Porto Velho (RO) quarta-feira, 16 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Carlos Henrique

Vaca Brava - A Pêia de um Pugilista


Vaca Brava - A Pêia de um Pugilista  - Gente de Opinião

Abertura do I Campeonato Internacional de Box da Fronteira Brasil/Bolívia, cujo evento tinha por sede a pitoresca e bucólica cidade brasileira de Guajará-mirim, no estado de Rondônia. Horas antes da luta entre os representantes do Brasil - Vaca Brava e da Bolívia - Chicharon de Chancho, a Federacion Boliviana de Puñetes - FBP anunciou uma inesperada substituição.

O truculento e avantajado Chicharon seria substituído pelo franzino e tímido Torito Real, devido a uma incontida diarréia que insistia em borrar os fundilhos del señor Chancho, deixando, inconvenientemente, um rasto de merda e fendentina por onde passava “El Campeõn Boliviano de Puñetes”.

Há quem diga que, não tendo encontrado alguém disposto a enfrentar - e apanhar - do temível "Vaca Brava", a Federacion Boliviana convenceu "Torito Real" com a conversa de que estaria "tudo combinado", que o adversário só iria bater da cintura para cima. E, mesmo assim, muito de leve.

Assim, o amedrontado Torito Real apresentou-se à comissão organizadora do evento, instalada nas dependências do Cine e Teatro Melhem, onde também foi armado o ringue do embate esportivo. Entre as cordas, Vaca Brava socava nervosamente uma luva contra a outra, sob o aplauso do público dominantemente brasileiro.

O temido Vaca Brava examinou detidamente o delicado arquétipo do seu adversário, enquanto aguardava o gongo inicial da peleja, já convencido de uma vitória fácil, que iria consagrá-lo internacionalmente. Se alguma combinação houvesse, ela teria sido totalmente esquecida, naquele momento que antecedia a glória.

Quando o juiz autorizou a luta, Vaca Brava mandou ver uma de esquerda no pé do ouvido do boliviano, que tombou incontinente sobre a lona. Antes que o juiz terminasse a contagem de nocaute, Torito Real, ainda tonto, levantou. Cambaleando e espumando pela boca, muito zangado, dirigiu a palavra ao seu adversário brasileiro, perguntando: que passa hermano???.....Y el combinado???

Enquanto conversavam em busca de um entendimento, Torito Real surpreendeu Vaca Brava com uma direita no meio da lata, depois uma esquerda na boca do estomago, uma direita no fígado e um pontapé no assoalho pélvico do pugilista brasileiro que se esborrachou no tapume, já literalmente desmilingüido.

Chispando fogo pelas narinas e sangue pelos ouvidos e ainda não satisfeito, Torito Real subiu nas cordas do ringue e pulou com os dois joelhos na região dos rins do coitado moribundo. Depois de um berro estridente de aiaiaaaai!!!, o velho Vaca Brava desmaiou e a platéia aterrorizada gritou: fudeu......esse ai morreu!!!! Após a declaração de vitória do boliviano, Vaca Brava saiu de maca, direto para o Hospital Bom Pastor, onde ficou internado por 30 dias, encerrando, assim, a meteórica carreira de um pugilista.

Vaca Brava - A Pêia de um Pugilista  - Gente de Opinião

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Carlos Henrique

Não é que Lula não queira deixar a prisão. O que ele não quer é voltar

Não é que Lula não queira deixar a prisão. O que ele não quer é voltar

É claro que ele quer sair da prisão. O que ele não quer é voltar, com a nova condenação já na bica. Talvez o melhor seja mesmo permanecer na cela da

Contra as queimadas só é preciso atitude

Contra as queimadas só é preciso atitude

Uma sugestão para que nossos parlamentares deixem um pouco de lado a rotina das homenagens, honrarias e louvores e apresentem alguma proposta que re

Chorões de BH chegam dia 3 para "Tributo a Rondônia"

Chorões de BH chegam dia 3 para "Tributo a Rondônia"

É claro que inventei um título para esta nova visita a Porto Velho dos músicos mineiros, apaixonados por choro, que se perderam de amores por Rondôn

Confraria do Candiru: mais cinco estrelas na calçada

Confraria do Candiru: mais cinco estrelas na calçada

O professor da Universidade Federal de Rondônia, economista, escritor e poeta Silvio Persivo é um dos cinco homenageados do Candiru, na festa do ter