Porto Velho (RO) domingo, 22 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

PMDB do Pará pede anulação de eleições para senador no estado



Débora Zampier

Agência Brasil,
Brasília – O PMDB do Pará entrou com uma representação no Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE-PA) para pedir a anulação das eleições para senador no estado. O partido argumenta que mais de 50% dos votos para o cargo foram considerados nulos, uma vez que o segundo e o terceiro colocados – Jader Barbalho (PMDB-PA) e Paulo Rocha (PT-PA), respectivamente – tiveram o registro negado por causa da Lei da Ficha Limpa.

Além da nulidade das eleições para o Senado, o PMDB-PA pede um novo pleito e a não diplomação dos candidatos Fernando de Souza Flexa Ribeiro (PSDB) e Marinor Brito (PSOL). Segundo a legislação eleitoral, a diplomação deve ocorrer até o dia 17 de dezembro.

“Inicialmente, esperávamos que o tribunal agisse de ofício e não proclamasse o resultado, pois a própria legislação impede que isso aconteça. Mas já que a proclamação aconteceu no último dia 11, decidimos agir para que não haja diplomação e não se crie um ambiente de ainda mais insegurança jurídica no estado”, explica Sávio Melo, um dos advogados do escritório que defende o PMDB no Pará.

O advogado ainda explica que a proclamação não poderia ser feita porque mesmo que o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) já tenha se posicionado sobre Barbalho, o caso ainda está em fase de recurso. O político foi o primeiro enquadrado na Lei da Ficha Limpa pelo STF por ter renunciado ao cargo de senador em 2001 para escapar de possível processo de cassação por quebra de decoro. O recurso contra decisão que negou registro de Paulo Rocha ainda aguarda julgamento no STF.

Dias antes do segundo turno das eleições, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Ricardo Lewandowski, afirmou que caberia ao TRE-PA decidir se convocaria ou não novas eleições para o Senado no estado. “A lei prevê que, quando a maioria dos votos for nula em eleição majoritária, há a possibilidade de convocar novas eleições”, disse Lewandowski. Ao ser informado que o presidente do TRE, João Maroja, dissera que não convocaria novas eleições, o ministro afirmou: “Então, cabe a algum inconformado recorrer”.

Na época, a justificativa do presidente do TRE-PA para não convocar novas eleições é que a regra que possibilita novo pleito quando há 50% ou mais de votos nulos se aplica a cargos do Executivo e não aos do Legislativo. “Para esses a regra que prevalece [para eleger os senadores] é a de maioria simples. Ou seja, quem obtiver a maior quantidade de votos será eleito”.

Mais Sobre Política - Nacional

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç