Porto Velho (RO) segunda-feira, 18 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Reforma política para combater “circo” no Congresso


Dalmo Dallari defende reforma política
para combater "circo" no Congresso

Para o professor de Direito da Universidade de São Paulo, Dalmo Dallari, a proposta de convocação de uma Assembléia Constituinte exclusiva para a reforma política deve "morrer" logo. Isso não significa, para ele, que não haja a necessidade de mudar o atual sistema político para garantir transparência, combater a corrupção e ampliar a participação social. Dois pontos são essenciais: voto distrital e financiamento público de campanha.

Na segunda parte da entrevista à Rádio Nacional, o jurista defendeu a necessidade da reforma política com alterações por meio de emendas constitucionais para combater o "circo" no Congresso Nacional atualmente sobre discussões e denúncias de corrupção. "Na maioria dos casos, o grande beneficiário da corrupção é um grupo privado. Mas de qualquer maneira ela acontece com ampla, intensa participação de parlamentares eleitos, representantes do povo. Então por isto é indispensável a reforma política", disse.

Rádio Nacional: Como fazer a reforma política sem destruir a Constituição?

Dalmo Dallari: Através de propostas de emendas constitucionais. Eu já estive examinando, naturalmente interessado no assunto. Constitucionalistas, examinei com todos os pormenores, com todo o cuidado. É perfeitamente possível fazer a reforma constitucional, a emenda da Constituição aperfeiçoando o sistema político, sobretudo o sistema político-eleitoral.

Exemplifico com dois pontos, que ao meu ver são básicos e fundamentais. Um deles é a introdução do sistema de distritos eleitorais. Eu acho isso extremamente importante para dar mais legitimidade. O distrito é isso, é vincular o candidato a uma área relativamente pequena, onde ele vive, com a qual ele tem vínculo. Então o eleitor terá mais possibilidade de saber quem é o candidato. No estado de São Paulo, por exemplo, um candidato recebe votos no norte, no sul, leste, oeste, no centro, na capital, no interior. E um candidato demagogo ou corrupto vai comprando votos em cada parte do estado e acaba se elegendo. E ele não tem vínculo nenhum, não tem vínculo com ninguém. E os eleitores muitas vezes foram enganados porque apareceu aquele homem bem falante, com uma publicidade rica, intensa. Isso engana o eleitor.

Então esse é o primeiro momento, é o momento de escolha. O distrito eleitoral permite uma escolha muito melhor. E a par disso, em continuação, o candidato eleito por um distrito será facilmente controlado pelos eleitores do distrito. E o que nós estamos vendo agora, escancaradamente, é que deixar que os próprios parlamentares controlem os parlamentares é ter nada. É por "o bode guardando as couves". Na verdade, é fundamental que o povo tenha possibilidade de fazer a boa escolha e de fazer o controle. Então esse é um dos pontos que pode ser mudado sem Constituinte, pelo processo comum, por emenda como está previsto na Constituição.

E o segundo ponto também, bem fundamental, é o financiamento público das campanhas eleitorais. Então isso significa, quem quiser dar dinheiro - empresa, pessoas, quem quiser - dá o dinheiro para um fundo, que é um fundo comum a todos os partidos. Então isto impede o "comprador" de deputados ou o deputado que se vende a um grupo econômico. Ou se vende a um grupo político, a uma elite social. Então são pontos básicos, como você vê, e que pode ser mudados por meio de emenda constitucional comum, normal. Sem nenhuma necessidade de que se fale em Constituinte. Por todas essas razões, eu sou absolutamente contra a idéia ou uma eventual proposta de Constituinte. Quer dizer, Constituinte é um fato excepcional na vida de um povo que só deve ocorrer quando houver uma situação traumática, uma situação grave que envolva todo o povo.

Rádio Nacional: Existe vontade política dos nossos congressistas para uma reforma política?

Dalmo Dallari: Nós estamos discutindo esse aspecto, eu e outros juristas, e mesmo pessoas que não são da área jurídica, e uma das conclusões é que é perfeitamente possível que o próprio povo, através das organizações sociais, através de sindicatos, de grupos comunitários, é possível que o povo prepare as propostas de emenda. E a própria Constituição prevê a hipótese da iniciativa popular. E uma emenda proposta pelo povo forçosamente terá que ser debatida.

O parlamentar não pode ignorar aquilo que o povo propôs. Evidentemente neste momento, é fundamental o papel da imprensa. Que a imprensa estimule este debate , que estimule a divulgação para que da base social venha a pressão, que no caso é absolutamente legítima, sobre os parlamentares, para que eles respeitem a vontade do povo. E levem a sério a proposta de emenda constitucional e façam efetivamente a reforma política.

Rádio Nacional: Por que, na avaliação do senhor, é necessário uma reforma política?

Dalmo Dallari: É necessário pelo "circo" que nós estamos vendo que é hoje o Congresso Nacional. Isso está diretamente ligado ao sistema de partidos, ao sistema de escolha de representantes. A Constituição de 1988, pela primeira vez na história do Brasil, diz que o sistema brasileiro é democrático, que o poder vem do povo. E que o povo exercerá este poder ou através de representantes ou diretamente. Esse diretamente, infelizmente, é pouco porque o nosso povo não tem tradição de participação direta na política. Nós não estamos organizados para isso. Então dependemos fundamentalmente da representação. Os representantes, aqueles eleitos pelo povo, é que governam em nome do povo. E nós estamos vendo que coisa horrorosa, decepcionante, entristecedora é o Congresso Nacional hoje.

Vários membros do Congresso Nacional disseram, e disseram pela imprensa, em voz alta, que nunca o Congresso Nacional desceu a um nível tão baixo. E nós vemos, por exemplo, o uso de palavras grosseiras. E às vezes se referindo ao presidente da República. Um senador da República referindo-se ao presidente com fraseado, com palavra de moleque de rua. Não é o que se espera de um parlamentar, de um senador, de um político eminente. Veio, na verdade, a um nível muito baixo. E a revelação de corrupção, com uma forte participação dos parlamentares - é preciso não esquecer que muito desta corrupção é em favor de grupos privados. É em favor de empresas. Então não ficar com a idéia de que o corrupto é o setor público. E que o setor privado é puro. Não é assim. Na maioria dos casos, o grande beneficiário da corrupção é um grupo privado. Mas de qualquer maneira ela acontece com ampla, intensa participação de parlamentares eleitos, representantes do povo. Então por isto é indispensável a reforma política.

Rádio Nacional: Então a Constituinte exclusiva é um assunto que não deve prosperar?

Dalmo Dallari: Não deve prosperar. E hoje já há muitos pronunciamentos de juristas chamando a atenção para isto e demonstrando que uma proposta dessas é inconstitucional. Então não tem sequer a possibilidade de ser discutida no Congresso Nacional. Eu acho que é um assunto que deverá morrer daqui a poucos dias.
 
Fonte: Agência Nacional

Mais Sobre Política - Nacional

Aepet denuncia: Temer prepara maior crime da história durante a Copa

Aepet denuncia: Temer prepara maior crime da história durante a Copa

AEPET alerta: "as multinacionais pretendem que o governo Temer anule a decisão do Conselho Nacional de Política Energética pela contratação direta da

Ex-diretor do DER fecha delação

Ex-diretor do DER fecha delação

O ex-diretor geral do DER do Paraná Nelson Leal Júnior fechou acordo de delação premiada com a força-tarefa da Lava Jato onde se comprometeu a fornec

FHC, sobre sua atuação como tesoureiro informal: pedi mesmo

FHC, sobre sua atuação como tesoureiro informal: pedi mesmo

Enquanto Lula está preso sem jamais ter enviado emails a empreiteiros pedindo 'SOS', o ex-presidente FHC admite que atuou como tesoureiro informal do

CNJ proíbe juízes de manifestarem apoio ou críticas políticas na internet

CNJ proíbe juízes de manifestarem apoio ou críticas políticas na internet

O CNJ divulgou uma regulamentação para proibir o uso de redes sociais por parte de magistrados para dar apoio ou expressar críticas a políticos e part