Porto Velho (RO) segunda-feira, 6 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Promotor diz que delação premiada é um 'mal necessário'


Marcio Falcao - Agência O Globo BRASÍLIA - Com os sucessivos escândalos de corrupção que atingiram o cenário político nos últimos anos, é cada vez mais comum a concessão da delação premiada. Recentemente, o presidente da CPI dos Sanguessugas, deputado Antônio Carlos Biscaia (PT-RJ), chegou a defender o cancelamento do benefício ao empresário Luiz Antônio Vedoin, proprietário da Planam, empresa acusada de comandar a máfia das ambulâncias superfaturadas. O deputado alega que ele tem alterado as versões do depoimento, o que abala a credibilidade de suas declarações e prejudica as investigações. Para o promotor de Justiça do Estado de São Paulo e professor de Direito Penal Fábio Bechara, do Complexo Jurídico Damásio de Jesus, esse instrumento legal é um "mal necessário" no combate às organizações criminosas. Segundo ele, na fase de investigação criminal, o colaborador, além de confessar seus crimes, pode evitar que outras infrações sejam cometidas e ajudar a recolher provas contra os demais envolvidos, possibilitando suas prisões. - A delação é um avanço importantíssimo, além de ser uma tendência no mundo inteiro. Ela aperfeiçoa as ações do Estado, tornando a repressão ao crime mais rápida e eficaz. Mas o problema é que a lei está frágil, omissa, bastante vulnerável - afirma Bechara. A delação premiada permite a redução, de um a dois terços, ou até mesmo a extinção de pena, no caso de réus primários, do acusado que coopera com a Justiça, delatando parceiros no crime. Mas o principal problema é que esse instrumento ainda não foi regulamentado pela legislação brasileira. Nesta semana, a Polícia Federal ouviu mais uma vez o empresário Luiz Vedoin. Ele negociou com PF a delação premiada. Assim como o doleiro Antonio Oliveira Claramunt, o Toninho da Barcelona, que negociou a delação para prestar depoimento nas CPIs dos Bingos, dos Correios e do Mensalão, e o advogado Rogério Buratti que denunciou a corrupção na prefeitura de Ribeirão Preto, na gestão do ex-ministro da Fazenda, Antonio Palocci. - O Ministério Público e a polícia estão esquecendo que a colaboração diz respeito diretamente à pena, e quem fornece a pena é o juiz. É preciso que o juiz participe desse processo, e que na hora em que for fechada a delação, ele aplique a pena no mesmo momento ao beneficiário da delação - afirma o promotor. De acordo com o promotor, não há problema algum em o Estado utilizar criminosos nas investigações. - Não temos cultura de transacionar com bandido. Temos que ter a idéia de que ele (Estado) não está se prostituindo - avalia o promotor. Há alguns anos, a delação premiada era citada apenas em leis de crimes específicos, como na Lei de Crimes Hediondos, Lavagem de Capitais e Lei Antitóxicos. A partir de 1999, o benefício é incluído na Lei de Proteção a Vítimas, Testemunhas, Acusados e Condenados, sem vínculo com qualquer tipo de crime específico. Mas a referência ao benefício é vaga e pairam muitas dúvidas quanto a sua aplicação. Não se define, por exemplo, quem vai conferir a veracidade das informações do delator, nem quando vão ocorrer essas investigações, nem quando o instrumento pode ser utilizado, se antes ou depois de julgado um criminoso. O caminho, segundo o promotor, é o Brasil esboçar uma lei nos moldes italianos, que estabelece normas mais rígidas para a permissão da delação. Por lá, o prazo, por exemplo, é de 120 dias para o acusado decidir se vai colaborar ou não. - Apenas regras mais claras e rígidas vão permitir um maior controle da aplicação e evitar a banalização desse instrumento.

Mais Sobre Política - Nacional

Mariana Carvalho defende novas medidas aprovadas pelo Congresso no enfrentamento à Covid-19

Mariana Carvalho defende novas medidas aprovadas pelo Congresso no enfrentamento à Covid-19

A deputada federal Mariana Carvalho (PSDB-RO) defendeu nesta quinta-feira (2) as medidas que estão sendo aprovadas pela Câmara e pelo Senado no

Relator revisor da MP 924 - Coronavírus, Dep Lucio Mosquini destaca liberação de 5 Bilhões para enfrentamento da crise na saúde

Relator revisor da MP 924 - Coronavírus, Dep Lucio Mosquini destaca liberação de 5 Bilhões para enfrentamento da crise na saúde

O deputado federal Lucio Mosquini é o relator revisor da MP 924/2020, conhecida como MP do Enfrentamento do coronavírus. O Senador Eduardo Gomes també

Deputados federais apresentam no STF pedido de impeachment do ministro Weintraub

Deputados federais apresentam no STF pedido de impeachment do ministro Weintraub

Rede Brasil Atual - Deputados da oposição anunciaram hoje (5) que vão apresentar denúncia no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o ministro da Edu