Porto Velho (RO) terça-feira, 11 de dezembro de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Para empresários, Lula deve seguir 'consensos'


Lino Rodrigues - Agência O GloboSÃO PAULO - A Federação e o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp) vêem com otimismo uma fase mais flexível da economia brasileira no segundo mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, independentemente do ministro escolhido para comandar a Fazenda.Nas palavras do diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Fiesp, Paulo Francini, e do ditretor de Economia do Ciesp, Boris Tabacof, a sociedade criou alguns "consensos" nos últimos anos que deverão nortear as prováveis mudanças na política econômica no segundo governo de Lula.Segundo Francini, uma das unanimidades, e talvez a mais importante, seria a de que o país necessita crescer com urgência e criar mais empregos.Além disso, ele enumera a inflação, que deixou de ser o grande vilão da economia, a redução dos gastos públicos e a falta de espaço para aumentar impostos como pontos também importantes para ser discutidos à luz de um projeto de desenvolvimento. A inflação, diz ele, não deve ser mais o centro da política econômica.- O importante é que esses consensos vêm de todos os lados, do próprio governo, das empresas, dos opositores, da sociedade... Isso pode ser usado como um balizador para as próximas atitudes do governo - disse ele.Quanto à política cambial e às altas taxas juros, que concentram as reclamações dos empresários, o economista da Fiesp acredita que é possível discutir medidas para trazer tanto os juros quanto o dólar, "deslocados da realidade", para patamares mais baixos.- Manter esse câmbio nas alturas é desafiar a lei da gravidade - compara Tabacof, do Ciesp, que junto com Francini, divulgou os resultados da produção industrial paulista de setembro.Como também é consenso nas duas entidades que este ano está praticamente encerrado em termos de crescimento da produção da indústria em São Paulo, Francini diz que a esperança do setor se concentra agora nas medidas que virão com o segundo mandato de Lula.Como o crescimento se tornou unanimidade nacional, a indústria paulista, acredita o empresário, "vai colaborar" para que ele aconteça.- A sociedade está cansada de ver a economia não crescer. O governo parece que captou a mensagem - afirmou o empresário, lembrando que ouviu "com prazer" a declaração da ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) de que o crescimento da economia teria passado a ser uma obsessão do governo.

Mais Sobre Política - Nacional

Bolsonaro pede, em diplomação, confiança daqueles que não votaram nele

Bolsonaro pede, em diplomação, confiança daqueles que não votaram nele

No discurso de diplomação, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, prometeu hoje (10) governar para todos, sem qualquer distinção ou discriminaçao. Bo

BOLSONAROS - PATRIMÔNIO DE R$ 15 MILHÕES É SUSPEITO E TEM INDÍCIOS DE LAVAGEM

BOLSONAROS - PATRIMÔNIO DE R$ 15 MILHÕES É SUSPEITO E TEM INDÍCIOS DE LAVAGEM

O esquema Bolsonaro-Queiroz que emergiu na última quinta-feira (6) pode ser apenas a ponta do iceberg que envolve o clã Bolsonaro. Jair e seus filho

Presidente Temer anuncia intervenção federal em Roraima até o fim do ano

Presidente Temer anuncia intervenção federal em Roraima até o fim do ano

O presidente Michel Temer determinou a intervenção federal no estado de Roraima, em virtude da crise na segurança pública e penitenciária no estado a

RICARDO KOTSCHO - Conexão da família do PM Queiroz envolve Jair, Michele e Flávio Bolsonaro

RICARDO KOTSCHO - Conexão da família do PM Queiroz envolve Jair, Michele e Flávio Bolsonaro

O assessor parlamentar, motorista e segurança de Flávio Bolsonaro, PM Fabrício José Carlos de Queiroz, fez movimentações de RS 1,2 milhão em sua con