Porto Velho (RO) segunda-feira, 21 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política

CASSOL DIZ QUE EXÉRCITO HUMILHOU RONDÔNIA


Governador garante que Estado não invadiu área e diz que Exército humilhou Rondônia
Visivelmente indignado com a atitude da 17ª Brigada em ocupar a área aonde o Governo ia reiniciar as obras de construção do teatro estadual, Cassol disse que ”a manobra do Exército é uma humilhação para Rondônia, um desrespeito com a Justiça e uma afronta ao nosso povo. Enquanto os mais de 1.400 quilômetros de fronteiras com a Bolívia estão praticamente descobertos, facilitando a ação de traficantes de drogas, de armas e outros criminosos, o Exército mobiliza um grande contingente para impedir a continuidade de uma obra, de grande interesse público”.
O governador explicou que o Tribunal de Justiça também iniciou as obras de construção há anos de sua nova sede, e só há alguns dias negociou com o Exército a compra do terreno. “Nem por isso, soldados foram colocados para impedir a continuidade da obra. Por isso, causa estranheza essa atitude exagerada, sem necessidade, pois se não há o interesse numa permuta ou negociação da área, que o Exército recorra à Justiça, que é o caminho natural que todo cidadão ou instituição deve recorrer quando se sentir lesado”, completou Cassol, e lamentou que o general de Brigada, Luiz Alberto Bringel, tenha tomada a decisão de ocupar a área, ao invés do diálogo. “Ele é passageiro, não vai morar aqui mais que dois anos, por isso não entende o quanto essa obra é importante para Rondônia.
Dinheiro na conta – O recurso para a construção do teatro estadual está na conta do Governo. O dinheiro foi uma doação do Banco do Brasil, que administra as contas dos servidores estaduais, para que o Estado invista em infra-estrutura. “Decidimos construir o teatro, mas poderíamos realizar qualquer obra”, explicou Cassol.
Busca do entendimento - Ivo Cassol fez questão de ressaltar que não quer briga com ninguém, que respeita a Justiça e os demais poderes e que vai continuar buscando o entendimento para que as obras do teatro possam ser retomadas, dentro da normalidade. “Basta bom senso e sensibilidade, pois dispomos de muitas áreas, hoje ocupadas irregularmente por órgãos federais, que podem ser permutadas pela área do teatro e tudo fica resolvido. Falei, por telefone, com os ministros Nelson Jobim (Defesa) e Gilberto Gil (Cultura) e expliquei os fatos e aguardo uma definição”.
No início da noite desta terça-feira os senadores Expedito Júnior e Valdir Raupp vão ter audiência com o ministro da Defesa, Nelson Jobim, para tratar do assunto. O governador disse que toda a bancada está empenhada em ajudar a superar o impasse e agradeceu às manifestações de apoio recebidas por parte das entidades culturais de Rondônia.
Fonte: Decom

Mais Sobre Política

Ministério Público realiza reunião sobre os bairros Conceição e Flamboyant após intervenção de Cristiane Lopes

Ministério Público realiza reunião sobre os bairros Conceição e Flamboyant após intervenção de Cristiane Lopes

Após a vereadora Cristiane Lopes (PP) ir até o Ministério Público Estadual (MP/RO), para relatar os problemas das obras de pavimentação dos bairros Fl

Mariana Carvalho apresenta declaração sobre cobertura universal de saúde em assembleia da União Interparlamentar

Mariana Carvalho apresenta declaração sobre cobertura universal de saúde em assembleia da União Interparlamentar

Mais de 1700 parlamentares e parceiros da ONU e da sociedade civil de todo o mundo estão reunidos em Belgrado, na Sérvia, onde acontece a 141ª Assembl

Erro na tabela de vencimentos dos professores volta a ser discutido na Comissão de Educação

Erro na tabela de vencimentos dos professores volta a ser discutido na Comissão de Educação

A Comissão de Educação e Cultura (CEC), da Assembleia Legislativa, se reuniu na manhã desta quarta-feira (16), para deliberar projetos e voltou a di

Liderança na produção do cacau depende da vontade política, aponta debate

Liderança na produção do cacau depende da vontade política, aponta debate

A volta do protagonismo brasileiro na produção de cacau depende de mais investimentos em pesquisa e de ações como o fortalecimento da Comissão Executi