14 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política

GillettePRESS: Pergunta idiota


 


 

Dia da Cruz
 Hoje é o Dia da Cruz, não se tratando da Cruz Vermelha Brasileira ou Internacional, mas sim da Cruz do Calvário.
 - É um dia de profunda meditação - sem relacionamento com o nosso Senado da República.

A imprensa perdeu
Absolvido no primeiro julgamento por falta de decoro parlamentar, Renan Calheiros se torna o inimigo número um da imprensa. Seu grande crime: impedir o acesso à informação.
 - Foram duas as agressões: a primeira, escancarada, foi a absolvição do presidente do Congresso, Renan Calheiros que, segundo a Polícia Federal, cometeu vários ilícitos. A segunda agressão, mais grave, aterradora, pode ser chamada de "apagão" institucional. O Senado da República foi convertido num verdadeiro porão - fechado, lacrado, blindado ao escrutínio da sociedade, ilha autoritária em plena Praça dos Três Poderes.

A varredura eletrônica do plenário, a proibição do uso de computadores pelos senadores, a recomendação para que os celulares fossem desligados, e, o pugilato entre os leões-de-chácara e os deputados que foram autorizados pelo STF a assistir ao julgamento, desvendam a razão do secretismo da sessão: impedir a presença da mídia. Renan Calheiros e os cangaceiros de todo o país que o apóiam sabiam que a presença da imprensa seria a única força capaz de impedir a absolvição. Apostaram todas as fichas no sigilo. Não se importavam em agredir a sociedade, só não queriam testemunhas. Os malfeitores trabalharam no escuro, eles têm prática, ganharam o primeiro round. Nos próximos, será diferente - terão que ser travados às claras.

Vitória do Senado
O Senado Federal disse claramente aos brasileiros que não considera haver provas suficientes para cassar o mandato do seu presidente por falta de decoro parlamentar.
 
Tecnicamente, o julgamento foi perfeito. Segundo o senador Francisco Dornelles, do PP do Rio, ex-secretário da Receita Federal, não há provas nem mesmo de crime tributário contra Renan Calheiros no caso do pagamento de pensão à sua ex-namorada, Mônica Veloso. Dornelles não escondeu seu voto. Pelo contrário: mandou sua assessoria distribuir um comunicado relatando sua intervenção em defesa de Renan durante a sessão secreta.  O argumento do ex-secretário da Receita Federal pesou no julgamento, dando aos indecisos um argumento técnico para a abstenção ou para o voto na presunção de inocência.
 
Mas apenas o jornal Estado de S.Paulo deu atenção ao detalhe, que poderia mudar as opiniões sobre a decisão do Senado. Ao escolher a decisão técnica, contra a pressão absoluta da imprensa, o Senado sai vencedor.

Derrota do Senado
A Folha de S.Paulo publicou entrevista do senador petista Aloizio Mercadante, na qual ele cita o parecer de Dornelles para justificar sua abstenção. Mercadante afirma que, ao se dar conta de que, tecnicamente, não havia como condenar Renan, apresentou requerimento para adiar a sessão, mas foi derrotado no encaminhamento. Segundo Mercadante, até mesmo o senador Eduardo Suplicy se convenceu, com a explicação do ex-secretário da Receita, de que Renan não havia atentado contra o decoro parlamentar no caso específico em que estava sendo acusado.
 Mas o julgamento de Renan Calheiros também é político. A considerar a reação unânime da imprensa, o Senado foi condenado ao absolver seu presidente.

O umbigo da imprensa
Os jornais de ontem estampam o conflito que se estabeleceu entre o Poder Legislativo da República, e o informal - mas, concreto poder da mídia.  O Senado ignorou a pressão unânime da imprensa. Resta à imprensa explicar aos seus leitores o que, realmente, aconteceu.

Aposta errada
Não basta, como faz a Folha de S.Paulo, dizer que alguns senadores mentiram ao anunciar que votariam pela cassação, e, optando, depois, pelo voto a favor de Renan ou pela abstenção. Com base nas declarações de intenção de voto, a Folha havia apostado na cassação por 41 a 37.  O imenso umbigo do jornal o impede de admitir que os senadores possam, simplesmente, ter mudado de idéia, diante do argumento de um especialista de que não havia provas para tirar o mandato de Renan Calheiros.
 
O Globo chamou os senadores de covardes. Um de seus colunistas chegou a afirmar que o Senado Federal acaba de cometer suicídio coletivo.
 
Considerando-se que os parlamentares precisam da opinião pública a seu favor, pode-se imaginar o contrário, ou seja, que os senadores foram corajosos ao afrontar a vontade unânime da mídia, correndo o risco de serem execrados na próxima eleição.

Hora de investigar
Renan ainda terá de responder a, pelo menos, duas outras acusações. Antes disso, certamente, o Senado terá mudado as regras, impedindo que se repita a sessão secreta que produziu cenas de luta-livre na porta do plenário, entre seguranças e deputados.
 Está mais do que na hora de a imprensa retomar seu verdadeiro papel, o de informar a opinião pública. É preciso investigar a vida de Renan Calheiros. Mas, também, seria útil conhecer melhor os senadores que ele ameaçou, quarta-feira, durante os debates.
 A sociedade precisa saber, afinal, o que esses parlamentares têm a esconder.

Algumas dúvidas
A absolvição de Renan Calheiros, no julgamento específico sobre a origem do dinheiro que paga a pensão da ex-namorada e à sua filha, cria um momento único para a análise da imprensa.  A imprensa não pode descartar a hipótese de que o Senado tenha votado conscientemente contra a cassação, por não haver provas de que ele tenha usado dinheiro da empreiteira para cobrir as despesas. Também, não é absoluta a afirmação de que a votação tenha sido resultado, apenas, de manobras do Governo. Afinal, pelo menos, cinco senadores do Partido Democratas e três do PSDB teriam votado a favor de Renan. E não consta que esses dois partidos tenham qualquer afinidade com os interesses do governo.
 
Além disso, a julgar pelo clima de guerra que se estabeleceu após o julgamento, com a oposição decidida a bloquear a votação da CPMF, o Executivo pode sair perdendo com a absolvição de Renan. Não basta fazer afirmações para que a verdade apareça.

O clamor público
A Ordem dos Advogados do Brasil distribuiu nota à imprensa para protestar contra o resultado do julgamento. O presidente da OAB, Cezar Britto, disse à Folha de S.Paulo, que o resultado da votação, na contramão do clamor público, distancia, ainda, mais o Senado da sociedade.

O jornal não lhe perguntou se, em qualquer caso de clamor público, os advogados deveriam ser dispensados da defesa, já que a condenação, no seu entender, seria automática.  O Senado ignorou o clamor público. Cada senador votou conforme sua vontade, entre as pressões da imprensa e do Governo.
 
Renan Calheiros, ainda, vai ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal. Ele é alvo do inquérito policial número 2.593, acusado de corrupção, uso de notas frias e enriquecimento ilícito.
 
Mais uma oportunidade para uma Justiça que satisfaça a imprensa e o clamor público.

Pergunta idiota
- Uma curiosidade me tirou o sono, na noite passada: o que fizeram os senadores rondonianos (Expedito, Fátima, e Valdir), na votação que absolveu o pecuarista RC?

Para refletir
Enquanto durava a sessão secreta que absolveu Renan Calheiros, a TV Senado exibia uma reportagem sobre a produção bovina - o mundo dos bois nacionais. O programa mostrou como anda moderna a pecuária no Brasil. Mostrou como a carne bovina brasileira vem conquistando o imenso mercado internacional. Nada mais adequado. Parecia uma fina ironia. Um programa com tal enfoque justamente no momento em que o presidente da Casa estava sendo julgado sob a acusação, entre outras, de usar notas frias no comércio de sua manada de ouro na sua Fazenda de Alagoas.
 
Renan Calheiros, um político profissional oriundo da classe média alagoana, tornou-se um homem rico. Seu patrimônio oficial é avaliado em mais de uma dezena de milhões de reais. Deveria ser capa das revistas que tratam de negócios. Um homem que se dedica, diuturnamente, à política, há mais de duas décadas, conseguiu amealhar tamanho patrimônio.
 
- Um exemplo da capacidade empreendedora nacional, agora, com o aval da maioria dos senadores.

Fonte: roquevha@hotmail.com

Mais Sobre Política

Importante conquista para Rondônia: Presidente Bolsonaro assina MP da Regularização Fundiária.

Importante conquista para Rondônia: Presidente Bolsonaro assina MP da Regularização Fundiária.

Para o presidente Jair Bolsonaro e o governador Marcos Rocha o objetivo da Medida Provisória é a de simplificar e modernizar o processo. Ao todo, ma

Assembleia Legislativa limpa a pauta antes de aprovar o Orçamento 2020

Assembleia Legislativa limpa a pauta antes de aprovar o Orçamento 2020

Na sessão ordinária e nas extraordinárias realizadas na tarde desta terça-feira (10), além de aprovar o Orçamento 2020 e apreciar os vetos do Execut

 Vereadora Cristiane Lopes e SINJOR realizam evento sobre medida que extingue registro profissional

Vereadora Cristiane Lopes e SINJOR realizam evento sobre medida que extingue registro profissional

Jornalistas de Porto Velho reuniram-se na Câmara Municipal de Porto Velho, para discutir os efeitos da Medida Provisória 905/2019, que extingue a

Governo atende pedido do deputado Adelino Follador e abre processo seletivo na Idaron

Governo atende pedido do deputado Adelino Follador e abre processo seletivo na Idaron

O pedido foi apresentado ao governador Marcos Rocha (PSL) pelo deputado Adelino Follador (DEM), após visitas nas sedes das Agências de Defesa Sanitári