Estudos demonstram viabilidade das mudanças na av 7 set


Iniciado no mês de outubro, um estudo de grandes proporções sobre a mobilidade urbana em Porto Velho tem analisado diversos fatores que deverão compor o projeto global de mudanças a serem implementadas a partir do próximo ano pela Prefeitura. Na última quinta-feira (28), no Palácio Tancredo Neves, sede do Executivo Municipal, foi apresentado ao prefeito Mauro Nazif algumas proposições para o conjunto de medidas relacionadas à mudança de sentido da Avenida 7 de Setembro. À reunião estiveram presentes os secretários municipais de Transportes e Trânsito (Semtran), Carlos Gutemberg; Obras (Semob), Gilson Nazif; Desenvolvimento Socioeconômico e Turismo (Semdestur), Geraldo Afonso; técnicos dessas secretárias; vereadores; um grupo de empresários ligados a Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) e representantes da Logitrans, empresa contratada para participar de levantamentos, pesquisas e análises relativas a esses estudos.

Conforme esclareceu Mirce Silva, engenheira de Trânsito da Semtran que coordena os estudos, a reunião apresentou a pesquisa de fluxo de veículos para entrada e saída do centro da cidade. A novidade apresentada, em relação ao que já havia sido demonstrado ao prefeito em outros momentos, foi uma pesquisa específica sobre a viabilidade da mudança de sentido da Avenida 7 de Setembro em sua relação com o conjunto do trafego no centro expandido da cidade. As principais ações integradas a serem desencadeadas para a efetivação da mudança são o estacionamento rotativo e a instalação de equipamentos medidores de velocidade, porque o centro da cidade deve ser transformado em “Zona 30”, área em que a velocidade máxima permitida seja de 30 km. “Espera-se, que ao baixar a velocidade máxima do trânsito nas regiões centrais, os acidentes também diminuam. Também queremos implementar outras medidas, tais como estabelecer horários determinados para carga e descarga de caminhões no comércio, mudanças de sentido viário no entorno da 7 de Setembro e uma nova hierarquização das vias”, explicou.

Dentre os benefícios da mudança de sentido da Avenida 7 de Setembro e as principais dificuldades encontradas nos estudos a esse respeito, Mirce Silva destacou que a medida criará uma nova dinâmica para o transporte coletivo. Será possível deslocar-se com grande agilidade até o centro da cidade mesmo diminuindo a velocidade máxima do trafego, pois os trechos serão realizados - ou quase sempre realizados - em linha reta. Isso fará baixar o tempo de deslocamento. As dificuldades encontradas com o estudo têm sido quanto às saídas dos veículos da região central. “Temos hoje duas vias importantes, largas e que dão entrada e saída para o centro, são a Carlos Gomes e a própria 7 de Setembro, mas as duas vias serão utilizadas somente para entrar, dessa forma, o trafego de saída terá de ser diluído por meio de vias de menor porte. O estudo está precisamente nesse ponto. São essas questões que estão sendo agora analisadas e viemos ouvir a opinião do prefeito, dos empresários e dos vereadores sobre o assunto”, elucidou.

De acordo com Nazif, o que a exposição mostrou como principal ponto de diferença em relação às apresentações anteriores foi comprovar a viabilidade da medida idealizada. “A preocupação para que o trânsito flua com maior rapidez, haja maior segurança e faça com que a cidade possa olhar de frente para sua origem, que é o rio Madeira, o estudo já demonstrou ser muito viável. Esses são os objetivos principais para desencadear um trabalho conjunto com o comércio e com outras categorias para que possamos ter mais segurança, qualidade, mobilidade e prazer no trânsito da região central da cidade. Vimos hoje, também, que o retorno do centro para os bairros é viável pela Rua Dom Pedro II, mas o que eu apontei é que ainda ficam pendentes melhores análises sobre a volta para os bairros. Por meio dessa via pode haver uma maciça atividade do transporte coletivo que cause congestionamentos, e isso não queremos. Foi apresentada a proposta de divisão do movimento com a Rua Almirante Barroso, mas parece-me interessante pensar também numa volta pela Rogério Weber para encontrar com outras ruas de acesso para a Zona Sul, por exemplo, sem necessitar acessar a Dom Pedro e de lá a Campos Sales. Esse agora é o ponto vulnerável e  eles vão estudar como fazer isso”, declarou.

Fonte: Renato Menghi

VOCÊ PODE GOSTAR

Assembleia realiza sessão plenária com votação de projetos e posse de deputado

Assembleia realiza sessão plenária com votação de projetos e posse de deputado

A Assembleia Legislativa de Rondônia realizou na tarde desta terça-feira, 16, a primeira sessão ordinária depois do recesso parlamentar do mês de ju

Mesa Diretora acata decisão judicial, cassa mandato de Geraldo da Rondônia e convoca suplente

Mesa Diretora acata decisão judicial, cassa mandato de Geraldo da Rondônia e convoca suplente

A Mesa Diretora da Assembleia Legislativa se reuniu no final da manhã desta terça-feira (16) e acatou a decisão judicial que mandava cassar o mandat

Presidente da Assembleia rejeita pedido da defesa e quer decisão judicial que manda cassar Geraldo da Rondônia acatada

Presidente da Assembleia rejeita pedido da defesa e quer decisão judicial que manda cassar Geraldo da Rondônia acatada

O presidente da Assembleia Legislativa, Alex Redano (Republicanos), disse que rejeitou pedido da defesa do deputado Geraldo da Rondônia, para susp

Escola do Legislativo abre cursos do segundo semestre

Escola do Legislativo abre cursos do segundo semestre

Após um breve período sem aulas, a Escola do Legislativo (EL), que pertence à Assembleia Legislativa (Ale), retomou suas atividades, oferecendo curs