Porto Velho (RO) terça-feira, 26 de março de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

PT não deve reconduzir Berzoini de volta à presidência do partido


Maria Lima - Agência O Globo BRASÍLIA - Além de avaliar a relação do partido com o governo no próximo mandato, a Executiva Nacional do PT começa a discutir nesta terça-feira, em reunião que está sendo realizada no comitê da campanha de reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o novo comando do partido. O primeiro passo é reafirmar a permanência de Marco Aurélio Garcia na função até março ou abril, quando será escolhido o novo presidente. A solução evitaria a volta do deputado Ricardo Berzoini à direção do PT, da qual se afastou quando seu nome foi relacionado à compra de um dossiê contra políticos tucanos. (Conheça os personagens citados no caso)- Vamos fazer uma avaliação geral, mas o principal é reafirmar a permanência de Marco Aurélio até março ou abril - disse o líder do PT na Câmara, Henrique Fontana (RS).Berzoini deixou a presidência do PT no dia 6 de outubro, após admitir que sabia que assessores petistas entraram em contato com a revista "Época". Na ocasião, resaltou desconhecer que era para negociar o dossiê. Ele já tinha sido afastado da função de coordenador da campanha à reeleição de Lula.O governador eleito de Sergipe, Marcelo Déda, que não faz parte da Executiva, disse, por telefone, que a proposta de mudança no comando tem como objetivo dar um caráter nacional ao partido, e não se trata de uma reação aos paulistas. Déda disse que não basta fazer autocrítica, é preciso mudar:- Não é um movimento mesquinho por poder. O slogan não é o fim da paulistização ou anti-São Paulo, é a favor da nacionalização do partido, levando em conta que é preciso construir uma agenda de mudança efetiva. Não adianta o partido só se reunir, fazer uma autocrítica e dizer que está tudo bem. Isso não basta - disse.Já o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu voltou atrás na crítica que havia feito ao ministro Tarso Genro (Relações Institucionais) na segunda-feira em entrevista à TV Cultura. Na ocasião, Dirceu disse que Tarso não tinha "legitimidade e nem representatividade" para propor a "refundação" do PT. A afirmação fazia referência à declaração que o ministro fizera antes do segundo turno da eleição sobre a necessidade de o partido incorporar "novas pessoas" no segundo mandato de Lula.Em texto publicado na segunda-feira em seu Blog, Dirceu baixou o tom: "Cometi um erro e quero me penitenciar. Ao afirmar que o ministro Tarso Genro não tem legitimidade e nem representatividade para propor a refundação do PT, na verdade eu entendo que ele não tem é maioria, não acredito que a maioria do PT apóie a idéia de uma refundação. É evidente que Tarso Genro tem legitimidade para propor o que quiser e tem representatividade no partido, até porque é ex-presidente do PT e ministro do governo Lula", diz a nota.

Mais Sobre Política - Nacional

AROEIRA: RELAÇÃO ENTRE JAIR BOLSONARO E RODRIGO MAIA É DE AMOR E ÓDIO

AROEIRA: RELAÇÃO ENTRE JAIR BOLSONARO E RODRIGO MAIA É DE AMOR E ÓDIO

O chargista Aroeira, do Jornalistas pela Democracia, divulgou nesta segunda-feira (25) nova charge em que retrata a crise política protagonizada pelo

Presidente Jair Bolsonaro autoriza celebração do 31 de março de 1964

Presidente Jair Bolsonaro autoriza celebração do 31 de março de 1964

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a mensagem que será lida em quarteis e guarnições militares no próximo dia 31 de março, em alusão à mesma data no

Câmara dos Deputados: CCJC aprova projeto de política nacional de prevenção ao suicídio

Câmara dos Deputados: CCJC aprova projeto de política nacional de prevenção ao suicídio

A deputada federal Mariana Carvalho (PSDB-RO), informou que Câmara dos Deputados, por meio da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC)

Vídeo: Mariana Carvalho comemora a aprovação do seu projeto em que o agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

Vídeo: Mariana Carvalho comemora a aprovação do seu projeto em que o agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

Projeto da deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO) e do deputado Rafael Motta (PSB-RN) é aprovado no Senado Federal. O projeto determina que o agressor