Porto Velho (RO) quarta-feira, 20 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

TSE: Comércio poderá funcionar em dia de eleição desde de que libere funcionários para votar


Por determinação do Tribunal Superior Eleitoral, shopping centers e lojas poderão abrir suas portas no dia 1º de outubro - ou no dia 29, caso haja segundo turno -, desde que os lojistas possibilitem aos funcionários a saída para o exercício do voto.

A decisão foi tomada na Sessão Administrativa do TSE desta segunda-feira (25), durante julgamento de uma consulta apresentada pelo Sindicato dos Lojistas do Comércio Estabelecidos em Shopping Centers de Curitiba (PR). Os ministros do TSE responderam positivamente à indagação feita pelo sindicato, autuada como Petição (Pet 2275) e relatada pelo ministro Marcelo Ribeiro. A decisão foi unânime.

Na consulta, o sindicato informou ao Tribunal que, se os lojistas forem autorizados a funcionar nos dias 1º e 29 de outubro, as lojas serão abertas das 14h às 20h, horário já adotado aos domingos. Segundo a entidade, um acordo trabalhista viabilizará a negociação com os comerciários de shopping centers.

Mais Sobre Política - Nacional

Delfim Netto: “Próximo presidente vai ser impichado”

Delfim Netto: “Próximo presidente vai ser impichado”

Não é uma previsão catastrofista, garante, mas uma "leitura simples" a partir do que o sistema político-eleitoral foi capaz de produzir até hoje

Gleisi vence de goleada acusação farsesca: 5 a 0

Gleisi vence de goleada acusação farsesca: 5 a 0

Por unanimidade, a 2ª Turma do STF absolveu a senadora Gleisi Hoffmann, seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, e o empresário Ernesto Kugler das ac

STF confirma julgamento da liberdade de Lula no dia 26

STF confirma julgamento da liberdade de Lula no dia 26

Após a convocação de uma sessão extraordinária para a próxima terça-feira, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal confirmou a inclusão na pauta

Pimenta avisa: CPI das delações fará seu trabalho

Pimenta avisa: CPI das delações fará seu trabalho

A quem interessa tolher o poder de investigação do Parlamento brasileiro?