Porto Velho (RO) domingo, 15 de julho de 2018
×
Gente de Opinião

Política

DEBATE: O terceiro setor no cumprimento de penas alternativas


 

Gente de Opinião

Comunidades terapêuticas, entidades eclesiásticas, militares, profissionais e estudiosos da área se reuniram em Porto Velho, nos últimos dias 30 de novembro e 1º de dezembro para discutir “A Responsabilidade social das instituições parceiras em articulação com as políticas públicas”. O tema foi abordado durante o IV Encontro Sobre Penas Alternativas, evento realizado pela Vara de Execução de Penas e Medidas Alternativas – Vepema com apoio da Escola da Magistratura do Estado de Rondônia (Emeron).

O evento teve como objetivo congregar a sociedade civil a compreender os papéis do Poder Executivo, do Judiciário e das entidades não governamentais no processo de cumprimento da pena, assim como da real recuperação do infrator, evitando assim a reincidência.

Participaram da mesa de abertura do evento o juiz auxiliar da presidência Álvaro Kálix Ferro, o vice-diretor da Emeron, Guilherme Ribeiro Baldan, o coordenador do evento, juiz Lucas Niero Flores, o promotor Leandro Gandolfo, como representante do Ministério Público e o defensor público, Diego Simão, representando a Defensoria Público Estadual.

Durante o evento o consenso foi em relação a necessidade de fortalecimento da parceria do sistema de justiça (Judiciário, Ministério Público e Defensoria) com a sociedade para a discussão e implementação de um modelo de responsabilização mais efetivo tanto para a vítima, quanto para o agressor. Números apresentados pelo vice-diretor da Emeron mostram a urgência dessa colaboração. “20% é o índice de reincidência entre aqueles que cumprem penas alternativas. Já para quem recebe como pena a prisão, o número sobe para 80%. Se 20 é muito, 80 é insuportável”, afirmou Guilherme Baldan.

Para o promotor Leandro Gandolfo, o momento é propício à discussão diante da proposta de um novo código penal, que apresenta entre suas principais atualizações a mudança de paradigma da punição privativa de liberdade (encarceramento) para as chamadas penas alternativas. “O momento não poderia ser mais oportuno e que daqui se possam extrair ideias que possam ser encaminhadas ao Senado”, completou.

Finalizando a cerimônia de abertura, o juiz Álvaro Kálix falou sobre a necessidade de um olhar diferenciado e do tratamento humanizado a quem comete infrações. “Costumo dizer que as varas de medidas alternativas, de execução penal, de família, infância e juventude e violência contra mulher são chamadas varas sociais e demandam um olhar diferenciado, efetivamente social, e é muito importante que a frente dessas varas tenhamos juízes e servidores com viés humanizado. Quero enaltecer a participação de cada entidade aqui presente e que possui um olhar que enxerga possibilidades apesar daquilo que fizeram. É preciso que essas pessoas recebam, de vocês e do judiciário, atenção e acolhimento para que sejam ressocializadas e tenham outras alternativas”, afirmou Álvaro.

Palestras

Gente de Opinião

Após a cerimônia, o Juiz Lucas Niero ministrou a palestra “A responsabilidade social das instituições parceiras em articulação com as políticas públicas: demandas e possibilidades”. O magistrado apresentou os dados do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas, do Conselho Nacional de Justiça, que demonstram que o Brasil possui 654.372 encarcerados (presídios e prisão domiciliar), sendo 221.054 em prisão provisória. Esses números colocam o Brasil na terceira posição mundial de maior população carcerária.

Lucas esclareceu que o encarceramento é inevitável nos casos que envolvem crimes de maior complexidade e/ou a necessidade de isolamento de indivíduos nocivos ao convívio social, entretanto essa pena é aplicada majoritariamente, mesmo em casos de delitos de menor potencial ofensivo. Ao tratar as medidas alternativas como última possibilidade, forma-se o cenário que temos hoje: superpopulação carcerária, altos índices de reincidência e aumento da sensação de impunidade e segurança.

As penas alternativas não anulam a punição, elas responsabilizam o autor do delito de outras formas que não sejam o encarceramento, como limitação de fim de semana, pena pecuniária, multa, prestação de serviços à comunidade e o tratamento para a dependência química. Para que as condenações nessa modalidade sejam cumpridas, as parcerias com as instituições públicas, de terceiro setor e comunidades terapêuticas são fundamentais. Alguns projetos são beneficiados com recebimento de verbas pecuniárias e multas e também com a prestação de serviços. Alguns dessas iniciativas foram apresentados à plateia, a exemplo do Projeto Polícia Comunitária, desenvolvido pela Polícia Militar.

O projeto recebeu verbas oriundas de penas pecuniárias e multas e montou centros esportivos em algumas das escolas públicas atendidas pelo programa. Todos os equipamentos, assim como vestimentas oferecidas aos alunos foram custeados por meio de projeto apresentado à Vepema. Mais de 300 crianças e adolescentes são atendidas gratuitamente em modalidades como handebol, futebol e artes marciais e inclusive participam de competições estaduais e nacionais, conquistando medalhas. De acordo com o Sub Tentente Nascimento, do 1º batalhão, o projeto visa afastar crianças e adolescentes das drogas e a criminalidade, utilizando os esportes e a educação como ferramentas. Além do esporte, a Polícia Comunitária realiza patrulha escolar, mediação e resolução de conflitos nas escolas e o ensino de noções de civismo.

Outra instituição beneficiada é a Rede de Educação Marcelinas, que recebe apenados para trabalho voluntário e também foi favorecida com verbas para reforma de uma de suas unidades na Capital. Shirle Alves, do Departamento Administrativo e de Capacitação de Recursos da Rede, contou que três penitenciados já foram contratados pela instituição dada a qualidade do trabalho que apresentaram durante o cumprimento de pena.

As atividades da manhã foram encerradas com a palestra “Central Integrada de Alternativas Penais”, ministrada pelo Coordenador da Central Wesley Rodrigo Germiniano da Silva. Wesley apresentou a implantação do projeto, seus objetivos e a metodologia de trabalho para acompanhamento de pessoas em cumprimento de medida penas alternativas. A Central, ligada à Secretaria de Justiça, atua em parceria com o judiciário e outras entidades para a realização de suas atividades.

Gente de Opinião

Fonte: Ascom /  Emeron

Mais Sobre Política

Garçon cobra escolas e creches para os Residenciais do Minha Casa Minha Vida

Garçon cobra escolas e creches para os Residenciais do Minha Casa Minha Vida

Os residenciais, acima relacionados, comportam 9.453 famílias, fazem parte do Programa Federal “Minha Casa Minha Vida”, mas não contam com equipamento

Sala do Empreendedor consegue avanços com boas práticas

Sala do Empreendedor consegue avanços com boas práticas

Com apoio do Sebrae, atendentes são avaliados pelos empreendedores