Porto Velho (RO) segunda-feira, 21 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política

CASSOL REAFIRMA: Não tem como conceder aumento


"Temos que ser responsáveis e que tomar atitudes que não venham prejudicar o Estado nas próximas administrações. Não quero deixar herança 'maldita' como a que recebi do Beron pra ninguém, por isso, o Estado não pode conceder aumento aos servidores da Educação, no patamar que eles estão pleiteando, muito menos conceder aumento a uma categoria e deixar as demais de fora", assim o governador Ivo Cassol resumiu a sua posição em relação ao movimento grevista, deflagrado pelo Sintero, que recebe uma baixa adesão da categoria em todo o Estado.

Desde a semana passada que o Governo, através da Procuradoria Geral do Estado (PGE), entrou com um pedido na Justiça para que a greve seja declarada ilegal. Entre as alegações do Governo, estão a falta de regulamentação de movimentos grevistas no país – matéria que está em discussão no Congresso Nacional – e a falta de razoabilidade no pedido sindical que motivou a greve.

Segundo informou a PGE, na próxima segunda-feira, às 10 horas, uma audiência na 2ª Vara da Fazenda Pública, vai definir os rumos do movimento. A expectativa do Governo é de que o movimento grevista seja declarado ilegal, inclusive com o agravante de o Sintero ter tentando evitar à força o curso normal de aulas em várias unidades escolares, sem sucesso.

Ivo Cassol reafirmou o que já havia expressado desde o início da mobilização: "com os números atuais, não podemos repassar um reajuste salarial a nenhuma categoria. Estamos trabalhando para aumentar a nossa arrecadação. Com a aprovação do lei do Super Simples, que deverá reduzir em cerca de R$ 9 milhões a receita do Estado, prejudicando também aos municípios", explicou o governador.

Cassol também informou que mais de 1.200 professores federais irão se aposentar até o próximo ano e que o Estado vai ter que arcar com mais esse custo, em torno de R$ 40 milhões ao ano. "Não sou contra conceder aumento, mas não podemos dar aumento e depois não podermos cumprir. O pior salário é o que chega ao final do mês e não está na conta. E tem mais um agravante: o Iperon não teria condições de custear as suas obrigações caso houvesse um aumento substancial nos salários, quebrando o Instituto e causando sérios prejuízos a todos", completou.

Fonte: Decom

Mais Sobre Política

Ministério Público realiza reunião sobre os bairros Conceição e Flamboyant após intervenção de Cristiane Lopes

Ministério Público realiza reunião sobre os bairros Conceição e Flamboyant após intervenção de Cristiane Lopes

Após a vereadora Cristiane Lopes (PP) ir até o Ministério Público Estadual (MP/RO), para relatar os problemas das obras de pavimentação dos bairros Fl

Mariana Carvalho apresenta declaração sobre cobertura universal de saúde em assembleia da União Interparlamentar

Mariana Carvalho apresenta declaração sobre cobertura universal de saúde em assembleia da União Interparlamentar

Mais de 1700 parlamentares e parceiros da ONU e da sociedade civil de todo o mundo estão reunidos em Belgrado, na Sérvia, onde acontece a 141ª Assembl

Erro na tabela de vencimentos dos professores volta a ser discutido na Comissão de Educação

Erro na tabela de vencimentos dos professores volta a ser discutido na Comissão de Educação

A Comissão de Educação e Cultura (CEC), da Assembleia Legislativa, se reuniu na manhã desta quarta-feira (16), para deliberar projetos e voltou a di

Liderança na produção do cacau depende da vontade política, aponta debate

Liderança na produção do cacau depende da vontade política, aponta debate

A volta do protagonismo brasileiro na produção de cacau depende de mais investimentos em pesquisa e de ações como o fortalecimento da Comissão Executi