Porto Velho (RO) sábado, 21 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

SEM BOI, FRIBOI FECHA


Marcondes Maciel

A planta industrial do frigorífico Friboi em Cáceres fechou as portas por um período de 20 dias, por falta de oferta de boi gordo para o abate.  "Aproveitamos este período de escassez de produto para fazer reformas na planta e dar férias coletivas aos nossos funcionários", disse ontem uma fonte do frigorífico.

A unidade do Friboi em Cáceres (225 quilômetros a oeste de Cuiabá) tem 550 funcionários e a capacidade de abate é de 600 animais/dia.  Os trabalhos deverão ser retomados somente no próximo dia 21.

De acordo com um funcionário do setor de abates da empresa, as compras vinham diminuindo nos últimos dias e, com isso, o frigorífico chegou a abater apenas 450 cabeças/dia.  As unidades do Friboi em Araputanga e Pedra Preta/Rondonópolis, localizadas ao noroeste e sul do Estado, continuavam funcionando normalmente ontem.

Os frigoríficos temem que haja um "componente especulativo" no setor para forçar uma alta maior nos preços pagos aos pecuaristas .

Alta - Ontem, por exemplo, houve alta de R$ 1 nos preços da arroba do boi gordo em quatro regiões da área habilitada para exportação à União Européia (UE), de acordo com levantamento do Centro de Comercialização de Bovinos (Centro Boi) da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado (Famato).

Em Araputanga (345 quilômetros ao noroeste de Cuiabá), o Friboi aumentou sua oferta de R$ 57/arroba para R$ 58.  Em Pontes e Lacerda (448 quilômetros a oeste de Cuiabá), o frigorífico Arantes Alimentos pagou ontem R$ 58 pela arroba do boi gordo, contra os R$ 57 ofertados no dia anterior.

O Friboi de Barra do Garças (509 quilômetros ao leste de Cuiabá) elevou sua cotação para R$ 59 e, em Tangará da Serra (239 quilômetros ao médio norte de Cuiabá), o Marfrig ofereceu o melhor preço do Estado nos últimos quatro anos: R$ 60/arroba.

Em outras praças da região habilitada, como Paranatinga (373 quilômetros ao sul de Cuiabá) e em Várzea Grande (região metropolitana de Capital), os preços continuaram estáveis em R$ 59 para as plantas Marfrig e Sadia, respectivamente.

Vaca Gorda - Os preços da vaca também apresentaram cotações idênticas para as regiões habilitadas do Estado, com os valores oscilando de R$ 47 a R$ 51.

Escassez - Na avaliação do diretor financeiro da Famato, Eduardo Alves Ferreira Neto, o que se observa no momento é a escassez na oferta de animais como conseqüência direta do aumento de abates de matrizes nos últimos anos, para controlar os preços do boi gordo.

Dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agrícola da Famato (Imea) apontam que o número de vacas abatidas aumentou de 1,2 milhão, em 2003, para 2,4 milhões, no ano passado, alta de 100%.

Alves lembra também que os pecuaristas estão com dificuldades para fazer a reposição dos animais.  Segundo ele, quando o produtor vende um boi ele precisa repor o animal com dois ou três bezerros.  "Esta reposição é que não está sendo compensatória para o pecuarista", diz, acrescentando que no momento há menos oferta de bezerros no mercado devido ao aumento de abate de fêmeas nos últimos anos.

Pecuaristas – Os pecuaristas confirmam que está havendo "redução" na oferta de boi gordo para abate porque "os preços ainda não são ideais".

Segundo o secretário executivo da Associação dos Proprietários Rurais de Mato Grosso (APR/MT), Paulo Resende, os pecuaristas estão dispostos a "dar uma segurada no boi" para forçar uma melhora nos preços.

"Nesta época [de estiagem], o boi de pasto praticamente não existe para oferta.  O que existe é o gado de confinamento, que está sendo mantido com ração e consumindo muito alimento.  Com isso, há aumento dos custos da manutenção do animal que deve ser compensado com melhores preços", explica.

Melhor Preço - Frigoríficos apostam na manutenção dos preços da arroba até o final do ano.  De acordo com os frigoríficos, a escassez da oferta preocupa o setor, mas a indústria acredita que o próprio mercado irá ajustar os preços pela lei da oferta e da procura.

De acordo com Fabion Almeida, do setor de compras do Marfrig de Tangará da Serra (239 quilômetros ao médio norte de Cuiabá), o frigorífico continua comprando normalmente e abatendo 1,5 mil cabeças por dia.  A escala de abate também está sendo mantida em uma semana e o frigorífico aposta em uma manutenção dos preços.  Fabion confirma que os valores são os melhores dos últimos anos e que já garante uma remuneração adequada aos pecuaristas

Fonte: Diário de Cuiabá - Amazônia.org

Mais Sobre Política - Nacional

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç