Porto Velho (RO) quarta-feira, 18 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Para Reis Velloso, futuro presidente deve se preocupar com a reforma política


 
Gilberto Costa
Agência Brasil

Brasília – Na opinião do economista João Paulo dos Reis Velloso, ex-ministro do Planejamento por dez anos (1969-1979), o próximo presidente deve retomar urgentemente a agenda de reformas, em especial a reforma política. “Para poder ter taxas de crescimento maior temos que aproveitar oportunidades, para aproveitar oportunidades nós temos que fazer as reformas necessárias”, avalia.

Reis Velloso foi ministro a época da ditadura militar (1964-1985), durante os governos dos generais Garrastazu Médici e Ernesto Geisel, e estava no poder durante o “milagre brasileiro” e as crises do petróleo em 1973 e em 1979. Daquele tempo, o economista faz uma autocrítica: “nos anos 1970, o nosso concorrente era a Coreia do Sul. A Coreia hoje está quilômetros a nossa frente porque fez reformas que nós não fizemos, porque tomou decisões e fez opções que nós não fizemos”.

Atualmente Reis Velloso, com 79 anos, participa do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o “Conselhão” ligado à Presidência da República e coordena na Fundação Getulio Vargas, o prestigiado Fórum Nacional, que reúne os principais economistas do país e do exterior e que costuma ser aberto pelo presidente da República. O ex-ministro deu a seguinte entrevista à Agência Brasil sobre o que espera do futuro presidente da República.

Agência Brasil – Qual deve ser a agenda do próximo presidente da República?
João Paulo dos Reis Velloso
- Ele vai ter que se preocupar com a questão política. O maior problema do Brasil não é econômico, é político. Nós temos que fazer a modernização do sistema de partidos políticos e temos que fazer a modernização do Congresso Nacional. Além disso, o próprio Executivo tem que ter uma espécie de reforma administrativa porque a Constituição de 1988 praticamente extinguiu a reforma feita em 1967 quando a estrutura era mais descentralizada e menor.

ABr - Fazer reforma política é mexer no status quo. O senhor acha que o próximo presidente consegue isso?
Reis Velloso
- Ou faz isso ou o Brasil vai ficar um país emergente durante três séculos. Se não fizer grandes reformas, o país vai continuar subdesenvolvido, ou em desenvolvimento, ou emergente, como você quiser chamar. Tudo significa a mesma coisa: não desenvolvido.

ABr – E a reforma tributária? Por que os diferentes governos eleitos não conseguiram fazer de fato?
Reis Velloso
- Porque não quiseram. Repito: porque não quiseram. Tem de haver mobilização, a sociedade tem que se manifestar. Tem que ser ativa para cobrar todas essas coisas de que nós estamos falando.

ABr – O próximo governo vai fazer ajuste fiscal?
Reis Velloso
– Não tem como fugir disso. Tem que fazer o ajuste fiscal maior porque do contrário nós não vamos conseguir fazer o investimento que temos que fazer. O Brasil vem de épocas que o investimento representava 15%, 20% da despesa. Hoje é 5%. Quer dizer, há realmente toda uma agenda de reformas. Tudo isso é difícil, não vamos subestimar, mas é imprescindível. Nos anos 1970, o nosso concorrente era a Coreia do Sul. A Coreia hoje está quilômetros à nossa frente porque fez reformas que nós não fizemos, porque tomou decisões e fez opções que nós não fizemos.

ABr – O nosso concorrente direto agora é o Chile?
Reis Velloso
– Não é propriamente concorrente porque o Chile não tem o desenvolvimento tecnológico que a Coreia tem. Há um mundo de oportunidades a aproveitar. Não há país no mundo que tenha tantas oportunidades. Isso foi dito pela revista The Economist: 'é injusto que hajam tantas oportunidades no Brasil'. Mas se nós não fizermos as reformas, não vai ter aproveitamento de oportunidades.

ABr – E quanto à China?
Reis Velloso
– A China dormiu durante 2.500 anos, mas acordou, como previa Napoleão. Ele já tinha previsto: deixe a China dormir, porque quando ela acordar... A China está crescendo hoje como nós crescíamos no começo dos anos 1970. Nós desconstruímos aquele know-how de crescimento que tínhamos e estamos tentando recuperar. Nós não podemos nos satisfazer com 5%. Isso não é taxa de crescimento aceitável para o Brasil. Mas é a tal coisa, para poder ter taxas de crescimento maior temos que aproveitar oportunidades, para aproveitar oportunidades nós temos que fazer as reformas necessárias.

 

Mais Sobre Política - Nacional

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç