Domingo, 25 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Política

Comunidades tradicionais exigem ser consultadas a respeito do Projeto Complexo Madeira


As comunidades ribeirinhas ameaçadas pelo Projeto do Madeira fizeram uma manifestação nessa segunda-feira, dia 16 de abril, no Ministério  Público Federal de Rondônia, em apoio à Ação Civil Pública que embarga o licenciamento das usinas. A manifestação foi organizada pelo Fórum Independente Popular, que além dos ribeirinhos congrega o MAB, Movimento dos Atingidos por Barragens. Foram entregues na ocasião declarações das comunidades Santo Antônio, Cachoeira dos Macacos, Sacaca, Porto Seguro, Ilha do Teotônio, Teotônio, Cujubim e São Carlos afirmando que Furnas/Odebrecht  "...não prestaram informações suficientes sobre os impactos na nossa comunidade nem apresentaram garantias das compensações e indenizações." 

Junto com as declarações das comunidades ribeirinhas foi entregue ao Procurador da República um documento das nações indígenas de Rondônia. Os caciques e representantes das diversas etnias da região, alertam que "no rio Madeira, tem a grande Hidrelétrica de Santo Antônio, que afetará os povos indígenas isolados do Madeirinha e indiretamente afetará os povos Karitiana, Karipuna, Kaxarari, Pacaas Novas e a T.I. Ribeirão e T.I. Lages. Todos esses povos serão atingidos, porque se sair a usina de Santo Antônio, sai também a usina de Jirau."

As lideranças indígenas se posicionam frontalmente contra a expansão da produção de energia hidroelétrica na Amazônia, o que levaria a uma maior desagregação de seus territórios, alguns sequer reconhecidos. Segundo as lideranças indígenas "há formas alternativas de gerar energia sem destruir a grande mãe-natureza, criada pelo pai grande. Não queremos hidrelétricas no rio Madeira e em nenhum outro! "

Os Karitianas, os mais afetados com a eventual construção das Usinas do Madeira, também deram seu aval ao documento. Marcelo e Inácio Karitiana atestaram que o apoio do cacique Antenor Karitiana ao Projeto Madeira é unilateral e não corresponde à posição da aldeia no seu conjunto.

No dia 24 de abril, foram marcadas oitivas com representantes dessas comunidades tradicionais para que fiquem registradas as suas preocupações, bem como a forma negligente com que foram tratadas pelo Consórcio Empreendedor.

Fonte: Fórum Independente Popular do Madeira

Gente de OpiniãoDomingo, 25 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

Deputado Alex Redano coordena reunião de trabalho entre moradores do PAF Jequitibá, Incra e Sedam

Deputado Alex Redano coordena reunião de trabalho entre moradores do PAF Jequitibá, Incra e Sedam

Na tarde da última quinta-feira (22), no plenarinho 02, da Assembleia Legislativa de Rondônia (Alero), o deputado estadual Alex Redano (Republicanos

Deputado Marcelo Cruz prestigia visita do ministro Edson Fachin a Rondônia

Deputado Marcelo Cruz prestigia visita do ministro Edson Fachin a Rondônia

O presidente da Assembleia Legislativa de Rondônia (Alero), deputado estadual Marcelo Cruz (Solidariedade), prestigiou no início da tarde desta sext

Vereador Everaldo Fogaça busca soluções para taxas elevadas de descarte de entulhos em Porto Velho

Vereador Everaldo Fogaça busca soluções para taxas elevadas de descarte de entulhos em Porto Velho

O Vereador Everaldo Fogaça (Republicanos) promoveu uma reunião crucial com o presidente da Astron - Associação de Transporte de Rondônia, Cristiano

Deputada Ieda Chaves e Cássio Góis encabeçam pedido da Casa da Mulher Brasileira para Cacoal

Deputada Ieda Chaves e Cássio Góis encabeçam pedido da Casa da Mulher Brasileira para Cacoal

A deputada estadual Ieda Chaves (União Brasil) cumpre agenda em Brasília (DF) nesta semana. Na última terça-feira (20), esteve em reunião com a equi

Gente de Opinião Domingo, 25 de fevereiro de 2024 | Porto Velho (RO)