Porto Velho (RO) terça-feira, 19 de janeiro de 2021
×
Gente de Opinião

Política

GillettePRESS - Para que não digam que não falei do Pan


Para que não digam que não falei do Pan

"O que mais me comoveu nas últimas conquistas foi o brilho de Yane Marques, no pentatlo. Esta menina do sertão de Pernambuco competiu e venceu uma bem-nutrida canadense em cinco esportes diferentes."


Seis gramas de ouro       
 

Neste mundo competitivo, quem tem mais é o melhor, é superior, e é mais respeitado. Certo? Não. Pelo menos dentro de um contexto holístico, as conquistas mais sublimes como a cultura, a fraternidade e a prosperidade espiritual, estas sim valem ouro.

Uma competição como o Pan, porém, nos remete para uma realidade que é a energia gerada por mais de 5 mil atletas de 42 países diferentes. A energia, então, se condensa e emerge como matéria -, esta sim voltada para a competição, digamos, palpável.

Agora sim, com lentes de contato, "o melhor", "o superior" e "o mais respeitado", começam a ser vistos por uma outra ótica, e os valores em questão, ficam mais claros. Mas, mesmo assim, há critérios questionáveis, como o peso justo que é dado ao sistema de contagem de medalhas.

2º  é pouco

O Brasil briga para ser o segundo em ouro, tentando ultrapassar Cuba, dentro de um critério que nunca foi oficial, e, sim, criado a partir de 1952, nos Jogos de Helsinque,  pela imprensa norte-americana, para acentuar uma superioridade sobre a União Soviética, no início da Guerra Fria. Naquela Olimpíada, os Estados Unidos ganharam 40 medalhas de ouro contra 22 dos soviéticos, enquanto que na somatória geral – ouro, prata e bronze –, a diferença cairia para seis medalhas.

Marketing
O marketing foi tão forte, que a mídia do mundo inteiro passou a usá-la, mesmo sabendo que o COI nunca adotou contagem por nação, para que nenhum país seja declarado, oficialmente, vencedor dos Jogos.


Hoje, os tempos são outros, e a corrida não é por ideologia – nem, mesmo, Cuba se preocupa tanto por isso –, mas, sim, pela marca de produtos. Um patrocinador que tem sua logomarca ligada a um atleta com medalha de ouro vai faturar muito mais que aquele que investiu em quem ficou com o bronze. Mas, qual é o critério mais justo? O maior número de medalhas somadas, ou apenas as de ouro - servindo prata e bronze,  apenas, para desempate?

Critério da ilusão 

Penso que para ser mais justo, há que se ter um princípio de distinguir o erro da verdade. O critério como base de comparação e peso, colocando muito mais fatores para que não haja ilusão nas conquistas. O Brasil pode, sim, comemorar as vitórias, medalhas, e pódios. Mas, não precisa comparar resultados anteriores, mesmo porque o país-sede é obrigado a competir em todas as modalidades, o que, proporcionalmente,  aumenta seu poder de conquista.

Nosso orgulho

Valeu, Janeth! Valeu, sim, Fabiana! Valeu, também, a prata do basquete. Mas, o que mais me comoveu nas últimas conquistas foi o brilho de Yane Marques, no pentatlo. Esta menina do sertão de Pernambuco competiu e venceu uma bem-nutrida canadense em cinco esportes diferentes (natação, corrida, hipismo, esgrima e tiro). Recebeu com méritos aquela medalha com seis gramas de ouro. Foi demais!


- Por isso é que, penso, a análise deve ser mais criteriosa até mesmo quando se endeusa um atleta. Prefiro ter como referência as notas dadas na ginástica, onde se avalia mais do que outra coisa, o grau de dificuldade.

Para refletir

O protagonista é – e sempre será – o atleta. Nem o técnico, nem o médico, nem o roupeiro; será sempre o atleta. O coadjuvante tem todo o seu mérito, como os cartolas,  e certos políticos, também. Mas, o que me  irrita é a percepção clara daqueles que procuram fazer piquenique na sombra alheia.

GillettePRESS - [email protected]
IPSIS LITTERIS: Esta coluna é publicada, simultaneamente, no jornal ALTO MADEIRA

Mais Sobre Política

Presidente Laerte Gomes cria Fundo Especial do Poder Legislativo de Complementação ao Fundo Financeiro do Iperon

Presidente Laerte Gomes cria Fundo Especial do Poder Legislativo de Complementação ao Fundo Financeiro do Iperon

Comandada pelo presidente da Assembleia Legislativa de Rondônia, Laerte Gomes (PSDB) as duas sessões extraordinárias realizadas na manhã desta segun

Ismael Crispin apoia verba indenizatória para profissionais que atuam no tratamento da Covid-19

Ismael Crispin apoia verba indenizatória para profissionais que atuam no tratamento da Covid-19

Nesta segunda-feira (18), em sessão extraordinária na Assembleia Legislativa, o deputado Ismael Crispin (PSB) votou favorável ao projeto de autoria do

Sancionada lei do deputado Alex Silva que inclui o evento “Marcha para Jesus” no calendário cultural oficial do estado de Rondônia

Sancionada lei do deputado Alex Silva que inclui o evento “Marcha para Jesus” no calendário cultural oficial do estado de Rondônia

Na última terça-feira (12) foi sancionada pelo Governo de Rondônia e publicada no Diário Oficial, a Lei Nº 4.939, de autoria do Deputado Estadual Al

Cirone Deiró defende plano emergencial para o enfrentamento da Covid-19

Cirone Deiró defende plano emergencial para o enfrentamento da Covid-19

Em reunião com o secretário de saúde do estado, Fernando Máximo e o chefe da casa civil, Júnior Gonçalves, o deputado Cirone Deiró cobrou a execução d