Porto Velho (RO) sexta-feira, 22 de janeiro de 2021
×
Gente de Opinião

Política

Daniela propõe emissão de notas fiscais em ferros-velhos


Projeto de lei no qual propõe que os desmontes (ferros-velhos e sucatas), ficam obrigados a emitir nota fiscal de entrada de mercadoria em cada operação de compra, foi à proposta apresentada pela deputada Daniela Amorim (PTB), na Assembléia Legislativa. A nota fiscal de entrada de mercadoria deverá conter dados como a razão social da empresa, se pessoa jurídica com o CNPJ e inscrição estadual; ou nome de quem comprou, se pessoa física, com o CPF e registro geral; além do endereço, descrição detalhada do material comprado e respectiva qualidade e o valor total e valores parciais pagos pela mercadoria.

Segundo a parlamentar, tal medida visa coibir a receptação desses materiais tendo em vista que se têm elevado ultimamente o furto e danificações das redes de transmissões no que diz respeito a fios e cabos de cobre, trazendo para a população e para as empresas concessionárias, elevados prejuízos financeiros.

Relatou que dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) revelam que em dois anos foi furtado em condutores metragem suficiente ara ir e voltar de Porto Alegre (RS) a Belém (PA). "Chegam a ser furtados 10 mil cabos telefônicos por ano, de onde são extraídas duas mil toneladas de cobre. A Brasil Telecom teve que investir 250 mil reais em reposição de cabos e mão-de-obra para normalizar a situação, sendo que sem sua área de atuação foram furtados 16.200 quilos de fios e cabos de cobre em 2006", informou.

O projeto define que os desmontes ficam obrigados a manter cadastro atualizado de fornecedores; que o desmonte é o responsável pela correta identificação do vendedor de mercadorias; a nota fiscal de entrada de mercadoria somente terá validade com a assinatura do vendedor; quando a venda for efetuada por pessoa jurídica, a nota terá que ser contabilizada. A não-emissão da nota fiscal de entrada de mercadoria pelo desmonte acarretará penas previstas para receptador de mercadorias roubadas.

De acordo com o projeto são considerados mercadorias: fios, arames, peças, tubos, tampos, e, outros itens feitos de aço, cobre, alumínio, zinco, ferro s, ou outro tipo de material. Os desmontes deverão manter livro próprio para registro das operações, indicando o nome e identificação do vendedor; especificação do vendedor; das peças ou material envolvidos, a data e o valor da negociação. O projeto prevê multa de 10 mil UFIR's (Unidade de Referência do Estado), interdição do estabelecimento por 90 dias e apreensão de todo o material identificado como sucata de cobre pela Seapen ou órgão determinado pelo Estado.

Fonte: Decom -  Liliane Oliveira

 

 

Mais Sobre Política

Presidente Laerte Gomes cria Fundo Especial do Poder Legislativo de Complementação ao Fundo Financeiro do Iperon

Presidente Laerte Gomes cria Fundo Especial do Poder Legislativo de Complementação ao Fundo Financeiro do Iperon

Comandada pelo presidente da Assembleia Legislativa de Rondônia, Laerte Gomes (PSDB) as duas sessões extraordinárias realizadas na manhã desta segun

Ismael Crispin apoia verba indenizatória para profissionais que atuam no tratamento da Covid-19

Ismael Crispin apoia verba indenizatória para profissionais que atuam no tratamento da Covid-19

Nesta segunda-feira (18), em sessão extraordinária na Assembleia Legislativa, o deputado Ismael Crispin (PSB) votou favorável ao projeto de autoria do

Sancionada lei do deputado Alex Silva que inclui o evento “Marcha para Jesus” no calendário cultural oficial do estado de Rondônia

Sancionada lei do deputado Alex Silva que inclui o evento “Marcha para Jesus” no calendário cultural oficial do estado de Rondônia

Na última terça-feira (12) foi sancionada pelo Governo de Rondônia e publicada no Diário Oficial, a Lei Nº 4.939, de autoria do Deputado Estadual Al

Cirone Deiró defende plano emergencial para o enfrentamento da Covid-19

Cirone Deiró defende plano emergencial para o enfrentamento da Covid-19

Em reunião com o secretário de saúde do estado, Fernando Máximo e o chefe da casa civil, Júnior Gonçalves, o deputado Cirone Deiró cobrou a execução d