Porto Velho (RO) sexta-feira, 18 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Para empresários, Lula deve seguir 'consensos'


Lino Rodrigues - Agência O GloboSÃO PAULO - A Federação e o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp) vêem com otimismo uma fase mais flexível da economia brasileira no segundo mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, independentemente do ministro escolhido para comandar a Fazenda.Nas palavras do diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Fiesp, Paulo Francini, e do ditretor de Economia do Ciesp, Boris Tabacof, a sociedade criou alguns "consensos" nos últimos anos que deverão nortear as prováveis mudanças na política econômica no segundo governo de Lula.Segundo Francini, uma das unanimidades, e talvez a mais importante, seria a de que o país necessita crescer com urgência e criar mais empregos.Além disso, ele enumera a inflação, que deixou de ser o grande vilão da economia, a redução dos gastos públicos e a falta de espaço para aumentar impostos como pontos também importantes para ser discutidos à luz de um projeto de desenvolvimento. A inflação, diz ele, não deve ser mais o centro da política econômica.- O importante é que esses consensos vêm de todos os lados, do próprio governo, das empresas, dos opositores, da sociedade... Isso pode ser usado como um balizador para as próximas atitudes do governo - disse ele.Quanto à política cambial e às altas taxas juros, que concentram as reclamações dos empresários, o economista da Fiesp acredita que é possível discutir medidas para trazer tanto os juros quanto o dólar, "deslocados da realidade", para patamares mais baixos.- Manter esse câmbio nas alturas é desafiar a lei da gravidade - compara Tabacof, do Ciesp, que junto com Francini, divulgou os resultados da produção industrial paulista de setembro.Como também é consenso nas duas entidades que este ano está praticamente encerrado em termos de crescimento da produção da indústria em São Paulo, Francini diz que a esperança do setor se concentra agora nas medidas que virão com o segundo mandato de Lula.Como o crescimento se tornou unanimidade nacional, a indústria paulista, acredita o empresário, "vai colaborar" para que ele aconteça.- A sociedade está cansada de ver a economia não crescer. O governo parece que captou a mensagem - afirmou o empresário, lembrando que ouviu "com prazer" a declaração da ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) de que o crescimento da economia teria passado a ser uma obsessão do governo.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que