Porto Velho (RO) terça-feira, 2 de junho de 2020
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Sem contra-proposta do governo, PF mantém ameaça de paralisação


Agência O Globo BRASÍLIA - Não houve negociação nesta quarta-feira entre o Ministério do Planejamento e os funcionários da Polícia Federal (PF), que pedem 30% de aumento salarial. A contra-proposta não foi apresentada pelo governo, conforme o esperado pela categoria. O ministério não dá informações sobre a contra-proposta, mas adianta que não concederá o valor do reajuste pedido. O reajuste havia sido acertado entre PF e o então ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos. - É um novo governo, eleito com novas prioridades - avisa o secretário de Recursos Humanos do ministério, Sérgio Mendonça. - Pode ser o que eles não querem. Sem resposta do governo federal, a Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) mantém sua agenda de mobilização. Marcou uma paralisação de 24 horas em todo o país, no próximo dia 18. Também pretende organizar caminhadas em todo o país e uma assembléia geral em Brasília para pressionar o governo federal. Os representantes das associações de classe esperaram por quase duas horas o secretário. Se disseram humilhados e foram embora sem que a reunião fosse realizada. - Havia sido marcada para esta terça-feira e remarcada a pedido do ministério. O entendimento é de que realmente não querem nos receber - afirma o presidente da associação, Sandro Torres Avelar. Uma nova reunião com o ministério do Planejamento ainda não foi marcada. O governo explica que a demora se deu por conta do fechamento da contra-proposta que será apresentada. Segundo o secretário de Recursos Humanos, a proposta só foi fechada hoje após conversas entre os ministérios do Planejamento e Justiça. Ele lembra que os delegados já possuem os maiores salários do Poder Executivo, tendo remuneração mais alta que a dos ministros e do próprio presidente da República. Hoje, o salário base de um delegado é R$ 10.862,14 e o teto é de R$ 15.391,48. Porém, agentes federais e peritos também fazem parte das negociações. Por meio da Medida Provisória (MP) 305, de 11 de julho de 2005, foi concedido aumento de 60%, dividido em duas parcelas de 30%. Em fevereiro do ano passado, o então ministro Thomaz Bastos reiterou o compromisso perante a categoria. No documento, afirmava que o reajuste já havia sido "acertado com a equipe econômica" e que seria concedido ainda no exercício de 2006, o que não ocorreu. Em julho passado, os funcionários receberam a primeira parcela do acordo, mas a segunda, que deveria sair em dezembro não ocorreu. A forma de pagamento também foi alterada com a MP. Os direitos trabalhistas foram incorporados ao salário como forma de subsídios. O presidente da ADPD reclama que a mudança não foi boa. - Perdemos as nossas vantagens pessoais. Entre os direitos incorporados e não mais pagos separadamente, como um acréscimo no salário, estão os adicionais de periculosidade e noturno, por horas extras e plantões.

Mais Sobre Política - Nacional

Mariana Carvalho defende novas medidas aprovadas pelo Congresso no enfrentamento à Covid-19

Mariana Carvalho defende novas medidas aprovadas pelo Congresso no enfrentamento à Covid-19

A deputada federal Mariana Carvalho (PSDB-RO) defendeu nesta quinta-feira (2) as medidas que estão sendo aprovadas pela Câmara e pelo Senado no

Relator revisor da MP 924 - Coronavírus, Dep Lucio Mosquini destaca liberação de 5 Bilhões para enfrentamento da crise na saúde

Relator revisor da MP 924 - Coronavírus, Dep Lucio Mosquini destaca liberação de 5 Bilhões para enfrentamento da crise na saúde

O deputado federal Lucio Mosquini é o relator revisor da MP 924/2020, conhecida como MP do Enfrentamento do coronavírus. O Senador Eduardo Gomes també

Deputados federais apresentam no STF pedido de impeachment do ministro Weintraub

Deputados federais apresentam no STF pedido de impeachment do ministro Weintraub

Rede Brasil Atual - Deputados da oposição anunciaram hoje (5) que vão apresentar denúncia no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o ministro da Edu