Porto Velho (RO) sexta-feira, 18 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política

BANZEIROS COMENTA 'BENGALADAS'


Comentei aqui domingo sobre a carta aberta do ex-governador Jerônimo Santana ao jornalista Euro Tourinho. Santana dizia que a história que Charles A. Gauld ("Farquhar – O Último Titã...") conta desmente aquela contada por Manoel Rodrigues Ferreira. Lembrei-me que o próprio Jerônimo Santana, quando governador, mandou imprimir uma nova edição do "Ferrovia do Diabo", livro de Manoel Rodrigues Ferreira – a edição estava esgotada –, distribuindo pessoalmente pelo Estado de Rondônia, e ainda patrocinou a vinda do autor para proferir palestras em Porto Velho, Guajará-Mirim e realizar sessões de autógrafos. CLIQUE E LEIA A COLUNA BANZEIROS DO JORNALISTA JOSÉ CARLOS SÁ.

Mais Sobre Política

Ministério Público realiza reunião sobre os bairros Conceição e Flamboyant após intervenção de Cristiane Lopes

Ministério Público realiza reunião sobre os bairros Conceição e Flamboyant após intervenção de Cristiane Lopes

Após a vereadora Cristiane Lopes (PP) ir até o Ministério Público Estadual (MP/RO), para relatar os problemas das obras de pavimentação dos bairros Fl

Mariana Carvalho apresenta declaração sobre cobertura universal de saúde em assembleia da União Interparlamentar

Mariana Carvalho apresenta declaração sobre cobertura universal de saúde em assembleia da União Interparlamentar

Mais de 1700 parlamentares e parceiros da ONU e da sociedade civil de todo o mundo estão reunidos em Belgrado, na Sérvia, onde acontece a 141ª Assembl

Erro na tabela de vencimentos dos professores volta a ser discutido na Comissão de Educação

Erro na tabela de vencimentos dos professores volta a ser discutido na Comissão de Educação

A Comissão de Educação e Cultura (CEC), da Assembleia Legislativa, se reuniu na manhã desta quarta-feira (16), para deliberar projetos e voltou a di

Liderança na produção do cacau depende da vontade política, aponta debate

Liderança na produção do cacau depende da vontade política, aponta debate

A volta do protagonismo brasileiro na produção de cacau depende de mais investimentos em pesquisa e de ações como o fortalecimento da Comissão Executi