Porto Velho (RO) quinta-feira, 23 de janeiro de 2020
×
Gente de Opinião

Política

Em reunião na ALE, Governo pede seis meses para estudos do PCCR da saúde e dá aumento de R$ 158 no auxílio alimentação

Categoria aceita esperar empresa elaborar PCCR e ganha reajuste no auxílio alimentação, a partir de fevereiro


Em reunião na ALE, Governo pede seis meses para estudos do PCCR da saúde e dá aumento de R$ 158 no auxílio alimentação - Gente de Opinião

Em mais uma rodada de negociação, intermediada pelos deputados estaduais, Governo e servidores da saúde buscaram um acordo, no final da manhã desta sexta-feira (10). A categoria pede a correção das perdas salariais da ordem de 32% e a implantação efetiva do Plano de Cargos Carreira e Salários (PCCR), além da revisão de auxílios como a insalubridade, alimentação e saúde. 

O auditório da Assembleia Legislativa ficou lotado de servidores, que cobram melhorias salariais e de condições de trabalho. Os deputados Dr. Neidson (PMN), Jair Montes (Avante), Eyder Brasil (PSL) e Chiquinho da Emater estiveram presentes à discussão, além do deputado federal Mauro Nazif (PSB). 

O secretário estadual de Saúde (Sesau), Fernando Máximo, o secretário de Finanças (Sefin), Luiz Fernando, o chefe da Casa Civil, Junior Gonçalves, e o secretário adjunto de Planejamento e Orçamento (Sepog), Jailson Viana, apresentaram a contraproposta à classe, que se resumiu inicialmente a um aumento de R$ 100 no auxílio alimentação e a promessa de elaboração de estudo, por uma empresa contratada pelo Governo, para permitir uma readequação do PCCR da categoria, num prazo de seis meses. 

"Chegando o Projeto de Lei do PCCR aqui na Casa, se for de acordo com os servidores, votamos com celeridade, sem nenhum problema. Os deputados estão colaborando com um entendimento e vamos trabalhar nesse sentido", disse Dr. Neidson. 

"Estou aqui na reunião e quero afirmar que nunca votei contra servidor e não voto. O Governo vai fazer sua contraproposta e os servidores ficam livres para definir uma posição", assegurou Jair Montes.

 

O deputado disse também que "há uma possibilidade de se chegar aos R$ 258 de auxílio alimentação, como querem os servidores, enquanto se constrói esse plano, por seis meses? Se o Governo acatar a proposta dos servidores, vejo como uma saída para o impasse, por enquanto". 

Chiquinho reforçou essa proposta do deputado Jair Montes. "O deputado foi muito feliz e cabe aos sindicatos, aos servidores, acatarem essa proposta, caso o Governo a aceite também. Afinal, o grande pedido da categoria é a revisão do PCCR". 

O Governo informou, preliminarmente, que não poderia dar uma resposta com esse valor, sem antes fazer os estudos necessários, mantendo a proposta de aumento de R$ 100 no auxílio e o estudo do PCCR, em seis meses. Mas, após mais discussões, os secretários da Sefin e da Sesau, anunciaram que iriam ceder e conceder esse aumento de R$ 158,00 no auxílio alimentação, que passa dos atuais R$ 100,00 para R$ 258,00 para toda a categoria, a partir de fevereiro. 

Mauro Nazif disse que, "investir em servidor público dá retorno. O Governo discute mais os impactos do que se preocupa em oferecer melhores condições aos servidores. Ao meu ver, está errado. O orçamento do Estado é de mais de R$ 8 bilhões ao ano e oferecer R$ 100 de aumento no auxílio alimentação é muito pouco. Aperta que sai leite daí!" 

O deputado federal cobrou mais respeito à categoria, que ficou quase duas horas esperando. "Se já estava pronta essa contraproposta, deveriam ter chegado no horário e apresentado. Esse impacto, aumentando em R$ 100 o auxílio alimentação, representa 0,17% do orçamento anual. É muito pouco impacto".

 

Governo 

Luiz Fernando disse que o Governo fez a sua avaliação de impactos da proposta apresentada pela categoria. "A gente sabe que o que é pedido é para repor o que foi perdido ao longo dos anos. Fizemos um impacto estimado de R$ 255 milhões ao ano, acrescido na folha de pagamento da saúde, caso fosse acatada a tabela, conforme proposta pela categoria. Isso não seria possível de ser atendido pelo Estado, pois representaria quase uma folha a mais". 

Segundo ele, "avaliamos um número que coubesse no nosso orçamento. Também estudamos realocações de servidores em conjunto com esses estudos financeiros. O caminho mais adequado é esse: levar em contar essa realocação, mas precisa ser feito com mais profundidade. E queremos contratar uma empresa para que faça esse projeto, levando em conta a nossa realidade". 

Ainda de acordo com Luiz Fernando, uma empresa apresentou uma proposta de fazer esse estudo em seis meses. "A gente entende que a demanda, a necessidade é de uma urgência maior, mas não podemos tomar uma decisão que possa inviabilizar financeiramente o Estado. É uma decisão importante, que precisa ser bem trabalhada", completou, arrancando reclamações dos servidores presentes. 

O chefe da Casa Civil pontuou que a categoria está há dez anos sem reajuste e não se discute o mérito da categoria. "O PCCR é a maior busca da classe. O Governo não pode tomar medidas sem ter bases. O Estado vai fazer o PCCR, mas é preciso ter cautela. Em nenhum momento estamos fechando as portas. E estamos agindo de forma transparente. A nossa proposta é: que a empresa faça os estudos e que possamos ter mais um crédito de confiança da categoria, que vai ganhar um novo PCCR e de maneira muito mais justa e com segurança de que iremos cumprir". 

Junior Gonçalves reforçou que "se aceitarem essa proposta, em seis meses estaremos com algo concreto, dentro das possibilidades do Estado, para apresentar à categoria. O Tribunal de Contas do Estado procedeu dessa forma: contratou uma empresa para fazer um estudo, que permitiu fazer a adequação no PCCR dos seus servidores. E vamos seguir esse modelo, pois temos também necessidade de uma solução de forma mais ágil possível". 

Fernando Máximo abriu a sua fala dizendo que tem brigado junto às demais secretarias, pela valorização de toda a categoria da saúde. "Eu sou médico do quadro da Sesau. São dez anos sem aumento de salários. Auxílio saúde é uma vergonha. Mas, a proposta dos sindicatos levaria ao aumento das despesas com pessoal na saúde da ordem de R$ 255 milhões ao ano, o que inviabilizaria o Governo". 

Ainda segundo o secretário da Sesau, "vamos definir esse estudo pela empresa, acompanhado pelos sindicatos, pelos deputados e pelo Governo, para que possamos fazer uma correção do PCCR para toda a categoria. Sobre o auxílio alimentação, que é muito baixo, se for feito um aumento de R$ 100, daria um impacto de R$ 12 milhões. Conseguimos esse reajuste, não é a melhor coisa do mundo, não resolve, mas é o que podemos oferecer, dadas as atuais circunstâncias". 

Ao retomar a palavra, Junior Gonçalves disse que a perspectiva de greve prejudica a elaboração dos estudos, uma vez que isso geraria impactos financeiros, inclusive.

 

Servidores 

Jeová Gomes, do Sindicato dos Servidores da Saúde (Sindsaúde), disse que "essa contraproposta do Governo é vergonhosa. atribuir o valor do salário de médicos, de R$ 52 mil, para os na última classe, não se sustenta como justificativa. Me desculpem, mas R$ 100 de aumento no auxílio alimentação é vergonhoso. Queremos discutir algo concreto hoje. Ou discutimos realinhamento no nosso PCCR ou discutimos a deflagração de greve". 

O sindicalista apresentou alguns números e pontuou que se houvesse a redução nos plantões especiais, poderia ser revertido nos salários dos trabalhadores. "Seria importante a incorporação de gratificações ao salário para a categoria. Os servidores estão dobrando seus plantões, para receberem muito pouco. Também pleiteamos o auxílio saúde para R$ 400. Outro ponto é o aumento da insalubridade. Queremos hoje, algo real no salário dos nossos servidores", observou. 

Os sindicalistas cobraram garantias, compensações, enquanto aguardam a realização dos estudos do PCCR. "O que estamos reivindicando é o que pedimos em julho passado. Queremos alguma coisa, enquanto esperamos a conclusão desse estudo do PCCR. Oferecer apenas R$ 100 de aumento no auxílio alimentação, é muito pouco para a categoria esperar seis meses", disse Célia Campos, presidente do Sindsaúde. 

Raimundo Nonato, do Conselho Estadual de Saúde, afirmou que "ouvi atentamente as falas dos membros do Executivo. Cadê a proposta por escrito do Governo? Qual é a receita do Estado, que dizem que está no azul? Cadê as informações sobre o que tem sido economizado com a transposição dos servidores? Sem essas informações, não vamos avançar". 

Charles Alves, presidente do Sindicato dos Enfermeiros, pediu mais zelo e consideração aos servidores. "Sequer temos uma proposta por escrito do Governo. O que nos garante que esse plano, após esses estudos, vá nos agradar? O que nos garante que ele vai sair do papel? Depois de toda a expectativa, chegarmos aqui e recebermos uma contraproposta dessas, é frustrante".

Em reunião na ALE, Governo pede seis meses para estudos do PCCR da saúde e dá aumento de R$ 158 no auxílio alimentação - Gente de Opinião

Mais Sobre Política

Projetos de deputados estaduais que protegem consumidores de energia foram transformados em Leis em 2019

Projetos de deputados estaduais que protegem consumidores de energia foram transformados em Leis em 2019

Durante o ano passado, os deputados estaduais rondonienses começaram a colocar fim aos abusos praticados pela atual concessionária de energia elétri

As eleições de outubro

As eleições de outubro

Sete meses e quinze dias nos separam das eleições para a escolha do prefeito, do vice-prefeito e dos vinte e um vereadores.

Esgotamento sanitário de Ji-Paraná foi uma das grandes lutas do presidente Laerte Gomes em 2019

Esgotamento sanitário de Ji-Paraná foi uma das grandes lutas do presidente Laerte Gomes em 2019

Uma grande ação política, encampada pelo presidente da Assembleia Legislativa, Laerte Gomes (PSDB) garantiu o início das obras do esgotamento sanitá