Porto Velho (RO) quinta-feira, 16 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Yeda toma posse atacando crise da economia gaúcha


Agência O GloboPORTO ALEGRE - Dias antes de tomar posse como primeira governadora do Rio Grande do Sul, a tucana Yeda Crusius propôs um conjunto de medidas fiscais e administrativas que demonstraram sua determinação de enfrentar com mão de ferro o déficit público do estado, mas também deram a medida das resistências que enfrentará.Derrubado na Assembléia Legislatia na sexta-feira, pacote incluía aumento de impostos, suspensão de incentivos e congelamento de salário do funcionalismo por dois anos. Também previa a prorrogação do tarifaço sobre telefonia, energia e combustíveis, que valeu durante 2006 e seria suspenso neste fim de ano. O arrocho provocou forte reação até de aliados da governadora eleita. Dois secretários indicados por Yeda - para as pastas de Planejamento e Justiça - desistiram de assumir os cargos. O vice-governador eleito, Paulo Afonso Feijó, também protestou.Com um programa de governo baseado na defesa de um "novo jeito de governar'' e de um "choque de gestão'' como medidas necessárias para organizar as finanças do estado, a economista de 62 anos venceu as eleições estaduais polarizadas pelo debate sobre os problemas de caixa e a crise da economia gaúcha.Com um déficit anual estimado em R$ 2,3 bilhões, a governadora tem pressa em viabilizar sua administração. Para o cientista político Francisco Ferraz, a hipótese de protelar o enfrentamento da crise da economia gaúcha não condiz com o perfil da nova governadora e poderia colocar em risco a própria sobrevivência do governo.- A governadora mostra claramente que está disposta a enfrentar a crise desde o primeiro dia de governo para ter tempo de reverter o desgaste. A alternativa de ir levando poderia fazer com que morresse à míngua politicamente - disse Ferraz à Reuters.Ferraz foi reitor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul no período em que Yeda Crusius era diretora da Faculdade de Economia. Para o cientista político, a experiência profissional e política da tucana garantirão o controle sobre a futura administração.- Yeda fará um governo determinado por um centro político que será ela. O governo é dela - disse Ferraz.A composição do secretariado demonstra a preocupação de Yeda de incorporar os principais partidos que aderiram à candidatura tucana, mas não garante apoio irrestrito dos aliados. A reação não provocou mudanças nos planos de Yeda.- O governo terá a marca dela. Os partidos aliados terão que se ajeitar. Não será um governo de condomínio - completou Ferraz.

Mais Sobre Política - Nacional

Grupo Abril pede recuperação judicial

Grupo Abril pede recuperação judicial

O grupo Abril entrou com um pedido recuperação judicial nesta quarta-feira (15); plano de recuperação judicial será mostrado aos credores em até 60 di

Sonegação de R$ 26 bi do Itaú vai a julgamento. É a maior da história

Sonegação de R$ 26 bi do Itaú vai a julgamento. É a maior da história

Está revogada a decisão do Carf que havia livrado o banco de pagamento de multa de R$ 26 bilhões por sonegação de impostos; é a maior da história...

Bancários se manifestam em Brasília em defesa de bancos públicos

Bancários se manifestam em Brasília em defesa de bancos públicos

Bancários protestam contra as resoluções da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da Uni

Trabalhadores de todas as idades já podem sacar cotas do Pis/Pasep

Trabalhadores de todas as idades já podem sacar cotas do Pis/Pasep

Trabalhadores de todas as idades que tiverem direito a cotas dos fundos dos programas de Integração Social (PIS) e de Formação do Patrimônio do Servid