Porto Velho (RO) sábado, 19 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

TSE aprova contas de Lula, mas rejeita doação ao comitê financeiro do PT


Givaldo Barbosa - Agência O GloboBRASÍLIA - O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou na madrugada desta quarta-feira a prestação de contas de campanha do comitê pessoal do candidato Luiz Inácio Lula da Silva. Por 5 votos a 2, os ministros chegaram à conclusão de que não houve irregularidades na prestação do petista. No entanto, o TSE rejeitou a contabilidade do comitê financeiro do PT por 4 votos a 3.O relator do processo, o ministro Gerardo Grossi, revelou que, a partir da prestação de contas retificadora apresentada pelo candidato, restou a quantia de R$ 10.303.372,70 em despesas ainda não pagas, sustentadas pela novação (troca do credor), instituto do Direito Civil que prevê uma modalidade indireta de quitação de uma dívida. O ministro explicou que essa quantia é proveniente de dívida de campanha do candidato. - As despesas que formaram esse montante da dívida foram analisadas pela Secretaria do Controle Interno do TSE e tidas como corretas - ressaltou.Grossi destacou que o Partido dos Trabalhadores (PT), utilizando-se do instrumento da novação ao assumir a dívida com a anuência dos credores, exonerou o comitê do candidato ou ele próprio, o candidato, da obrigação pelo pagamento da dívida.Em relação à prestação de contas do comitê financeiro nacional do PT, os ministros entenderam que houve uma "irregularidade insanável" na doação feita a Lula pela empresa Deicmar S.A., administradora do porto seco de Santos.A doação considerada irregular foi de apenas R$ 10 mil, correspondentes a 0,001% do total de R$ 90,7 milhões arrecadados pela campanha à reeleição do presidente. Os ministros entenderam que a doação fere a lei porque empresas concessionárias ou permissionárias de serviços públicos, caso da Deicmar, são proibidas de contribuir com partidos e candidatos.Apesar da rejeição, o TSE informou que Lula poderá ser diplomado na quinta-feira, em cerimônia no próprio tribunal, e no dia 1º de janeiro poderá tomar posse normalmente. Caberá ao Ministério Público Eleitoral decidir se vai propor processo contra o presidente por abuso do poder econômico. O procurador-geral-eleitoral terá que analisar, inclusive, o argumento da defesa de que é ínfimo o valor da doação irregular, o que descaracterizaria o abuso de poder econômico. Para os ministros do TSE, não importa se a doação irregular é de R$ 10 mil ou R$ 10 milhões. Os ministros do TSE dividiram o julgamento das contas de Lula em três partes. De início, por 5 votos a dois, os ministros aprovaram as doações feitas por cinco empresas - MBR, Caemi, CSN, OAS e Tractebel - que, conforme um parecer elaborado por técnicos do tribunal, não poderiam ter contribuído com a campanha por serem concessionárias de serviço público.- Até acredito que não tenha havido dolo. Mas não posso conceber que um partido que tem nos seus quadros advogados competentes não haja atinado para a possibilidade de fraude à lei - disse Peluso.Em relação à doação do Instituto Brasileiro de Siderurgia, embora os técnicos do TSE recomendassem a rejeição, por 4 votos a 3, os ministros também consideraram a doação correta, por entender que não se trata de entidade de classe ou sindical.Por volta de 1h da madrugada, os ministros também consideraram regular a doação da empresa Carioca Christian Nielsen porque ela se desligou do consórcio que administra a rodovia Rio-Teresópolis, em junho de 2006. A única doação irregular, portanto, foi a da Deicmar.O Ministério Público tinha recomendado ao TSE a aprovação com ressalvas da prestação de contas de Lula, em parecer do vice-procurador-geral eleitoral, Francisco Xavier Pinheiro Filho. Mas os ministros consideraram que a aprovação com ressalvas cabe apenas nos casos de erros meramente formais. A doação irregular é um problema que não pode ser remediado.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que