Porto Velho (RO) quinta-feira, 16 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Parte das atribuições do controle aéreo em Brasília passará para Rio e SP


Regina Alvarez e Henrique Gomes Batista - Agência O GloboBRASÍLIA - O comandante da Aeronáutica, brigadeiro Luiz Carlos da Silva Bueno, anunciou uma medida para descentralizar o controle aéreo brasileiro, que atualmente é concentrado no Cindacta 1, centro de Brasília, responsável por 80% dos vôos do país. A idéia é equipar os centros do Rio de Janeiro e de São Paulo, que atualmente funcionam apenas como centros de aproximação, o que significa que não têm capacidade para atender vôos de cruzeiros (aqueles acima de 25 mil pés).A Aeronáutica informou que irá comprar equipamentos e providenciar o treinamento de pessoal para atuar no Rio e em São Paulo, que deverão começar a funcionar como o centro de Brasília dentro de seis a oito meses, segundo Bueno.No curto prazo, o brigadeiro disse que o Cindacta 1 passará a operar, em dezembro, com sete controladores de vôo a mais. Com isso, o centro que atualmente trabalha com 175 controladores, contará com 182.- Tudo isso são medidas visando à segurança dos usuários - disse Bueno.Falta de técnico para corrigir paneO ministro da Defesa, Waldir Pires, disse nesta quinta que o Brasil não tinha técnicos especializados em solucionar o problema que, na terça-feira, interrompeu todas as comunicações entre aviões e torres de controle do Cindacta 1, tornando inoperantes por três horas todos os aeroportos do Sudeste e do Centro-Oeste, causando a maior pane da aviação civil brasileira.O minstro falou a deputados da comissão extraordinária criada para investigar as causas do caos do tráfego aéreo. O problema de comunicação só pôde ser verificado porque, por casualidade, um técnico francês que trabalha na empresa italiana que fabricou o rádio utilizado pela Aeronáutica, estava em Manaus e foi transferido às pressas para Brasília.A Aeronáutica já concluiu que a pane na central de rádio do Cindacta de Brasília foi provocada por erro humano. O equipamento principal falhou e, na hora de transferir, as comunicações para o sistema reserva, um técnico encaixou uma peça de forma equivocada. Os investigadores também concluíram que o erro não foi intencional. De acordo com gravações obtidas com exclusividade pelo "Jornal Nacional", da TV Globo, as falhas na comunicação entre pilotos e controladores de vôo têm sido freqüentes.Mais cedo, o presidente da Anac, Milton Zuanazzi, dissera que o governo estuda a criação de novos quatro centros de controle, que funcionariam como reservas aos atuais quatro Cindactas (Centros Integrados de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo). Zuanazzi afirmou ainda que o governo já comprou equipamentos de reserva, iguais aos que falharam na terça-feira, e que eles devem estar completamente instalados até o fim da semana que vem. E, ainda segundo ele, o governo já está providenciando a compra de um novo sistema de rádio para ser instalado em São Paulo, como determinou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em uma reunião emergencial sobre a crise na terça-feira.

Mais Sobre Política - Nacional

 Moro age como se fosse autoridade superior, diz Favreto no CNJ

Moro age como se fosse autoridade superior, diz Favreto no CNJ

O desembargador do TRF-4 Rogério Fraveto, que em 8 de julho determinou a soltura do ex-presidente Lula, decisão que não foi cumprida, disse, em sua de

Grupo Abril pede recuperação judicial

Grupo Abril pede recuperação judicial

O grupo Abril entrou com um pedido recuperação judicial nesta quarta-feira (15); plano de recuperação judicial será mostrado aos credores em até 60 di

Sonegação de R$ 26 bi do Itaú vai a julgamento. É a maior da história

Sonegação de R$ 26 bi do Itaú vai a julgamento. É a maior da história

Está revogada a decisão do Carf que havia livrado o banco de pagamento de multa de R$ 26 bilhões por sonegação de impostos; é a maior da história...

Bancários se manifestam em Brasília em defesa de bancos públicos

Bancários se manifestam em Brasília em defesa de bancos públicos

Bancários protestam contra as resoluções da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da Uni