Porto Velho (RO) segunda-feira, 21 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política

FARRA COM DINHEIRO PÚBLICO


O Departamento de Aviação e Obras Públicas do Estado de Rondônia (Devop), o Estado de Rondônia, Issac Bennesby e Planurb Planejamento e Construções Ltda foram condenados, em sentença prolatada pelo Juiz Federal Élcio Arruda, da 3ª Vara da Seção Judiciária de Rondônia, ao ressarcimento integral de valores superfaturados em obras públicas, montante que ultrapassa a casa dos 2 milhões de reais. A construtora Planurb ainda foi condenada, isoladamente, a devolver 80 mil reais, com juros e correção monetária, que recebeu indevidamente a título de reajustamento do contrato nº 066/99-PR/DER/RO. O dinheiro é oriundo de repasse feito pelo Departamento Nacional de Estrada e Rodagem para ser aplicado em obras de terraplanagem e pavimentação de rodovias no município de Presidente Médici, São Miguel do Guaporé, numa primeira etapa, e de asfaltamento da BR-429, no trecho compreendido entre os municípios de Alvorada D’Oeste e São Miguel do Guaporé, com 70 km de extensão, num segundo lote de obras - para o qual sagrou-se vencedora da licitação a empresa Planurb.

FARRA COM DINHEIRO PÚBLICO

Segundo a denúncia oferecida em juízo, através de Ação Popular, por Domingo Borges da Silva, “os réus, pessoas físicas, conjuntamente, autorizaram-lhe a abertura, assinaram notas de empenho, sub-empenhos, notas financeiras, ordens de crédito, tudo ao fito de desviar recursos públicos, a pretexto de pagamento por obras não realizadas, em patente malversação de recursos públicos”.

Sobre a responsabilidade de Issac Bennesby no caso do superfaturamento de verba federal, registrou o juiz Élcio Arruda:

“Em relação à ISSAC BENNESBY, à frente da Diretoria-Geral do DER entre julho/97 e 1º/12/99, mesmo sabedor do atraso injustificado na prestação do serviço pela PLANURB (paralisação total, desde dez/97), após assinar o 2º Termo Aditivo do convênio, firmou o Termo Aditivo contratual, prorrogando o prazo da obra.

A CEGUEIRA PROPOSITAL DE BENNESBY

Prossegue o magistrado: “administrador experiente, razão de sua investidura no cargo, era-lhe dado divisar estar sua atitude contradizendo às exigências inerentes ao patrimônio público e, por conseguinte, ser juridicamente imprópria. A cegueira deliberada com que eventualmente se houve – deliberadamente cerrando os olhos às irregularidades/ilicitudes, por vontade própria ou a pedido de terceiros – é inservível a arredar-lhe a responsabilidade. Aliás, pelo maltrato na gestão da coisa pública, foi-lhe imposta multa pelo Tribunal de Constas da União”.

Além de condenar os réus a devolver o dinheiro público obtido de forma criminosa,  Arruda declarou ilegal os pagamentos feito à empresa Planurb Planejamento e Construções Ltda e declarou nulo o termo aditivo do contrato nº 066/99, datado de 31 de julho de 1998.

Fonte: Ascom/JF/RO.

 

 

Mais Sobre Política

Polícia Federal deflagrou a Operação Grand Bazaar, que  investiga fraude em fundos de pensão

Polícia Federal deflagrou a Operação Grand Bazaar, que investiga fraude em fundos de pensão

Por determinação do Supremo Tribunal Federal, a Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (21) a Operação Grand Bazaar, visando desarticular um “esquema cri

Ministério Público realiza reunião sobre os bairros Conceição e Flamboyant após intervenção de Cristiane Lopes

Ministério Público realiza reunião sobre os bairros Conceição e Flamboyant após intervenção de Cristiane Lopes

Após a vereadora Cristiane Lopes (PP) ir até o Ministério Público Estadual (MP/RO), para relatar os problemas das obras de pavimentação dos bairros Fl

Mariana Carvalho apresenta declaração sobre cobertura universal de saúde em assembleia da União Interparlamentar

Mariana Carvalho apresenta declaração sobre cobertura universal de saúde em assembleia da União Interparlamentar

Mais de 1700 parlamentares e parceiros da ONU e da sociedade civil de todo o mundo estão reunidos em Belgrado, na Sérvia, onde acontece a 141ª Assembl

Erro na tabela de vencimentos dos professores volta a ser discutido na Comissão de Educação

Erro na tabela de vencimentos dos professores volta a ser discutido na Comissão de Educação

A Comissão de Educação e Cultura (CEC), da Assembleia Legislativa, se reuniu na manhã desta quarta-feira (16), para deliberar projetos e voltou a di