Porto Velho (RO) segunda-feira, 20 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

Política

CARTA AO POVO RONDÔNIA


CARTA AO POVO RONDÔNIA

 

AÇÃO LEGITIMA OU ABUSO DE PODER?

 

Três fatos recentes denotam o uso do poder de Estado como instrumento discricionário de pressão sobre segmentos da sociedade

 

As eleições 2006, em Rondônia, criaram uma hegemonia política, na qual, de um lado o Executivo Estadual tem controle absoluto sobre o Legislativo, como comprova a recente manutenção de dezenove vetos governamentais, através do inusitado placar de nenhum voto contrário; e de outro, o Poder Legislativo em seu papel Constitucional de, dentre outros, decidir o volume de verbas e dotações orçamentárias, tem enorme influência sobre os demais poderes e órgãos fiscalizadores do Estado; situação exposta, com chocante crueza, quando da realização da operação policial que recebeu o sugestivo nome de "Dominó".

 

Essa situação, em que executivos controlam legislativos, é bastante comum. Chega a ser quase uma regra em nosso país. Entretanto, o que se observa "nestas paragens do poente" é o uso desse poder quase absoluto de uma forma preocupante, que coloca em risco o Estado Democrático de Direito, na medida em que segmentos, entidades e até entes do pacto federativo se tornam alvos de ações discricionárias, com o claro objetivo de subjugar oposições democraticamente legítimas, e de impor vontades; numa clara afronta aos mais elementares princípios democráticos do Estado Republicano.

Somente neste primeiro trimestre estão ocorrendo três demonstrações preocupantes desse poder absolutista, conforme abaixo relacionado:

 

  • O caso de uma empresa de ônibus

Contemporaneamente a um confronto político, sobre resultado das eleições 2006, com acionista majoritário de uma empresa de ônibus, esta passou a ser alvo de uma ação do fisco estadual, jamais vista nestas paragens, quiçá alhures, onde todo o aparelho do Estado está sendo mobilizado para uma verdadeira operação a "tolerância zero" com policiais, agentes de saúde e servidores das demais secretarias e órgãos sendo transformados em fiscais. Sem entrar no mérito se há ou não irregularidades na tal empresa, é necessário que seja respondida algumas perguntas: Porque esta zelosa ação fiscalizatória não atinge também as outras empresas do mesmo setor? As PCH do Estado? As construtoras? A indústria madeireira? O comércio? Os grandes empreendimentos do agronegócio? ...?

 

 

  • O caso da CPI de Sindicato

Uma entidade sindical que no passado já deu muita dor de cabeça aos atuais inquilinos do Palácio Getúlio Vargas e no futuro certamente continuará exercendo o seu papel, de defender os interesses da categoria, e com isso incomodando mandatários de plantão foi alvo de uma inusitada tentativa de se criar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar as ações da entidade, incluindo o seu processo eleitoral, seus investimentos em mídia e decisões tomadas em assembléia sobre uma ação na Justiça e até a própria decisão judicial; criando um verdadeiro tribunal de exceção vedado pelo art. 5°, inciso XXXVII, da Constituição Federal, atropelando as prerrogativas da Justiça do Trabalho, prevista no art. 114, inciso III, da Carta Magna.

 

A medida, uma clara afronta ao artigo 8° da Constituição Federal é tão surrealista, que seria a primeira CPI de Sindicato na história do Brasil. É necessário que seja respondidas algumas perguntas: Porque outros Sindicatos, inclusive patronais, não mereceram a zelosa atenção dos senhores deputados? Porque as inúmeras denúncias sobre irregularidades que atinge órgãos e poderes não merecem CPI? Que tal fazer uma CPI sobre a grilagem de terras e invasão de reservas ambientais?

 

 

  • O Caso da vigilância sanitária contra a prefeitura da Capital

Caso da Vigilância Sanitária contra a Prefeitura de Porto Velho – Nos últimos dias virou manchetes, mais um excesso de zelo, desta feita da Vigilância do Estado, em uma ação fiscalizatória que é um completo ineditismo na história de Rondônia, talvez do Brasil, que são autuações aplicadas em postos de saúde da capital, inclusive com tentativas de fechá-los por supostas irregularidades no funcionamento, que teriam sidas constatadas por uma criteriosíssima operação "pente fino". Por coincidência o alcaide da Capital é um desafeto político do Palácio Getúlio Vargas. Cabe perguntar: os postos de saúde do Estado estão sendo fiscalizados com o mesmo rigor? As prefeituras simpáticas ao atual governo estariam recebendo a mesma zelosa atenção da Vigilância Sanitária? E os restaurantes da cidade?

 

 

É necessário e urgente que as autoridades dos três poderes, inclusive as autoras dessas ações draconianas, reflitam sobre a gravidade da situação. Mais necessário e mais urgente, ainda, é a mobilização da sociedade civil organizada, através das entidades de classe, sindicatos, entidades empresárias, igrejas, movimentos sociais, ONG`s, jornalistas, profissionais liberais e cidadãos anônimos para se contrapor a todo e qualquer abuso de poder que atente contra o princípio mais elementar do Estado democrático de direito: todos são iguais perante a Lei. Pois o que se vê atualmente é: para os amigos do rei, os benefícios da lei e para os adversários políticos os rigores da lei.

 

PS: Espera-se que estas breves reflexões não tornem esta Central alvo da "zelosa" atenção do Estado (com viaturas e agentes de segurança a paisana seguindo dirigentes sindicais), nem, tão pouco, manchetes pejorativas em determinados veículos de comunicação, comecem a surgir; pois somos apenas uma entidade da sociedade civil organizada. Se isto acontecer, será uma Luta de Golias contra Davi, na qual este só poderá contar com a Força e, a Sabedoria de pessoas de bons costumes.

 

 

Mais Sobre Política

Prefeitura cria linha especial de ônibus para atender público da Portoagro

Prefeitura cria linha especial de ônibus para atender público da Portoagro

Objetivo é facilitar o acesso das pessoas que não dispõem de transporte próprio para chegar ao evento

MP-RO  adere ao Programa Mulher Viver sem Violência

MP-RO adere ao Programa Mulher Viver sem Violência

O Ministério Público de Rondônia formalizou, nesta sexta-feira (16/08), a adesão ao Programa Mulher Viver sem Violência, desenvolvido pelo Governo Fed

Sinjor abre nesta segunda-feira quinzena de filiação e regularização

Sinjor abre nesta segunda-feira quinzena de filiação e regularização

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de Rondônia (Sinjor) abre nesta segunda-feira, 20 de agosto, sua quinzena de recebimento de manife

TJ/RO acata por unanimidade denúncia contra deputado estadual

TJ/RO acata por unanimidade denúncia contra deputado estadual

Por unanimidade, os desembargadores das Câmaras Criminais Reunidas do Tribunal de Justiça de Rondônia receberam nesta sexta-feira (17), queixa-crime c