Porto Velho (RO) quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020
×
Gente de Opinião

Carlos Henrique

Chorões de BH chegam dia 3 para "Tributo a Rondônia"


Foto: Internet - Gente de Opinião
Foto: Internet

É claro que inventei um título para esta nova visita a Porto Velho dos músicos mineiros, apaixonados por choro, que se perderam de amores por Rondônia, pela calorosa receptividade - nada a ver com o clima - e grande sucesso quando aqui estiveram em 2017. Pois Artur Pádua - violão, Ronaldo Pereira - pandeiro, Agostinho Paolucci - violão 7 cordas, Pedro Alvarez - flauta transversal, Nixon Fonseca - cavaquinho, Cícero Gonzaga - acordeom e Emanuel Lito Casara - bandolim, além do coordenador artístico, Armando de Souza Pinto e do assistente de palco, Adilson Barbosa de Paula, já estão com agenda programada para nova série de shows e choro em Porto Velho e Guajará no início de setembro.

 

Eles se reúnem com freqüência em clubes, bares e shows de Belo Horizonte, onde criaram a roda de choro mais badalada da capital mineira, no Bar do Salomão, hoje referência de boa música. Não é para menos, pois que o encontro de músicos de excepcional qualidade, dos quais o rondoniense Emanuel Fouton "Lito" Madeira Casara participa com não rara freqüência, é ainda aprimorado pela freqüência dos encontros.

 

É claro também que farão aqui o que mais os diverte: tocar choro, o que não deixa de ser um presente especial para o público de Porto Velho e Guajará-Mirim. A visita está programada para o período de 3 a 8 de setembro e já estão programados três dias de shows no Pakaas Palafitas Lodge, em Guajará- Mirim. Em seguida, se apresentam no Porto do Sol Mirante, em Porto Velho, a partir de 18h00min horas de quinta-feira, dia 5. E, do sábado, comemoram a Independência com muito chorinho, no Buraco do Candiru.

 

Esse encontro de músicos de primeira qualidade vai contar com o violão de Artur Pádua, que tem inclusive álbum gravado pela Acari Records, um sucesso de crítica, segundo o Jornal do Brasil. Não menos festejado é o pandeiro de Ronaldo Pereira, conhecido pelo estilo alegre e descontraído. Já se apresentou grandes destaque no cenário nacional, como Carlos Poyares e Hamilton de Holanda.  Igualmente consagrado pela crítica é o violão 7 cordas do professor e compositor Agostinho Paolucci, que já gravou com vários grupos de destaque em BH. E já se apresentou na companhia de nomes como Nelson Sargento, Nei Lopes, Délcio Carvalho, Mauro Diniz, Monarco, Cristina Buarque e Mariana de Moraes.

 

Tem mais: Conhecido por apresentações inclusive em Porto Velho e Guajará Mirim, com sua excelente flauta transversal, Pedro Álvares, o "Cabralzinho" formou-se nas rodas de Choro de Belo Horizonte, com destaque para o Bar do Salomão. E participou de apresentações inclusive em Lisboa. Integrou vários grupos conhecidos de choro, como Canela de Ema e Horas Vagas e Isto é Nosso. 

Outra presença destacada será a do cavaquinista e compositor, Nixon Fonseca, reconhecido como multi-instrumentista e solista por muitos músicos de renome no cenário nacional. Gravou com grupos de choro e samba em Belo Horizonte, como Confraria do Choro do Bar do Caixote, Roda de Choro no Bar do Salomão. Da mesma forma, o acordeom de Cícero Gonzaga com certeza permanece na lembrança do musicalmente mais qualificado público rondoniense. Músico de renome nacional, tocou com Nelson Gonçalves e muitas estrelas do cenário musical.

 

Uma seleção assim tão qualificada de músicos não estaria completa sem o bandolim do rondoniense Emanuel Fouton Madeira Casara, nosso aplaudido Lito Casara. Conhecido e admirado em Belo Horizonte onde atua desde os tempos de estudante, em 1978, quando participou da primeira formação do Grupo de Choro Flor de Abacate. Estudou no Conservatório Mineiro de Música da UFMG. E já se apresentou - acompanhado do grupo Canela de Ema - no Festival Pé na Terra, em Algarves, Portugal, além de shows em Lisboa, Cintra e Coimbra. Lito Casara, aliás, passa tanto tempo em BH que quase pode se integrar à categoria de "visitante". Complementam o grupo, que iluminam com simpatia e bom humor, o coordenador artístico, Armando de Souza Pinto e o assistente de palco Adilson Barbosa de Paula.

Galeria de Imagens

  • Violão 6 cordas - Artur Pádua Machado Coelho
    Violão 6 cordas - Artur Pádua Machado Coelho
  • Pandeiro - Ronaldo Emerenciano Pereira
    Pandeiro - Ronaldo Emerenciano Pereira
  • Coordenador musical - Armando de Souza Pinto
    Coordenador musical - Armando de Souza Pinto
  • Flauta transversal - Pedro Alvarez Leite de Souza Pinto
    Flauta transversal - Pedro Alvarez Leite de Souza Pinto
  • Flauta transversal - Pedro Alvarez Leite de Souza Pinto
    Flauta transversal - Pedro Alvarez Leite de Souza Pinto
  • Cavaquinho - Nixon Fonseca da Silva
    Cavaquinho - Nixon Fonseca da Silva
  • Acordeom - José Cícero Gonzaga
    Acordeom - José Cícero Gonzaga
  • Adilson Barbosa de Paula - Dimirçu
    Adilson Barbosa de Paula - Dimirçu
  • Bandolim – Emanuel Fulton Madeira Casara - Lito
    Bandolim – Emanuel Fulton Madeira Casara - Lito

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Carlos Henrique

Cheira mal: Sesau terá que explicar inoperância e custos exorbitantes da lavanderia do HB

Cheira mal: Sesau terá que explicar inoperância e custos exorbitantes da lavanderia do HB

Cheira a problemas o processamento de roupas hospitalares da rede pública no Hospital de Base. A julgar pela argumentação até agora apresentada, a Ses

Rondônia confia saúde pública aos cuidados da padroeira

Rondônia confia saúde pública aos cuidados da padroeira

O estado aposta todas as fichas na construção do novo hospital de urgência e emergência, comprovadamente indispensável, considerada a dramática incapa

Deputados acreditam saber a origem da denúncia contra o deputado Marcelo Cruz na Operação Dissimulação

Deputados acreditam saber a origem da denúncia contra o deputado Marcelo Cruz na Operação Dissimulação

Apontam para a Controladoria Geral da Assembleia fortes suspeitas de ter partido dali a denúncia que deflagrou a Operação Dissimulação, que levou poli