Porto Velho (RO) sábado, 14 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Partidos fazem restrições a números do TSE sobre custo de campanha


Luiza Damé - Agência O GloboBRASÍLIA - Dirigentes partidários fizeram restrições ao custo da campanha eleitoral divulgado ontem pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) porque se baseia no teto apresentado pelos candidatos. Segundo eles, o valor não é real, pois os partidos são obrigados pela Legislação Eleitoral a estabelecer um limite máximo e não mudá-lo durante o processo eleitoral. PMDB, PSDB e PT defenderam o financiamento público das campanhas para evitar gastos excessivos. - É muito dinheiro. Isso mostra que devemos continuar trabalhando pelo financiamento público de campanha - disse o secretário-geral do PSDB, Eduardo Paes. Para o secretário-geral interino do PT, Joaquim Soriano, o problema não é o número, mas a legislação eleitoral. Soriano argumentou que a regra permite o financiamento privado das campanhas e exige que os candidatos estabeleçam um teto de despesas, que necessariamente não será concretizado. - A legislação induz à elevação do teto, porque não pode mudar durante a campanha. Tem um mercado de produtos eleitorais cujo preço chega a inibir - afirmou. A solução, segundo Soriano, é o financiamento público:- A legislação tem de mudar. Essa legislação não garante condições democráticas mínimas para fortalecimento partidário e da democracia. É necessário eleição por lista partidária e que o financiamento partidário seja público.O presidente do PMDB, Michel Temer, disse que o teto previsto pelos partidos não será atingido, especialmente porque os candidatos estão encontrando dificuldades de arrecadação de fundos. Segundo ele, as dificuldades se devem à falta de dinheiro dos doadores e ao medo de pessoas e empresas se verem envolvidas em escândalo, prestando depoimento em uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI).- O dinheiro anda curto. Ninguém faz doação - afirmou Temer.- Aritmeticamente, o valor está correto, mas politicamente ninguém gastará o teto - disse.Para Temer, a aprovação do financiamento público das campanhas eleitorais, combinado com a votação em lista partidária, "uniformizaria mais as campanhas", evitando gastos elevados.Segundo o líder do PFL na Câmara, Rodrigo Maia, o teto é genérico e a maioria dos candidatos, especialmente a deputado, não gasta nem 10% do limite previsto pelo partido.- O TSE somou o limite máximo. Os partidos colocam o teto acima da realidade para contemplar os mais diversos candidatos - disse Rodrigo, acrescentando que o valor divulgado pelo TSE "é completamente fora da realidade".Rodrigo, Temer e Soriano discordaram de avaliações de que um gasto inferior ao previsto indica a prática de caixa dois. O tucano, no entanto, entende que "sempre é possível" existir caixa dois.- Depois das mudanças na legislação, com a exigência de três prestações de contas, será mais difícil a prática de caixa dois. A legislação fechou as portas - argumentou Temer.

Mais Sobre Política - Nacional

Jaqueline Cassol cobra votação da MP que garante Revalida

Jaqueline Cassol cobra votação da MP que garante Revalida

A deputada federal Jaqueline Cassol (PP-RO) cobrou do presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) a votação, antes que encerre o prazo, da Medida Provisórias cri

Supremo Tribunal Federal mantém decisão que proíbe gestantes em atividade insalubre

Supremo Tribunal Federal mantém decisão que proíbe gestantes em atividade insalubre

Por unanimidade e em ambiente virtual, o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou recurso da Advocacia-Geral da União (AGU) e manteve a decisão, tomada

Boa notícia: Lula dará ao velho amigo 1ª entrevista fora da prisão

Boa notícia: Lula dará ao velho amigo 1ª entrevista fora da prisão

Neste ano e meio que ele está preso, não tive condições de viajar a Curitiba e fiquei esperando o amigo sair da prisão para poder falar com ele, certo

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p