Porto Velho (RO) segunda-feira, 9 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Pedro Simon sai em defesa da Polícia Federal e pede que senadores reflitam



Senadores do governo e oposição defendem Gilmar Mendes nas críticas à Polícia Federal

Marcos Chagas
Agência Brasil

Brasília - Senadores da base do governo e da oposição saíram em defesa, hoje (9), do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, que criticou a forma como a Polícia Federal conduziu a Operação Satiagraha, que levou para a prisão o banqueiro Daniel Dantas, o investidor Naji Nahas e o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta.

Coube ao presidente do PSDB, Sérgio Guerra (PE), abrir uma sequência de depoimentos contra excessos, que teriam sido praticados pela Polícia Federal durante a operação, como a filmagem por uma emissora de televisão e o uso de algemas.

Em nenhum momento, os senadores criticaram a operação em si, mas a exposição pública das pessoas investigadas. "Foi uma crítica à forma e não ao conteúdo", resumiu Romeu Tuma (PTB-SP).

No mesmo tom de Sérgio Guerra, os senadores Tasso Jereissati (PSDB-CE), Arthur Virgílio Neto (PSDB-AM), Tião Viana (PT-AC) e Geraldo Mesquita Júnior (PMDB-AC) o sucederam criticando excessos que teriam sido praticados pela Polícia Federal durante a realização da operação Satiagraha. Esses excessos, segundo eles, se deram na medida em que a PF permitiu que uma emissora de televisão filmasse as prisões realizadas.

"Não podemos nos calar quando há atividades policialescas", disse Tasso Jereissati. No mesmo tom o presidente do Senado, Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), destacou que o importante, na discussão, é deixar claro que o desejo dos senadores é que a lei "seja posta em prática para ricos e pobres".

Já o líder do PSDB, Arthur Virgílio Neto, considerou "meritória" a ação da Polícia Federal, mas fez a ressalva sobre o que considera uma "quebra do Estado de Direito" que foi a permissão de filmagens da operação. "Por que TV? Por que essa idéia que se passa de Estado Policial?", questionou.

O primeiro vice-presidente do Senado, Tião Viana, considera que, ao agir dessa forma, a Polícia Federal cria um "estigma" de que todo agente público é bandido. Ele considerou fundamental que o Parlamento fortaleça, neste momento, "a autoridade do presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes". 

O senador Pedro Simon (PMDB-RS), por sua vez, saiu em defesa da Polícia Federal e pediu que os senadores reflitam sobre "um sentimento" que toma conta da população de que a elite nunca é atingida. "Vocês já se deram conta de quantas vezes policiais entram nos morros, matando, e ninguém [no Senado] protesta?", indagou o senador peemedebista.

Sua atitude gerou desconforto entre os colegas. O tucano Arthur Virgílio foi a tribuna rebater as declarações de Simon. Segundo ele, da forma como o parlamentar fez sua colocação, passa-se para a opinião pública a idéia de que Simon seria "o único cavaleiro andante que está sempre do lado justo, honesto, contra os outros 80 senadores".

Diante das críticas de Arthur Virgílio, o senador Pedro Simon foi a tribuna para reafirmar que apóia a ação da Polícia Federal mas que, como os colegas, é contra a participação de uma emissora de TV na operação. 


 

Mais Sobre Política - Nacional

Jaqueline Cassol cobra votação da MP que garante Revalida

Jaqueline Cassol cobra votação da MP que garante Revalida

A deputada federal Jaqueline Cassol (PP-RO) cobrou do presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) a votação, antes que encerre o prazo, da Medida Provisórias cri

Supremo Tribunal Federal mantém decisão que proíbe gestantes em atividade insalubre

Supremo Tribunal Federal mantém decisão que proíbe gestantes em atividade insalubre

Por unanimidade e em ambiente virtual, o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou recurso da Advocacia-Geral da União (AGU) e manteve a decisão, tomada

Boa notícia: Lula dará ao velho amigo 1ª entrevista fora da prisão

Boa notícia: Lula dará ao velho amigo 1ª entrevista fora da prisão

Neste ano e meio que ele está preso, não tive condições de viajar a Curitiba e fiquei esperando o amigo sair da prisão para poder falar com ele, certo

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p