Porto Velho (RO) quinta-feira, 25 de abril de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Promotor diz que delação premiada é um 'mal necessário'


Marcio Falcao - Agência O GloboBRASÍLIA - Com os sucessivos escândalos de corrupção que atingiram o cenário político nos últimos anos, é cada vez mais comum a concessão da delação premiada. Recentemente, o presidente da CPI dos Sanguessugas, deputado Antônio Carlos Biscaia (PT-RJ), chegou a defender o cancelamento do benefício ao empresário Luiz Antônio Vedoin, proprietário da Planam, empresa acusada de comandar a máfia das ambulâncias superfaturadas. O deputado alega que ele tem alterado as versões do depoimento, o que abala a credibilidade de suas declarações e prejudica as investigações.Para o promotor de Justiça do Estado de São Paulo e professor de Direito Penal Fábio Bechara, do Complexo Jurídico Damásio de Jesus, esse instrumento legal é um "mal necessário" no combate às organizações criminosas. Segundo ele, na fase de investigação criminal, o colaborador, além de confessar seus crimes, pode evitar que outras infrações sejam cometidas e ajudar a recolher provas contra os demais envolvidos, possibilitando suas prisões.- A delação é um avanço importantíssimo, além de ser uma tendência no mundo inteiro. Ela aperfeiçoa as ações do Estado, tornando a repressão ao crime mais rápida e eficaz. Mas o problema é que a lei está frágil, omissa, bastante vulnerável - afirma Bechara.A delação premiada permite a redução, de um a dois terços, ou até mesmo a extinção de pena, no caso de réus primários, do acusado que coopera com a Justiça, delatando parceiros no crime. Mas o principal problema é que esse instrumento ainda não foi regulamentado pela legislação brasileira.Nesta semana, a Polícia Federal ouviu mais uma vez o empresário Luiz Vedoin. Ele negociou com PF a delação premiada. Assim como o doleiro Antonio Oliveira Claramunt, o Toninho da Barcelona, que negociou a delação para prestar depoimento nas CPIs dos Bingos, dos Correios e do Mensalão, e o advogado Rogério Buratti que denunciou a corrupção na prefeitura de Ribeirão Preto, na gestão do ex-ministro da Fazenda, Antonio Palocci.- O Ministério Público e a polícia estão esquecendo que a colaboração diz respeito diretamente à pena, e quem fornece a pena é o juiz. É preciso que o juiz participe desse processo, e que na hora em que for fechada a delação, ele aplique a pena no mesmo momento ao beneficiário da delação - afirma o promotor.De acordo com o promotor, não há problema algum em o Estado utilizar criminosos nas investigações.- Não temos cultura de transacionar com bandido. Temos que ter a idéia de que ele (Estado) não está se prostituindo - avalia o promotor.Há alguns anos, a delação premiada era citada apenas em leis de crimes específicos, como na Lei de Crimes Hediondos, Lavagem de Capitais e Lei Antitóxicos. A partir de 1999, o benefício é incluído na Lei de Proteção a Vítimas, Testemunhas, Acusados e Condenados, sem vínculo com qualquer tipo de crime específico.Mas a referência ao benefício é vaga e pairam muitas dúvidas quanto a sua aplicação. Não se define, por exemplo, quem vai conferir a veracidade das informações do delator, nem quando vão ocorrer essas investigações, nem quando o instrumento pode ser utilizado, se antes ou depois de julgado um criminoso. O caminho, segundo o promotor, é o Brasil esboçar uma lei nos moldes italianos, que estabelece normas mais rígidas para a permissão da delação. Por lá, o prazo, por exemplo, é de 120 dias para o acusado decidir se vai colaborar ou não.- Apenas regras mais claras e rígidas vão permitir um maior controle da aplicação e evitar a banalização desse instrumento.

Mais Sobre Política - Nacional

Presidente Jair Bolsonaro extingue horário de verão

Presidente Jair Bolsonaro extingue horário de verão

O Brasil não adotará mais o horário de verão a partir deste ano. O presidente Jair Bolsonaro assinou hoje (25) decreto que extingue a medida, em cerim

Senador Marcos Rogério sugere o afastamento cautelar de diretor-geral da ANTT

Senador Marcos Rogério sugere o afastamento cautelar de diretor-geral da ANTT

Na manhã desta terça-feira, durante a abertura da reunião da Comissão de Infraestrutura, o senador Marcos Rogério sugeriu o afastamento cautelar do

Cultura: Contratos de patrocínio da Petrobras passam por revisão, diz Jair Bolsonaro

Cultura: Contratos de patrocínio da Petrobras passam por revisão, diz Jair Bolsonaro

O governo federal determinou a revisão dos contratos da Petrobras que estão em vigor para patrocínios ligados ao setor de cultura. Em publicação hoje 

Decreto de Jair Bolsonaro extingue centenas de canais de participação social em políticas públicas

Decreto de Jair Bolsonaro extingue centenas de canais de participação social em políticas públicas

No pacote divulgado ontem (11) para marcar os 100 dias de governo, o presidente Jair Bolsonaro assinou o Decreto 9.759, que pretende diminuir de 700 p