Porto Velho (RO) segunda-feira, 21 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política

Cresce a adesão à greve em todo o Estado


A greve dos trabalhadores em educação da rede estadual completa oito dias com uma adesão maior do que na primeira semana de paralisação. Um balanço feito nesta segunda-feira pela manhã em todo o Estado mostrou que a média de adesão ultrapassa 75%. A categoria reivindica reposição das perdas salariais, unificação do Plano de Carreira, gestão democrática nas escolas, aumento do valor do auxílio saúde e retorno do auxílio saúde aos aposentados.

Na Regional Cone Sul a média de adesão varia entre 85% e 90%, com paralisação nos Municípios de Vilhena, Colorado D'Oeste, Cerejeiras, Cabixi, Corumbiara, Chupinguaia e Pimenteiras. A categoria e a população ficaram revoltadas com a direção da escola Zilda Uchoa, em Vilhena, que chegou a chamar a polícia para tentar impedir a greve. 

Na Regional Centro I, que compreende os Municípios de Jaru, Theobroma, Governador Jorge Teixeira e Vale do Paraíso a paralisação atinge 80%. Sexta-feira pela manhã os trabalhadores em educação fizeram uma passeata pelas ruas de Jarú.

Na Regional Centro II (Ouro Preto, Vale do Paraíso, Urupá, Mirante da Serra e Teixeirópolis), a adesão é de 70%.

Na Regional da Mata Rolim de Moura, Santa Luzia D'Oeste, Alta Floresta D'Oeste, Nova Brasilândia D'Oeste, Novo Horizonte, Castanheiras e Alto Alegre dos Parecis, a média de adesão é de 75%. Em Novo Horizonte nenhuma escola está funcionando nesta segunda-feira. Em Nova Brasilândia a adesão é de 80%.

Na Regional Café (Cacoal e Ministro Andreazza), a greve tem a adesão de 90% dos trabalhadores em educação.  Em Ministro Andreazza a paralisação atinge todas as escolas.

Na Regional Apidiá a paralisação é de 70% em Pimenta Bueno e 65% em Espigão do Oeste, enquanto na Regional Guaporé a greve atinge 80% em Presidente Médici, 80% em São Francisco do Guaporé, 70% em São Miguel, 60% em Alvorada do Oeste, 50% em Seringueiras e 95% em Costa marques.

Na Regional Estanho (Ariquemes, Alto Paraíso, Rio Crespo, Campo Novo de Rondônia, Monte Negro, Cacaulândia, Machadinho D'Oeste, Buritis, Cujubim e Vale do Anari) a greve atinge 55%, enquanto na Regional Rio Machado (Ji-Paraná) a paralisação é de 35%. Já na Regional Mamoré (Guajará-Mirim e Nova Mamoré) praticamente todas as escolas fecharam.

Na Regional Norte, que compreende os Municípios de Porto Velho, Candeias e Itapuã, está o maior número de trabalhadores em Educação. Na Capital 60% da categoria paralisaram as atividades. Em Candeias 55% e em Itapuã 100% aderiram à greve.

A presidente do SINTERO, Claudir Mata, reafirmou nesta segunda-feira que a responsabilidade pelo ano letivo é toda do governo do Estado, e que a greve é o último recurso dos trabalhadores em educação na luta por seus direitos, já que o governo não quer dialogar com a direção do sindicato.

Fonte: Adércio Dias

Mais Sobre Política

Ministério Público realiza reunião sobre os bairros Conceição e Flamboyant após intervenção de Cristiane Lopes

Ministério Público realiza reunião sobre os bairros Conceição e Flamboyant após intervenção de Cristiane Lopes

Após a vereadora Cristiane Lopes (PP) ir até o Ministério Público Estadual (MP/RO), para relatar os problemas das obras de pavimentação dos bairros Fl

Mariana Carvalho apresenta declaração sobre cobertura universal de saúde em assembleia da União Interparlamentar

Mariana Carvalho apresenta declaração sobre cobertura universal de saúde em assembleia da União Interparlamentar

Mais de 1700 parlamentares e parceiros da ONU e da sociedade civil de todo o mundo estão reunidos em Belgrado, na Sérvia, onde acontece a 141ª Assembl

Erro na tabela de vencimentos dos professores volta a ser discutido na Comissão de Educação

Erro na tabela de vencimentos dos professores volta a ser discutido na Comissão de Educação

A Comissão de Educação e Cultura (CEC), da Assembleia Legislativa, se reuniu na manhã desta quarta-feira (16), para deliberar projetos e voltou a di

Liderança na produção do cacau depende da vontade política, aponta debate

Liderança na produção do cacau depende da vontade política, aponta debate

A volta do protagonismo brasileiro na produção de cacau depende de mais investimentos em pesquisa e de ações como o fortalecimento da Comissão Executi