Porto Velho (RO) sexta-feira, 17 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Vendas dos supermercados fecharam ano em queda


Bruno Rosa - Agência O GloboRIO - O mês de dezembro não foi bom o suficiente para os supermercados de todo o país e não conseguiu reverter o péssimo ano para o varejo. Segundo o Índice Nacional de Vendas da Abras (Associação Brasileira de Supermercados), o acumulado de janeiro a dezembro de 2006 registrou queda de 1,65% nas vendas em todo o Brasil. Esse valor já foi deflacionado pelo IPCA do IBGE.- Apesar de negativos, os números não nos surpreenderam. Há tempos estamos falando que o setor tem sofrido com a queda nos preços dos alimentos, o que afeta o faturamento. A deflação ocorrida em 2005 e 2006 não deverá se manter em 2007, isso por si só provocará o alinhamento do volume com o faturamento. Para de fato conseguir essa retomada em 2007, o setor continua investindo em treinamento e capacitação de funcionários, além da modernização das lojas. O supermercadistas também esperam a retomada do poder de compra do consumidor - afirma o presidente da Abras, Sussumu Honda.Mesmo com o índice em dezembro tendo apontado crescimento real de 31,24% em comparação ao mês anterior, em relação a dezembro de 2005 houve queda real de 0,50%.-Como já havíamos previsto e como acontece todos os anos, o mês de dezembro foi o melhor período do ano. Mas não o suficiente para reverter o quadro de queda no faturamento dos supermercados - afirma o ex-presidente da Abras e atual presidente do Conselho Administrativo da entidade, João Carlos de Oliveira.Comércio do RioNo Rio,o comércio em geral registrou alta de 3,6% no faturamento de dezembro. O grupo que mais se destacou em dezembro foi o comércio automotivo, apurando alta de faturamento de 5,9%, em relação ao mesmo mês de 2005. O resultado favorável se deve, principalmente, ao crescimento de 8,7% do subgrupo concessionárias de veículos, que registrou o melhor resultado dentre todos os 19 setores que compõem a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), no último mês do ano passado.Se por um lado a venda de novos veículos cresceu no fim do ano, estimulada por parcelamentos a juros mais atrativos, o comércio de Combustíveis e Lubrificantes registrou queda de 1,5%, na comparação com dezembro de 2005. O aumento dos preços no último mês de 2006 freou a demanda e acabou impactando a receita do grupo.Confirmando expectativas positivas, o grupo Bens Semiduráveis registrou alta de 2,0%. Vestuário, Tecidos e Calçados conseguiram crescer em dezembro de 2006 na comparação com o ano anterior, e foram vedetes no Natal, com aumentos de faturamento de 1,7%, 2,9% e 4,0%, respectivamente.Outro grande destaque de dezembro foi o grupo Bens Não Duráveis que encerrou o mês com crescimento de 5,0%. Quem puxou esta variação para cima foi o setor de Supermercados e Hipermercados, que teve crescimento de 5,3% na receita, em relação ao mesmo período de 2005.As Lojas de Departamento também obtiveram resultado bastante favorável em dezembro (alta de 4,0%) e acabaram influenciando positivamente o resultado do grupo Bens Duráveis, que apresentou crescimento de 1,8% no último mês de 2006.-Inflação sob controle, condições de emprego mais favoráveis, ganho de renda real e crédito, em especial, estão entre os fatores que elevaram o ânimo do comércio no mês do Natal e estimularam a compra de bens de maior valor agregado - explica o presidente da Fecomércio-RJ, Orlando Diniz.

Mais Sobre Política - Nacional

 Moro age como se fosse autoridade superior, diz Favreto no CNJ

Moro age como se fosse autoridade superior, diz Favreto no CNJ

O desembargador do TRF-4 Rogério Fraveto, que em 8 de julho determinou a soltura do ex-presidente Lula, decisão que não foi cumprida, disse, em sua de

Grupo Abril pede recuperação judicial

Grupo Abril pede recuperação judicial

O grupo Abril entrou com um pedido recuperação judicial nesta quarta-feira (15); plano de recuperação judicial será mostrado aos credores em até 60 di

Sonegação de R$ 26 bi do Itaú vai a julgamento. É a maior da história

Sonegação de R$ 26 bi do Itaú vai a julgamento. É a maior da história

Está revogada a decisão do Carf que havia livrado o banco de pagamento de multa de R$ 26 bilhões por sonegação de impostos; é a maior da história...

Bancários se manifestam em Brasília em defesa de bancos públicos

Bancários se manifestam em Brasília em defesa de bancos públicos

Bancários protestam contra as resoluções da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da Uni