Porto Velho (RO) terça-feira, 25 de fevereiro de 2020
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

PMDB é a noiva no altar no segundo turno


Agência O Globo RIO - O PMDB, mais uma vez, vira alvo de cobiça entre PT e PSDB em busca de apoio para o segundo turno da eleição presidencial. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o tucano Geraldo Alckmin sabem muito bem disso. Quem conquistar o maior número de aliados entre os peemdebistas passa não só a ser o favorito para vencer a disputa como também garante a governabilidade no próximo mandato. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), já tratou de valorizar o passe. Ao chegar ao Congresso na manhã desta terça-feira, ele disse que seu partido obteve o melhor resultado de todos os tempos na eleição de domingo. Segundo Renan, o crescimento mostra que o PMDB acertou ao não lançar um candidato próprio a presidente da República. - Esse foi o melhor resultado do PMDB em todos os tempos. O partido elegeu quatro governadores no primeiro turno, está disputando o segundo turno em seis estados e ainda participa de seis coligações vitoriosas no primeiro turno. Além disso, o partido elegeu a maior bancada na Câmara e no Senado - disse Renan, que sempre foi um aliado de primeira hora de Lula. Mas, tradicionalmente, o PMDB é um partido dividido. No Rio de Janeiro, por exemplo, por um lado Sérgio Cabral, que disputa o segundo turno com Denise Frossard (PPS), anunciou que vai subir no palanque com Lula. Já a governadora Rosinha e seu marido, Anthony Garotinho, devem declarar apoio a Alckmin. O presidente nacional do PMDB, Michel Temer, e o deputado federal Moreira Franco, que atuou como coordenador de campanha do tucano no Rio, também estão neste grupo. No Paraná, outro peemedebista que está no segundo turno demonstra cautela. Ao contrário de 2002, quando subiu no palanque junto com Lula, desta vez o governador Roberto Requião, que tenta a reeleição, busca "descolar" a imagem da do petista. - A situação é nova, as variáveis mudam e vamos examinar isso - disse Requião, referindo-se ao candidato do partido que concorreu ao governo, Flávio Arns (PT), que já se declarou neutro para o segundo turno. Na primeira aparição desde as eleições de domingo, Requião brincou com os jornalistas, alegando o mesmo motivo de Lula para não ter vencido no primeiro turno. - Como disse o presidente Lula, faltou voto para ganhar no primeiro turno - ironizou. Em Santa Catarina, Alckmin já tem o apoio formal do governador Luiz Henrique, outro que disputa a reeleição. Mas no Rio Grande do Sul há uma indefinição quanto ao apoio do governador Germano Rigotto, que ficou fora do segundo turno, que terá Yeda Crusius (PSDB) e Olívio Dutra (PT). A executiva estadual do PMDB decidiu, ainda não oficialmente, apoiar a tucana, mas Rigotto deve permanecer neutro na disputa. - O apoio do PMDB à candidatura Alckmin será natural no Rio Grande do Sul. Quando tentou disputar a Presidência da República, Rigotto foi um dos maiores críticos de Lula - lembra o senador tucano Leonel Pavan (PSDB), vice-candidato na chapa de Luiz Henrique. O deputado Geddel Vieira Lima (BA) se reuniu com Lula e o governador eleito da Bahia, Jaques Wagner. No encontro, eles discutiram estratégias que devem ser adotadas para a campanha no estado.

Mais Sobre Política - Nacional

Deputados federais apresentam no STF pedido de impeachment do ministro Weintraub

Deputados federais apresentam no STF pedido de impeachment do ministro Weintraub

Rede Brasil Atual - Deputados da oposição anunciaram hoje (5) que vão apresentar denúncia no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o ministro da Edu

Jair Bolsonaro envia projeto que regulamenta exploração de terras indígenas

Jair Bolsonaro envia projeto que regulamenta exploração de terras indígenas

O presidente Jair Bolsonaro apresentou nesta quarta-feira (5) um projeto de lei (PL) para regulamentar a exploração de atividades econômicas em terras

Carta aberta ao Congresso Nacional pelas aprovações da PEC nº 108 de 2019ª

Carta aberta ao Congresso Nacional pelas aprovações da PEC nº 108 de 2019ª

Nos últimos anos voltou à tona a discussão sobre o excesso de regulamentação profissional no Brasil, numa   verdadeira afronta ao disposto no art. 5º,