Porto Velho (RO) sexta-feira, 3 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

SEM BOI, FRIBOI FECHA


Marcondes Maciel

A planta industrial do frigorífico Friboi em Cáceres fechou as portas por um período de 20 dias, por falta de oferta de boi gordo para o abate.  "Aproveitamos este período de escassez de produto para fazer reformas na planta e dar férias coletivas aos nossos funcionários", disse ontem uma fonte do frigorífico.

A unidade do Friboi em Cáceres (225 quilômetros a oeste de Cuiabá) tem 550 funcionários e a capacidade de abate é de 600 animais/dia.  Os trabalhos deverão ser retomados somente no próximo dia 21.

De acordo com um funcionário do setor de abates da empresa, as compras vinham diminuindo nos últimos dias e, com isso, o frigorífico chegou a abater apenas 450 cabeças/dia.  As unidades do Friboi em Araputanga e Pedra Preta/Rondonópolis, localizadas ao noroeste e sul do Estado, continuavam funcionando normalmente ontem.

Os frigoríficos temem que haja um "componente especulativo" no setor para forçar uma alta maior nos preços pagos aos pecuaristas .

Alta - Ontem, por exemplo, houve alta de R$ 1 nos preços da arroba do boi gordo em quatro regiões da área habilitada para exportação à União Européia (UE), de acordo com levantamento do Centro de Comercialização de Bovinos (Centro Boi) da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado (Famato).

Em Araputanga (345 quilômetros ao noroeste de Cuiabá), o Friboi aumentou sua oferta de R$ 57/arroba para R$ 58.  Em Pontes e Lacerda (448 quilômetros a oeste de Cuiabá), o frigorífico Arantes Alimentos pagou ontem R$ 58 pela arroba do boi gordo, contra os R$ 57 ofertados no dia anterior.

O Friboi de Barra do Garças (509 quilômetros ao leste de Cuiabá) elevou sua cotação para R$ 59 e, em Tangará da Serra (239 quilômetros ao médio norte de Cuiabá), o Marfrig ofereceu o melhor preço do Estado nos últimos quatro anos: R$ 60/arroba.

Em outras praças da região habilitada, como Paranatinga (373 quilômetros ao sul de Cuiabá) e em Várzea Grande (região metropolitana de Capital), os preços continuaram estáveis em R$ 59 para as plantas Marfrig e Sadia, respectivamente.

Vaca Gorda - Os preços da vaca também apresentaram cotações idênticas para as regiões habilitadas do Estado, com os valores oscilando de R$ 47 a R$ 51.

Escassez - Na avaliação do diretor financeiro da Famato, Eduardo Alves Ferreira Neto, o que se observa no momento é a escassez na oferta de animais como conseqüência direta do aumento de abates de matrizes nos últimos anos, para controlar os preços do boi gordo.

Dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agrícola da Famato (Imea) apontam que o número de vacas abatidas aumentou de 1,2 milhão, em 2003, para 2,4 milhões, no ano passado, alta de 100%.

Alves lembra também que os pecuaristas estão com dificuldades para fazer a reposição dos animais.  Segundo ele, quando o produtor vende um boi ele precisa repor o animal com dois ou três bezerros.  "Esta reposição é que não está sendo compensatória para o pecuarista", diz, acrescentando que no momento há menos oferta de bezerros no mercado devido ao aumento de abate de fêmeas nos últimos anos.

Pecuaristas – Os pecuaristas confirmam que está havendo "redução" na oferta de boi gordo para abate porque "os preços ainda não são ideais".

Segundo o secretário executivo da Associação dos Proprietários Rurais de Mato Grosso (APR/MT), Paulo Resende, os pecuaristas estão dispostos a "dar uma segurada no boi" para forçar uma melhora nos preços.

"Nesta época [de estiagem], o boi de pasto praticamente não existe para oferta.  O que existe é o gado de confinamento, que está sendo mantido com ração e consumindo muito alimento.  Com isso, há aumento dos custos da manutenção do animal que deve ser compensado com melhores preços", explica.

Melhor Preço - Frigoríficos apostam na manutenção dos preços da arroba até o final do ano.  De acordo com os frigoríficos, a escassez da oferta preocupa o setor, mas a indústria acredita que o próprio mercado irá ajustar os preços pela lei da oferta e da procura.

De acordo com Fabion Almeida, do setor de compras do Marfrig de Tangará da Serra (239 quilômetros ao médio norte de Cuiabá), o frigorífico continua comprando normalmente e abatendo 1,5 mil cabeças por dia.  A escala de abate também está sendo mantida em uma semana e o frigorífico aposta em uma manutenção dos preços.  Fabion confirma que os valores são os melhores dos últimos anos e que já garante uma remuneração adequada aos pecuaristas

Fonte: Diário de Cuiabá - Amazônia.org

Mais Sobre Política - Nacional

Mariana Carvalho defende novas medidas aprovadas pelo Congresso no enfrentamento à Covid-19

Mariana Carvalho defende novas medidas aprovadas pelo Congresso no enfrentamento à Covid-19

A deputada federal Mariana Carvalho (PSDB-RO) defendeu nesta quinta-feira (2) as medidas que estão sendo aprovadas pela Câmara e pelo Senado no

Relator revisor da MP 924 - Coronavírus, Dep Lucio Mosquini destaca liberação de 5 Bilhões para enfrentamento da crise na saúde

Relator revisor da MP 924 - Coronavírus, Dep Lucio Mosquini destaca liberação de 5 Bilhões para enfrentamento da crise na saúde

O deputado federal Lucio Mosquini é o relator revisor da MP 924/2020, conhecida como MP do Enfrentamento do coronavírus. O Senador Eduardo Gomes també

Deputados federais apresentam no STF pedido de impeachment do ministro Weintraub

Deputados federais apresentam no STF pedido de impeachment do ministro Weintraub

Rede Brasil Atual - Deputados da oposição anunciaram hoje (5) que vão apresentar denúncia no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o ministro da Edu