Porto Velho (RO) quarta-feira, 23 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Sem dinheiro, governadores adotam medidas impopulares


Agência O Globo

BRASÍLIA - Alguns governadores de primeira viagem assumiram no início do mês sem imaginar o que teriam pela frente: rombos em caixa e o caos administrativo herdado dos antecessores os obrigam a tomar medidas impopulares jáno começo de seus mandatos. Levantamento feito pelo GLOBO mostra que governadores de quase todos os estados onde houve mudança na administração têm tido problemas.

A tucana Yeda Crusius assumiu o Rio Grande do Sul com séria crise financeira. Mas há casos inusitados, como o de Sergipe, onde o governador petista Marcelo Déda teve que rebaixar altos salários dos executivos da diretoria do Parque Tecnológico do estado, o Sergipe Tec, que recebiam até R$ 21 mil.

Déda reduziu os salários e descobriu que o Sergipe Tec não é um órgão público, mas uma organização social. Entretanto, a única fonte de renda do parque tecnológico são os recursos do governo estadual.O rombo financeiro passou a ser regra na maioria dos estados.

No Distrito Federal, o governador José Roberto Arruda (PFL) encontrou déficit de aproximadamente R$ 400 milhões. Para cobrir o buraco, devolveu todos os imóveis alugados pelo governo, que custavam R$ 30 milhões ao ano. Isso o obrigou a transferir a sede do governo para Taguatinga, maior cidade-satélite do DF.Semana passada, Arruda devolveu metade dos carros alugados pelo governo. A economia total será de R$ 17 milhões por ano. Arruda exonerou 17 mil ocupantes de cargos comissionados, determinou a demissão de nove mil funcionários sem concurso contratados pelo antigo Instituto Candango de Solidariedade, e quer reduzir à metade o número de cargos comissionados.

Uma das situações mais dramáticas nos estados é de Alagoas. Lá, o governador Teotonio Vilela Filho (PSDB) detectou um buraco no orçamento igual ao do Distrito Federal: R$ 400 milhões. Ameaçou suspender o aumento médio de 15% concedido pelo governo passado ao funcionalismo público e depois teve que voltar atrás, por causa das greves que ameaçavam paralisar o estado.- A situação é difícil. Pegamos uma herança maldita - disse Teotonio, repetindo Lula em 2003.

No Nordeste, outra situação grave é da Bahia. O governador Jaques Wagner (PT) disse ter encontrado uma dívida de aproximadamente R$ 620 milhões. Segundo ele, o caso mais dramático é da Empresa Bahiana de Alimentos (Ebal), espécie de rede de mercados populares com dívidas que chegam a R$ 80 milhões.- As prateleiras da Ebal estão vazias. Se fosse uma empresa privada, já estaria falida - disse Wagner.Ele disse que vai recuperar a Ebal e enfrentar a situação crítica do estado com um programa amplo para combater o desperdício. Só autorizou a nomeação de 70% dos mais de 12 mil cargos comissionados da Bahia.

Em Pernambuco, o governador Eduardo Campos (PSB), apesar de ter recebido da administração anterior saldo positivo de R$ 109 milhões, apontou um desequilíbrio nas contas. Ele diz que os débitos a serem quitados somam R$ 312,5 milhões, o que vai gerar a curto prazo saldo negativo de R$ 255,1 milhões. Por causa disso, teve que anunciar um corte de 20% das despesas de custeio e paralisação de novos investimentos.- Há uma situação de desequilíbrio nas contas do estado - disse Eduardo Campos.

Em nota, os ex-governadores Jarbas Vasconcelos (PMDB) e Mendonça Filho (PFL) afirmaram que Campos utilizou de má-fé para "manipular números e confundir a opinião pública".Mesmo diante dos problemas, muitos governadores tentam ganhar espaço político, de olho na sucessão de 2010.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que