Porto Velho (RO) quarta-feira, 23 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política

Assembléia busca alternativa para hidrelétricas e política florestal



Com a presença do governador Ivo Cassol e de representantes do Ministério Público, Ibama, Furnas, Fiero, Fecomércio, Ceron, Senge, CUT e Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia e representantes dos setores elétrico e ambiental, a Assembléia Legislativa realizou na manhã desta quarta-feira (27) audiência pública e promoveu intenso debate sobre os problemas sociais oriundos da instalação das Usinas Hidrelétricas do Rio Madeira (Santo Antônio e Jirau), bem como a política florestal para Rondônia. O pedido para a realização do evento, que foi presidido pelo deputado Neodi Carlos (PSDC), foi feito pelo deputado Jesualdo Pires (PSB) e aprovado por unanimidade pelos demais parlamentares integrantes da Casa de Leis.

O deputado Jesualdo Pires, em tom firme, falou que o Estado de Rondônia passa por situação de discriminação por parte do governo federal. “Tem sido assim como os repasses do FPE (Fundo de Participação dos Estados), que paga o equivalente a R$ 48 per capta. O gasoduto do Amazonas, mesmo com a licença ambiental concedida, não chega a nosso Estado. A transposição dos servidores públicos do antigo Território Rondônia para o quadro da União se arrasta e não tem resultado e a dívida do Beron, que foi contraída por uma administração federal, vem sendo retida pelo Governo Federal”.

Reportando-se às hidrelétricas do rio madeira (Santo Antônio e Jirau), o parlamentar falou que “da forma como estão querendo fazer, Rondônia só vai receber o ônus. Se a corrente contínua for estabelecida, não teremos energia para a indústria do Estado. Estamos perdendo a oportunidade de ter energia”. Jesualdo falou ainda que o Governo Federal não está ouvindo as autoridades de Rondônia. Por conta disso, será montada uma comissão de Rondônia para ir ao Ministério de Minas e Energia e se não for ouvido o apelo dos integrantes da comissão, haverá a tentativa de sensibilizar a população rondoniense para ser contra o empreendimento das obras das hidrelétricas do rio madeira.

“Temos que conseguir essa mudança de corrente contínua para a alternada. Se assim não for, teremos energia em abundância, mas sem poder acender um bico de luz no interior do Estado. Da maneira com se encontra, é total discriminação para com Rondônia. Precisamos da mobilização de todos. Temos que pressionar o Governo Federal para obter a mudança que, não tenho dúvida, trará os benefícios que almejamos”, completou o deputado proponente da audiência pública.

O engenheiro Ubiratam da Silva, presidente da Associação Rondoniense de Engenheiros Florestais, defendeu a criação do Serviço Florestal de Rondônia e uma reestruturação do setor no Estado, que segundo dados apresentados na audiência pública, emprega diretamente quase 30 mil trabalhadores e representa a sétima arrecadação de ICMS. Só a título de comparação, temos 392 empresas de construção civil em pleno boom imobiliário. Só de serrarias cadastradas na Sedam são 749, diz Ubiratam.

Ele apresentou números sobre a floresta existente Rondônia e garantiu que há madeira para 100 anos de exploração com manejo florestal. É uma reserva de 72 milhões de metros cúbicos que está apenas em sete municípios. Para Ubiratam, essa riqueza precisa ser melhor explorada e administrada por um órgão específico, no caso o Serviço Florestal de Rondônia, com a criação de um fundo de reflorestamento e um conselho estadual de floresta

Durante a audiência pública, o engenheiro elétrico Ronaldo Ferreira da Silva defendeu  urgência na realização da construção das usinas por  entender que se precisa urgentemente da obra para o desenvolvimento do Estado. “Temos preferência pelo sistema de corrente alternada, já que se pensa somente na corrente contínua. Queremos é a urgência na realização dos trabalhos para o bem de Rondônia”, observou o engenheiro, os benefícios que virão para o Estado.

Uma reserva de energia foi a principal preocupação do técnico, mostrando por  experiências adquiridas em outras obras semelhantes, na sua vida profissional. Ele comentou sobre a nítida diferença entre os dois sistemas: corrente contínua e alternada, contudo, “o mais importante agora é a realização da obra, urgentemente, para o nosso bem estar”.

O franco desenvolvimento de agronegócio em Rondônia, no entendimento do palestrante está sendo posto à prova. “Não podendo esperar por muito tempo pela efetivação do projeto para o franco desenvolvimento da nossa região”, observou.

CASSOL

No seu pronunciamento, o governador do Estado, Ivo Cassol disse que Rondônia já fez o seu dever de casa com relação às questões ambientais. Está em curso uma campanha contra o desmatamento, as queimadas e ações de educação  ambiental.  Segundo Cassol, o governo federal precisa dar atenção ao Estado para que os produtores rondonienses tenham condições de industrializar as matérias-primas. Nesse sentido, o governador cobrou políticas públicas que proporcionem o financiamento para a compra de equipamentos industriais modernos. Ele lembrou que a agregação de valor aos produtos advindos da industrialização trariam a geração de emprego pra os rondonienses.

Cassol disse também que espera que com a mudança da superintendência do IBAMA/RO traga a valorização dos bons empresários da área ambiental. “Nós preservamos a floresta. E não queremos manter em pé as árvores maduras, que precisam passar pelo processo da recomposição florestal”. O governador voltou a defender a utilização comercial do Gasoduto de Urucu (AM). Seria a solução para economia aos altos custos realizados atualmente para a geração das termoelétricas, que queimam óleo diesel, altamente poluidor e caro. 

Com relação ao tema da audiência pública, Cassol destacou que a corrente alternada resultaria em crescimento econômico e social para o Estado. Ele considera  injustiça, o governo federal não permitir a utilização da energia em Rondônia, caso prevaleça a distribuição direto para Araraquara (SP), favorecendo apenas as Regiões  Sudeste e Sul. Cassol quer a criação do “ICMS Verde” de ao menos 10% sobre o consumo de energia    elétrica  geradas pelas Usinas do Complexo do rio Madeira. “Seriam pelos menos R$ 250 milhões por cada usina”, avaliou. A criação deste  imposto necessita de uma PEC (Projeto de Emenda Constitucional) no Congresso Nacional. “Precisamos nos prevenir para a ressaca que virá, após a construção das usinas. ”


Sistema misto 

Afonso de Andrade, gerente regional de Furnas, disse acreditar que o sistema de transmissão seja misto, embora reconheça que o Governo Federal ainda não decidiu esse fato. Ele lembrou que o Estado consome mesmo de 10% do potencial que será gerado nas hidrelétricas. “É preciso mandar essa energia para o restante do país e a transmissão por corrente alternada é mais cara porque exige construção de subestação. Mas é necessário que a energia fique também em Rondônia. Por isso acredito em um sistema misto.

O Presidente do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura de Rondônia, Engenheiro Geraldo Sena Neto, mostrou o formato da obra, como Rondônia sendo produtor de energia, necessariamente merecendo um tratamento diferente. O posicionamento do Estado deve se evidenciar a partir de agora.

No entendimento do representante do Crea, deve-se preocupar e não aceitar posicionamentos de outros Estados à obra, que de qualquer forma é de Rondônia e, sobretudo, para que se possa ver o desenvolvimento do empreendimento, acima de tudo, à firmeza e nossa vontade de enfrentamos as adversidades deve ser levado em conta – no momento tão importante

Davi Nogueira, representante da senadora Fátima Cleide (PT), não concordou que o Governo Federal discrimina Rondônia. Falou que a senadora Fátima Cleide defende corrente alternada e que ela está programando uma audiência pública em Brasília para discutir a questão da energia a ser produzida pelas hidrelétricas do rio madeira.

O presidente da Assembléia Legislativa, Neodi Carlos, disse que Rondônia sendo discriminado sim pelo Governo Federal e que as usinas do rio madeira vão ser construídas pelo interessa nacional. “Se fosse para atender somente Rondônia, não sairia concretizada essa obra”.

Ele voltou a cobrar a vinda do gasoduto do Amazonas para Rondônia. Falou que tem que se cobrar muito mais do Governo Federal, principalmente para os setores da saúde, trânsito e educação. “Os recursos do Governo Federal estão muito acanhado para atender Rondônia. Temos que pensar grande. Temos que ser respeitado como cidadãos”, completou ao agradecer o comparecimento de todos ao debate franco sobre a instalação das hidrelétricas do rio madeira e a definição de política florestal para o Estado de Rondônia.

Fonte: Decom/ Carlos Neves, Ivalda Marrocos, E. Jonhson e A. Badra

Mais Sobre Política

Comissão de Educação da ALE discute tabela do piso do magistério com secretário da Seduc

Comissão de Educação da ALE discute tabela do piso do magistério com secretário da Seduc

A Comissão de Educação e Cultura (CEC), da Assembleia Legislativa, se reuniu na manhã desta quarta-feira (23), para deliberar projetos e também disc

Polícia Federal deflagrou a Operação Grand Bazaar, que  investiga fraude em fundos de pensão

Polícia Federal deflagrou a Operação Grand Bazaar, que investiga fraude em fundos de pensão

Por determinação do Supremo Tribunal Federal, a Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (21) a Operação Grand Bazaar, visando desarticular um “esquema cri

Ministério Público realiza reunião sobre os bairros Conceição e Flamboyant após intervenção de Cristiane Lopes

Ministério Público realiza reunião sobre os bairros Conceição e Flamboyant após intervenção de Cristiane Lopes

Após a vereadora Cristiane Lopes (PP) ir até o Ministério Público Estadual (MP/RO), para relatar os problemas das obras de pavimentação dos bairros Fl

Mariana Carvalho apresenta declaração sobre cobertura universal de saúde em assembleia da União Interparlamentar

Mariana Carvalho apresenta declaração sobre cobertura universal de saúde em assembleia da União Interparlamentar

Mais de 1700 parlamentares e parceiros da ONU e da sociedade civil de todo o mundo estão reunidos em Belgrado, na Sérvia, onde acontece a 141ª Assembl