Porto Velho (RO) segunda-feira, 16 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Um país movida a lenha


Ramona Ordoñez - Agência O GloboEm pleno século 21, o Brasil é um país movido a lenha. Do total de energia consumida nas residência em todo país, 38% com lenha, enquanto que o gás de cozinha em botijão, o GLP, representa 26% do total. Esses dados são do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de GLP (Sindigása) que mostram que o uso da lenha superou o do GLP a partir de 2001. Na matriz energética residencial a energia elétrica corresponde a 33% do consumo total.O presidente do Sindigás, Sérgio Bandeira de Mello, destacou que o mais grave com o forte uso da lenha nas residências não é a questão do desmatamento, mas do mal que a queima faz para a saúde das pessoas. A queima da lenha gera gases tóxicos como o gás carbônico, particulados de benzeno e formaldeido, entre outros.- O uso da lenha é um retrocesso e o pior é que é um grave problema de saúde pública - destacou Mello.O Sindigás vai solicitar ao governo federal uma ação conjunta para mudar a situação. Segundo o executivo, em 2002, foi criado o auxílio-gás no valor de R$ 7,50, para a população de baixa renda. Ele conta que no início o programa chegou a ter 10 milhões de pessoas recebendo o auxílio-gás. Contudo, esse contingente foi sendo absorvido pelo governo federal no programa bolsa-família. Esse valor do auxílio ao GLP foi incorporado no bolsa-família que hoje tem cerca de 11 milhões de pessoas beneficiadas, enquanto que o auxílio-gás tem atualmente cerca de 600 mil pessoas.- A idéia do governo era deixar o cidadão livre para escolher onde gastar o benefício. Mas isso está fazendo com que as pessoas deixem de comprar o botijão de GLP - disse Mello.O presidente do Sindigás destacou que, para mudar a situação e estimular a população de baixa renda a usar o GLP, é ncessário uma ação conjunta com o governo federa.- É preciso revitalizar ou redesenhar o auxílio-gás, criando, por exemplo, uma destinação específica de parte do bolsa família para a compra do GLP - disse Mello.Outra forma para estimular o consumo do botijão para o uso nas residências, segundo o Sindigás, poderia ser via redução da carga tributária que hoje representa cerca de 25% do preço final. Uma possibilidade, segundo Sérgio Mello, poderia ser zerar o PIS/Cofins no GLP de botijão, como ocorre no arroz e no feijão desde 2004. O PIS/Cofins representa 7% do preço final algo em torno de r$ 2,20 por botijão.O executivo destacou ainda que o uso do GLP por exemplo para o aquecimento de água nas residências é mais barato do que o gás natural e a enregia elétrica. Segundo uma pesquisa encomendada pelo Sindigás à Booz Allen, a energia elétrica é 199% mais cara do que o GLP para o aquecimento de ´água, enquanto que o gás natural é 49%.

Mais Sobre Política - Nacional

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç