Porto Velho (RO) quarta-feira, 16 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Vedoin contou à Justiça ter pago R$ 12 milhões em propina


Agência O GloboBRASÍLIA - O mapa da corrupção no Congresso, em prefeituras e empresas montado a partir do depoimento à Justiça Federal de Luiz Antonio Trevisan Vedoin, um dos chefes do grupo investigado pela CPI dos Sanguessugas, revela que ele e seus sócios na empresa Planam acertaram o pagamento de R$ 12,8 milhões de comissões e propinas. É dinheiro destinado a parlamentares e prefeitos envolvidos no esquema de vendas superfaturadas de ambulâncias e equipamentos hospitalares nos últimos seis anos.Com esses recursos seria possível comprar mais 213 ambulâncias para os municípios, considerando o valor pago de R$ 60 mil por veículo pelo Ministério da Saúde. Desses R$ 12,8 milhões, Vedoin já declarou ter desembolsado cerca de R$ 5,3 milhões em dinheiro ou presentes, sendo R$ 4,3 milhões para deputados e senadores; e R$ 1 milhão para prefeitos.O valor pago pela família Vedoin, entretanto, pode ter sido muito maior. Em seu depoimento, o empresário dono da Planam, empresa que fornecia as ambulâncias que foram superfaturadas, relata casos em que fez o acordo, mas não se lembra do valor efetivamente pago de comissão ao parlamentar ou a seus assessores. Em outros, ele diz ter pago mais do que ficou acertado previamente. Normalmente, segundo ele, um percentual correspondente ao valor das emendas. Há situações, por exemplo, em que o chefe da quadrilha fazia antecipações, com a promessa de apresentação futura de novas emendas, o que às vezes não ocorria.Pouco mais de R$ 1 milhão, segundo Vedoin, foi entregue aos suspeitos em dinheiro vivo. E a maioria das operações, conta ele, foi feita nos gabinetes do Congresso. Nesta contabilidade, entram os acordos de comissão - cujos percentuais variavam entre 10%, 12% e 15% do valor das emendas - fechados com cerca de 15% do atual Congresso, e pelo menos duas dezenas de ex-deputados.Mesmo tendo provocado um prejuízo aos cofres públicos, Vedoin tem dito a seus advogados que também se sente lesado em relação aos adiantamentos feitos a parlamentares que não cumpriram a promessa de apresentar as emendas nos valores combinados. Segundo um de seus interlocutores, Vedoin quer receber de volta todo o dinheiro que adiantou aos parlamentares. As empresas da família, dizem seus defensores, estão em dificuldades desde antes do estouro do escândalo e têm dívidas com a Receita Federal. Eles trabalhavam, segundo os advogados, com uma margem mínima de lucro, porque a propina era muito alta.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que