Porto Velho (RO) sábado, 6 de março de 2021
×
Gente de Opinião

Política

Exame de Ordem mais rígido


A Comissão de Estágio e Exame de Ordem da OAB Rondônia está confirmando para
domingo a realização das provas da primeira etapa do 41ª exame da OAB em
Porto Velho, Cacoal, Ji-Paraná e Vilhena. Apesar das especulações durante
a semana em função do cancelamento da prova domingo passado, o presidente
da Comissão, advogado Alexandre Washeck de Faria, adianta que as provas acontecem
dentro da mais absoluta normalidade e que o cancelamento da aplicação dia
20 foi exatamente para garantir a segurança do exame.

Com as recomendações de sempre para que os candidatos cheguem ao local com
pelo menos meia hora de antecedência, portando o cartão de inscrição, documento
de identificação e caneta esferográfica preta ou azul, a OAB confirma a realização
da prova pela primeira vez em Vilhena, onde será aplicada no Colégio Anglo,
à rua Marquês Henrique nº 625, próximo ao Ibama.

Na Capital, em função da realização das provas do Enem na faculdade Uniron,
a prova do Exame de Ordem foi transferida da faculdade Uniron para a faculdade
Ulbra, à rua João Goulart, 666, no bairro Mato Grosso.  Em Ji-Paraná, as
provas serão também na Ulbra, à Avenida Universitária, nº 762 - Prédio A,
Jardim Aurélio Bernardes. Em Cacoal, será na Escola Concórdia, à avenida
São Paulo, 2.666, centro.

Importância do exame

Em meio à polêmica  levantada sempre pelos que não são aprovados no exame
quanto à necessidade de submeter o bacharel em direito à prova antes de
colocá-lo no mercada de trabalho da advocacia, o presidente Tribunal de Ética
e Disciplina da OAB Rondônia, advogado Edson Piacentini, se manifesta de
forma clara quanto à manutenção do Exame de Ordem.

Piacentini lembra que atualmente outras categorias defendem a implantação
de um exame que avalie a capacidade do formando antes que ele seja habilitado
para a profissão. Segundo ele, o surgimento de mais faculdades de Direito,
fato que torna questionável o nível do ensino reforça essa necessidade. "Sem
o Exame de Ordem, o profissional iria, em tese, até o Supremo Tribunal Federal
para fazer uma sustentação oral", diz ele preocupado.

"Com o ensino pulverizado, com que conhecimento teórico o recém-formado vai
defender o cliente?," questiona o presidente do TED. E acrescenta: "Às vezes,
é toda a vida do cliente que está em jogo".

"Acho que o exame de Ordem deve continuar e ser mais rígido para forçar o
candidato a advogado a ter conhecimento teórico mais aprofundado. O bacharel
em Direito, se fizer concurso para delegado, promotor ou juiz terá que fazer
uma prova não muito diferente do exame, então, o bacharel para exercer a
advocacia também deve ser submeter a uma avaliação rigorosa", conclui ele.

Fonte: OAB

Mais Sobre Política

Mariana Carvalho destaca aprovação de programa emergencial para o setor de eventos

Mariana Carvalho destaca aprovação de programa emergencial para o setor de eventos

A Câmara aprovou nesta quarta-feira (3) o Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (PERSE) com medidas para compensar a perda de receita e

Deputado Adelino Follador insiste na redução do ICMS sobre combustíveis e alimentos

Deputado Adelino Follador insiste na redução do ICMS sobre combustíveis e alimentos

O deputado Estadual Adelino Follador (DEM) utilizou a tribuna da Assembleia Legislativa na sessão desta terça-feira, 02, para voltar a defender a redu

Deputado Ezequiel Neiva indica ao Governo a necessidade de construção de acostamento e ciclovia na Estrada da Penal

Deputado Ezequiel Neiva indica ao Governo a necessidade de construção de acostamento e ciclovia na Estrada da Penal

A construção de vias adicionais como acostamento e/ou ciclovia, bidirecional na RO-005, mais conhecida como Estrada da Penal, em Porto Velho, foi so

Lazinho da Fetagro propõe isenção de imposto para redução no preço do gás de cozinha

Lazinho da Fetagro propõe isenção de imposto para redução no preço do gás de cozinha

O deputado estadual Lazinho da Fetagro (PT) indicou ao Governo do Estado e à Secretaria de Estado de Finanças (SEFIN) a necessidade de ser reduzido a