Porto Velho (RO) terça-feira, 13 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Renan evita polemizar sobre aumento de salário dos parlamentares


Adriana Vasconcelos - Agência O GloboBRASÍLIA - O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), pretende deixar para o colégio de líderes a responsabilidade de definir o reajuste que deverá ser concedido para os parlamentares da próxima legislatura. Ele evitou emitir sua opinião sobre uma proposta que já começou a ser defendida por alguns deputados e senadores que prevê um aumento de 91,4% para os seus próprios salários, que seriam elevados dos atuais R$ 12,4 mil para R$ 24,5 mil.- Essa discussão ainda não está no Senado. Vamos reunir os líderes no momento certo para a decisão sobre fixar o subisídio para a próxima legislatura. Eu não estou defendendo aumento, mas há uma obrigação constitucional que manda que a legislatura anterior fixe o subsídio da legislatura seguinte - desconversou Renan.Para Renan, esse debate terá necessariamente de levar em conta o orçamento do Legislativo previsto para o próximo ano. Ele lembrou, por exemplo, que o Congresso Nacional já aprovou os reajustes do Poder Judiciário, Ministério Público e Polícia Federal, mas eles ainda não foram sancionados por falta de previsão orçamentária.- Nós já votamos o reajuste do Poder Judiciário, do Ministério Público e da Polícia Federal e outros órgãos. No entanto, não foram sancionados porque não há no orçamento rubrica que permita essa sanção. Essa decisão não é minha, mas das duas Casas. O presidente não pode substituir os deputados ou senadores - acrescentou.Renan fez questão de salientar ainda que, durante sua gestão, o Senado conseguiu reduzir suas despesas e esse comportamento deveria ser seguido por todas as demais instituições públicas do país.- Do ponto de vista do Senado, nós não vamos fazer nada que agregue despesa. Nós temos cortado despesas e vamos continuar fazendo isso. Esse, aliás, deveria ser o dever de todo mundo. Cortar orçamento, os gastos públicos e dar transparência a eles - sugeriu.Na tentativa de reduzir eventuais críticas da opinião pública ao aumento dos parlamentares, justamente no momento em que o governo federal propõe a redução do reajuste do salário mínimo para R$ 367 (diferentemente dos R$ 375 prometidos anteriormente), há quem defenda na Câmara o fim das verbas de gabinete que são pagas mediante a comprovação de gastos. Os senadores, no entanto, não recebem essa verba de gabinete.- Nós não temos verba de gabinete - confirmou Renan

Mais Sobre Política - Nacional

Projeto de Mariana Carvalho isenta motorista de novos exames dentro da validade da CNH

Projeto de Mariana Carvalho isenta motorista de novos exames dentro da validade da CNH

O exame tem validade de cinco anos para condutores com menos de 65 anos.

Haddad, Ciro, Boulos e os rumos dos progressistas

Haddad, Ciro, Boulos e os rumos dos progressistas

Haddad, Ciro e Boulos precisam decidir se querem dar um passo em frente ou dois passos atrás.

O presidente eleito Jair Bolsonaro intensifica processo de transição esta semana em Brasília

O presidente eleito Jair Bolsonaro intensifica processo de transição esta semana em Brasília

Previdência, nomeação de ministros e reajuste estão na agenda

Governo Bolsonaro não fará discriminação de qualquer tipo, afirma Moro

Governo Bolsonaro não fará discriminação de qualquer tipo, afirma Moro

Futuro ministro afirma que haverá rigor contra crimes de ódio