Porto Velho (RO) segunda-feira, 18 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Política

Carlão em Porto Velho nesta terça-feira


OPERAÇÃO DOMINÓ: Corte Especial aceita parcialmente a denúncia proposta pelo MP

Em um julgamento que durou quase dez horas, a Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) aceitou, por maioria e parcialmente, a denúncia feita pelo Ministério Público Federal contra o desembargador do Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ/RO) Sebastião Teixeira Chaves, o deputado estadual daquele estado José Carlos de Oliveira, o Carlão, e Edílson de Souza Silva, conselheiro do Tribunal de Contas do estado (TC/RO). Este responderá ação penal no STJ apenas pelo crime de prevaricação; os demais, pelos crimes de advocacia administrativa e prevaricação (ambos), corrupção ativa (apenas o desembargador) e corrupção passiva (apenas o deputado).

A Corte Especial decidiu, ainda, rejeitar, por maioria, a denúncia quanto à imputação de formação de quadrilha ou bando contra todos cinco os denunciados ao Tribunal. Os ministros entenderam que o crime não está caracterizado na denúncia. Além do deputado estadual e então presidente da Assembléia Legislativa, do desembargador e então presidente do TJ/RO e do conselheiro do Tribunal de Contas do estado (TC/RO), foram denunciados ao STJ o juiz José Jorge Ribeiro da Luz e o procurador de Justiça José Carlos Vitachi. O grupo foi alvo de investigação da Polícia Federal durante quatro meses na chamada Operação Dominó.

Os ministros do STJ rejeitaram a denúncia, por maioria, contra o procurador José Carlos Vitachi. A denúncia também foi rejeitada quanto ao juiz José Jorge, depois que o presidente do STJ, ministro Raphael de Barros Monteiro, deu voto de desempate a respeito da participação do magistrado no esquema. O ministro João Otávio de Noronha ficou responsável pelo acórdão.

Prisões e afastamentos

A Corte Especial também determinou, por unanimidade, a revogação da prisão do conselheiro do TC/RO Edílson de Souza e Silva, e determinou, por maioria, o relaxamento da prisão do deputado estadual, presos no mês passado. Os ministros ainda decidiram afastar, temporariamente, das atividades públicas o desembargador Sebastião Chaves e o conselheiro Edílson de Souza e Silva. O afastamento do presidente do Legislativo local não foi acatado por não ser da competência constitucional do STJ deliberar sobre afastamento dessa autoridade.

Preliminares

A relatora da ação penal, ministra Eliana Calmon, destacou, preliminarmente, duas questões para análise dos ministros e que poderiam interromper o julgamento. Quanto à existência de conexão entre esta ação penal e outras investigações das quais a ministra Eliana tomou parte, os ministros entenderam que há conexão probatória, implicando na prevenção da ministra para relatar esta ação penal.

Quanto à possibilidade de impedimento (suspeição) da ministra Eliana para relatar a ação por ter presidido a fase de instrução do processo, os ministros entenderam que não há nulidade no processo, já que o julgamento em si será feito pelo conjunto de ministros da Corte Especial. Apenas o ministro Paulo Medina se posicionou de maneira contrária em ambas hipóteses.

Fonte: Sheila Messerschmidt  (STJ)

Mais Sobre Política

Campanha “Pedalando Pela Vida” vai até dia 23 com doação de sangue na Fhemeron

Campanha “Pedalando Pela Vida” vai até dia 23 com doação de sangue na Fhemeron

A campanha será realizada durante toda a semana, se estendendo até dia 23 com a realização de um passeio ciclístico

Garçon cobra asfalto para atender hospitais Santa Marcelina e de Câncer

Lindomar Garçon cobra asfalto para atender necessidades dos hospitais Santa Marcelina e de Câncer

Porto Cai N’Água é reinaugurado pela prefeitura de PVH

Porto Cai N’Água é reinaugurado pela prefeitura de PVH

Terminal hidroviário foi reformado e já está em pleno funcionamento

Programa de Aposentadoria Incentivada é prorrogado por mais 30 dias

Podem aderir ao programa os servidores estatutários que não respondem a processo disciplinar e processo judicial