Porto Velho (RO) sábado, 21 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Trabalho - mulheres: invisível e incomensurável



Por Thalif Deen, da IPS
 
 

Nações Unidas – O trabalho das mulheres em suas casas continua sendo, além de gratuito, "invisível e incomensurável", afirmou o secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon. A maioria das tarefas domésticas, entre elas cozinhar, limpar e cuidar dos membros da família, são desempenhadas por mulheres que nada recebem por isso, recordou a ONU em um informe. "Em muitas regiões, o trabalho na casa inclui coleta de água e lenha, cultivo de alimentos e cuidados de pequenos rebanhos", acrescenta o estudo, apresentado na sessão anual da Comissão das Nações Unidas sobre o Estatuto da Mulher.

Nesse estudo, de 20 páginas, Ban considera que não se reconhece nem avalia a contribuição deste trabalho invisível ao desenvolvimento social e econômico, apesar de ser essencial para a reprodução da força de trabalho e para o bem-estar das sociedades. Também alerta que a iniqüidade e a discriminação baseadas em gênero contribuem com o persistente desequilíbrio na divisão do trabalho entre homens e mulheres, e que perpetuam os estereótipos do "macho provedor" e da "encarregada de cuidar da família". Assim, "o potencial de mulheres e meninas para participar da educação, capacitação, mercado de trabalho e esfera pública se restringe", acrescenta.

A Organização Internacional do Trabalho avalia que a participação das mulheres no mercado de trabalho remunerado cresceu significativamente, até chegar a 46,4% em todo o mundo em 2007. Mas, sua parte no trabalho doméstico não-pago é desproporcional. As mulheres tendem a trabalhar muito mais horas por semana do que os homens, se somarmos a atividade remunerada e a não remunerada, e têm, como consequência, menos tempo para o lazer e o sono. Os homens têm mais tempo de trabalho remunerado, segundo a OIT.

O tempo dedicado pelas mulheres ao trabalho não remunerado em casa mais do que duplica o dos homens, concluiu o Instituto de Pesquisas sobre Desenvolvimento Social da ONU após analisar a situação em na Argentina, Coréia do Sul, Índia, Nicarágua, África do Sul e Tanzânia para um estudo publicado no ano passado. Mais da metade das latino-americanas sem emprego e entre 20 e 24 anos mencionaram as atividades que realizam gratuitamente em casa como a principal razão de estarem excluídas do mercado de trabalho remunerado, segundo a Comissão Econômica da ONU para a América Latina e o Caribe (Cepal).

Os estudos especializados sugerem que a participação dos homens no trabalho doméstico avança com lentidão, menos em países como Canadá e Dinamarca. As autoridades canadenses incluíram em seus formulários de censo, desde 1996, perguntas sobre as três áreas de trabalho não remunerado principais: trabalho doméstico, cuidado com as crianças e dos idosos. "O secretário Ban e eu estamos fortemente comprometidos com a igualdade de gênero, o poder das mulheres e o importante trabalho desta Comissão", disse segunda-feira, na abertura da sessão da conferência em Nova York, a subseceretária-geral das Nações Unidas, Asha-Rose Migiro.

Migiro aplaudiu a determinação da comissão de se concentrar em suas duas semanas de sessão na questão de homens e mulheres dividirem igualmente as responsabilidades, principalmente o cuidado com as crianças e os doentes no contexto da pandemia de Aids. "O desequilíbrio e a iniqüidade em compartilhar essas tarefas entre homens e mulheres persiste na esfera pública e na privada, e também no trabalho remunerado e não remunerado", acrescentou a subsecretária-geral. A maioria do trabalho em casa e do cuidado dos familiares nos países industriais e em desenvolvimento é feito por mulheres e crianças, alertou Migiro. Isso, acrescentou, restringe as oportunidades de emprego, educação, capacitação e participação na vida pública.

Isto ocorre apesar de – segundo Migiro – os homens estarem obrigados a ter um papel ativo em suas famílias, que, como as comunidades e sociedades, sofrem as consequências de suas omissões. A pandemia de Aids ilustra claramente a necessidade de muitos atores da vida social – incluídos Estado, setor privado e sociedade civil – participarem no cuidado dos mais necessitados. Trata-se – afirmou – de uma tarefa urgente que exige um enfoque exaustivo.

"Devemos reconhecer o trabalho não remunerado e o cuidado desempenhados em casa e em nível da comunidade, e valorizar sua contribuição ao desenvolvimento social e econômico. Isso obriga a melhorar as medições desse trabalho nas contas nacionais", disse Migiro. Mas, além disso, "Devemos reduzir a carga de tempo e de esforço que essas tarefas consomem" das mulheres, acrescentou. Com este objetivo é preciso investir em melhorar a qualidade e a disponibilidade de serviços de cuidados de crianças, idosos, doentes e incapacitados, bem como o acesso ao transporte, à água potável, ao saneamento e à energia.

"Também devemos atender as responsabilidades de mulheres e crianças no cuidado da casa, devido à pandemia de Aids, e encontrar mecanismos para fortalecer o papel dos homens", disse a funcionaria da ONU. "Além do mais, devemos aprovar e implementar normas e políticas que promovam a reconciliação do trabalho remunerado e as responsabilidades familiares, tanto para homens como para mulheres", concluiu Migiro.

Fonte: IPS/Envolverde

Mais Sobre Política - Nacional

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç